segunda-feira, 30 de novembro de 2015

AMIGO SUPER PODEROSO

Se me pedissem para identificar a chave mais importante para uma oração eficaz, eu diria que é aproximar-se de Deus como seu amigo. Quando nos chegamos a Deus acreditando que Ele nos vê como Seus amigos, obtemos acesso a novas maravilhas. Assim, experimentamos a liberdade e a ousadia necessárias para uma oração eficaz.

Se não conhecemos Deus como amigo, e se não confiamos no fato de que Ele pensa em nós como amigos, ficaremos relutantes em dizer o que precisamos ou em pedir alguma coisa. Se tivermos um relacionamento formal e distante com Deus, nossas orações podem ser legalistas. Mas se nos aproximarmos Dele como nosso amigo, sem perdermos o nosso temor por Ele, nossas orações serão sempre renovadas, animadas e íntimas.

Uma amizade natural envolve amar e ser amado. Significa saber que alguém está do seu lado, querendo ajudar você, animar você, sempre tendo em mente o seu melhor interesse. Um amigo é alguém que você valoriza, um camarada, um parceiro, alguém que é querido por você, alguém com quem você quer passar tempo e de quem gosta. Você se torna amigo de uma pessoa investindo tempo nela e com ela, compartilhando sua vida com essa pessoa.

A diferença entre desenvolver um relacionamento com Deus como amigo e construir relacionamentos com as pessoas é que, em Deus, você acaba tendo um amigo que é perfeito! Alguém que nunca o deixará nem o abandonará. Alguém que é fiel, confiável, amoroso e perdoador.

Joyce Meyer, em "O PODER DA ORAÇÃO SIMPLES"

ORANDO DE TODO CORAÇÃO


domingo, 29 de novembro de 2015

INSISTIR COM DEUS É SINAL DE TEIMOSIA?

Todos nós convivemos com dois tipos de pessoa na vida: os íntimos e os distantes. Quando consideramos alguém amigo, temos liberdade de pedir ao mesmo um favor e sentimo-nos à vontade diante de tal pessoa. 

Para muita gente, Deus é um alguém distante, a quem tratam quase como um estranho. Todavia, quando alguém vê Deus como Pai, como amigo e tem um relacionamento de comunhão com Ele, tal pessoa tem a liberdade de aproximar-se de Deus como uma "santa ousadia".

Isso é possível quando crescemos no conhecimento de Deus em nossa vida. Abraão conhecia o coração misericordioso de Deus, e por isso insistiu, ainda que respeitosamente, com Deus em favor dos habitantes de Sodoma. É importante observar que, em nenhum momento, Deus o repreende por isso.

Texto Base - GÊNESIS 18.23-32

23 - E chegou-se Abraão, dizendo: Destruirás também o justo com o ímpio?

24 - Se porventura houver cinqüenta justos na cidade, destruirás também, e não pouparás o lugar por causa dos cinqüenta justos que estão dentro dela?

25 - Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti. Não faria justiça o Juiz de toda a terra?

26 - Então disse o Senhor: Se eu em Sodoma achar cinqüenta justos dentro da cidade, pouparei a todo o lugar por amor deles.

27 - E respondeu Abraão dizendo: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou pó e cinza.

28 - Se porventura de cinqüenta justos faltarem cinco, destruirás por aqueles cinco toda a cidade? E disse: Não a destruirei, se eu achar ali quarenta e cinco.

29 - E continuou ainda a falar-lhe, e disse: Se porventura se acharem ali quarenta? E disse: Não o farei por amor dos quarenta.

30 - Disse mais: Ora, não se ire o Senhor, se eu ainda falar: Se porventura se acharem ali trinta? E disse: Não o farei se achar ali trinta.

31 - E disse: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor: Se porventura se acharem ali vinte? E disse: Não a destruirei por amor dos vinte.

32 - Disse mais: Ora, não se ire o Senhor, que ainda só mais esta vez falo: Se porventura se acharem ali dez? E disse: Não a destruirei por amor dos dez.

Danival de Jesus Motta

NÃO HÁ VERGONHA NA DOR


sábado, 28 de novembro de 2015

RETRATOS DA ALMA

Se fosse possível fotografar a alma de um cristão antes da sua conversão até a sua maturidade espiritual, o que veríamos seria mais ou menos o seguinte:

Antes da conversão veríamos a alma amarrada a prazeres e a pessoas, posses materiais, talentos e dons os mais diversos, que teriam o maior e o melhor do seu afeto, tornando-se em verdadeiros objetos de idolatria.

Na conversão, ao se descobrir o quão digno e desejável é Cristo, muitos dos ídolos seriam removidos, mas outros permaneceriam em competição com Cristo, dividindo com Ele a adoração que lhe é exclusivamente devida.

Com o passar dos anos, na caminhada com Cristo, mais e mais, o maior e o melhor dos afetos da alma se revelariam voltados para o Senhor Jesus, e a devoção aos ídolos antigos foi perdendo lugar, e nas fotografias veríamos a alma cada vez mais livre das correntes que a aprisionavam.

E por fim, na maturidade espiritual, encontramos a alma desmamada do mundo, cumprindo o propósito para o qual fora criada por Deus, para adorá-lo e amá-lo acima de todas as demais coisas, ainda que boas e lícitas.

Familiares, filhos, carreiras, posses, talentos, gostos pessoais, e tudo o mais, deixou de estar em competição com Cristo, e alma acha agora todo o seu prazer somente em Deus.

Sivio Dutra

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

O LEILÃO DE ALMA


Certo dia Deus permitiu que uma famosa cantora e artista soubesse que, em uma cidade da Inglaterra, estava pregando um renomado evangelista. E ela desejou ouvi-lo.

Quando entrou no grande salão repleto de pessoas onde se realizava o culto, o pregador já havia iniciado a pregação, mas, ao perceber a entrada da famosa artista, ele convidou-á para ir à frente. Quando ela se aproximou do púlpito, aquele homem de Deus teve a inspiração para transformar aquele culto em um leilão.

Então ele disse à congregação: "Vamos levar esta alma à leilão, vejo que há interessados e o que melhor lance oferecer, esse a levará. Vamos ver quanto vale esta alma." 

"Vejo que o mundo está interessado. Mundo, quanto dás por esta alma ? " – perguntou.

E o mundo ofereceu fama e aplausos, que só valem por esta vida terrena, sem fazer cálculos para o futuro.

Diante de tão pequeno lance o pregador disse: "Não será tua esta vida!" – e ele continuou dizendo – "Vejo aqui outro pretendente que está muito interessado, é satanás. Dize-me quanto ofereces por esta alma?"

Ah! – disse satanás apontando para os reinos deste mundo e suas riquezas – "eu porei à seu alcance todas as possibilidades, beberá do cálice dos prazeres até a última gota, triunfará em sua carreira."

Então perguntou o pregador: "E quando terminar a sua existência, quando sua carne não mais puder desfrutar os prazeres e ela sentir sua alma insatisfeita e tiver de apresentar-se ante o tribunal de Cristo, que farás em seu favor?"

O pai da mentira respondeu: "Minha oferta trata do presente, nada tem a ver com o futuro."

E o homem de Deus disse: "És muito pretensioso Satanás, com glória tão efêmera e preço tão insignificante, não levarás esta alma. Tua oferta é muito pequena!"

E o pregador continuou dizendo: "Vejo presente outro interessado, seu nome é Jesus. Dize-me Jesus, quanto dás por esta alma?"

"Eu dei a minha vida e o meu sangue quando morri na cruz, disse Jesus, apagarei todas as suas transgressões e lavarei todos os seus pecados no meu sangue. Em sua alma reinará a paz que o mundo não conhece. Escreverei o seu nome no livro da vida. Se ela voluntariamente quiser me servir, eu irei adorná-la com o ouro da fé, perfumá-la com o aroma da santidade e cobrí-la com o incomparável manto da justiça." 

"E, após haver terminado esta vida terrestre, o que ofereces à ela Senhor?" – perguntou o pregador.

Então Jesus respondeu: "Se ela não se envergonhar do meu nome e me aceitar como único Salvador e Senhor, os anjos virão buscá-la para receber honras e glórias no Paraíso de Deus, junto à mim."

Encerrando o leilão, o pregador disse à Jesus: "Tua oferta é incomparavelmente maior e melhor que todas as outras, por isso Senhor, esta vida é tua."

SOLIDÃO TEM COR



quinta-feira, 26 de novembro de 2015

TENDES CUIDADO COM AS IDÉIAS

Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos.

Isaías 55.8-9


Diz um provérbio chinês que se dois homens, cada um levando um pão, se encontrarem em uma estrada e ambos trocarem os pães e partirem, sairá cada um levando um pão; mas, se dois homens, cada um com uma ideia, se encontrarem e trocarem as ideias, e depois cada homem, seguir o seu caminho, partirão ambos levando duas ideias.


As ideias são o combustível do mundo, elas motivam, iludem, criam sonhos, abrem portas, constroem ou confirmam reinos e modificam culturas. No entanto, elas também são perigosas quando mal empregadas, podem destruir vidas, aniquilar sonhos, fechar portas e destruir reinos.


Isso me faz lembrar de Saulo no caminho de Damasco, seguindo uma ideia que acreditava ser certa – perseguindo, prendendo e até concordando com a morte de pessoas, porque julgava seguir ordens de Deus.


Nestes dias difíceis em que vivemos, o mundo parece girar ao contrário – misérias, violência, maldade, pecados e distanciamento de Deus – precisamos está atentos às ideias que a humanidade está pregando nos colégios, na televisão, na moda, nos costumes, no comportamento, para que não sejamos influenciados e, de repente, alguém nos acorde como o Senhor fez com Saulo, perguntando o que estamos fazendo.


Que nossa mente esteja sempre na Palavra de Deus, pois Ela é perfeita e refrigera a alma! Que a nossa oração peça ao Pai que o seu mandamento seja o desejo de nosso coração . E assim supliquemos ao criador, que nos livre das ideias e opiniões de homens que só conduzem a humanidade ao fracasso e ao erro. Pregando vida e paz, produzem solidão e dor.

DEUS E O CORAÇÃO


terça-feira, 24 de novembro de 2015

CORAÇÕES DOENTES



Como na água o rosto corresponde ao rosto, assim, o coração do homem, ao homem.


Provérbios 27.19

Surgiu um macabro comércio de recordações do tsunami que destruiu a ilha de Phuket, onde é possível comprar camisetas e fotos de cadáveres inchados boiando no mar. Uma grande loja de fotografias da cidade afirmou que vende centenas de cópias das piores cenas de destruição nas províncias costeiras do sul, varridas por ondas gigantescas.

Um funcionário, que preferiu não ser identificado, afirmou a um repórter que a imagem mais vendida é a que retrata dezenas de corpos presos entre os escombros de um edifício de Khao Lak, uma das localidades da Província de Phang Nga mais devastadas.


Também há vídeos e pôsteres à venda nas lojas e livrarias da cidade.


- O que está de errado com o coração humano?
Autor desconhecido.
Colaborador: Conferencista Carlos Ribeiro

SOZINHO


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

É O CORAÇÃO


PERDOANDO

Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.

Ef. 4.32


Quando somos traídos, enganados nos sentimos tão mal. A gente confia em alguém, entrega-lhe uma parte importante da nossa existência e, de repente, vemos a dor rasgar nossa vida, ferida pelas mãos de quem não esperávamos.

Quando Jesus estava no jardim do Getsemani, ele viu a traição chegar na pessoa de Judas, um amigo, um discípulo, o tesoureiro. Sendo assim, ele era alguém em quem Jesus confiava. Mas a reação do Mestre me encanta: Amigo, para que vieste?

Eu fico imaginando como alguém que conhece tudo, que sabia o que Judas estava tramando, que ele estava conduzindo soldados e sacerdotes por aquele jardim para que Ele, o Filho de Deus, fosse preso e acusado perante as autoridades, que isso o levaria a morte, e ainda assim, deu a face para alguém que desejava e planejava o seu mal. E logo, aproximando-se de Jesus, lhe disse: Salve, Mestre! E o beijou.

Mas como poderia ser diferente, se durante todo o seu ministério, ele pregou o amor, o perdão, a outra chance? Como poderia agora, no teste final de sua missão falhar? Jesus apenas nos mostrou que ser atacado, humilhado, traído, odiado não nos dar o direito de agirmos do mesmo modo.

Ele não era igual a Judas! Era a luz, o filho de Deus e, Judas, as trevas, e como qualquer outro ser humano precisava de amor, da verdade, do perdão. E por ser assim, quando encontrou-se com Judas no Jardim, agora não como Mestre e discípulo, mas de lado opostos - Jesus ainda ofereceu o amor e o perdão.

Que Deus nos ajude a seguir os passos de Jesus.
Fandermiler Freitas

domingo, 22 de novembro de 2015

AMIGO É ALGO RARO E PRECIOSO

A palavra amizade vem da raiz latina amicus, mas a palavra que temos para amizade no texto original grego do Novo Testamento é filos, que significa aquele que ama ou gosta de algo ou alguém.

Agora, é óbvio que no sentido de amizade de intimidade e comunhão é impossível que esta seja estabelecida quando uma das partes envolvidas não o deseje, ou então o deseje sob a condição de jugo desigual, a saber, de comunhão das trevas com a luz, o que é impossível à citada comunhão.

Daí Jesus definir como seus amigos íntimos, somente aqueles que guardam os Seus mandamentos, porque são estes que são nascidos do Espírito Santo, e tendo a Sua habitação podem partilhar da comunhão espiritual com o Senhor, o qual é espírito.

A rigor, não se pode chamar de verdadeira amizade aquela que é fundamentada no mal, porque neste não pode existir verdadeiro amor, pois o que caracteriza uma amizade verdadeira é o amor. 

Assim, há amigos íntimos, amigos não próximos, e em nossos dias até amigos virtuais, como os das redes sociais, que apesar de não se conhecerem pessoalmente, em alguns casos, podem manter laços de amizade pelo interesse comum de desejar o bem um do outro. 

Agora, devemos considerar que a amizade não é algo que seja necessariamente permanente, pois é possível que alguém assuma uma posição diferente e contrária a quem antes amava, por motivo justificável ou não. A Bíblia está repleta de exemplos relativos a isto, inclusive de amigos que se tornaram até mesmo traidores, como vemos por exemplo nas citações de Jeremias e de nosso Senhor Jesus Cristo, nos textos a seguir:

“Pois ouço a difamação de muitos, terror por todos os lados! Denunciai-o! Denunciemo-lo! dizem todos os meus íntimos amigos, aguardando o meu manquejar; bem pode ser que se deixe enganar; então prevaleceremos contra ele e nos vingaremos dele.” (Jeremias 20.10)

“E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós;” (Lucas 21.16)

Todavia, a par de toda a prudência que devemos ter, é necessário cumprir a ordenança bíblica de que no que depender de nós devemos ter paz com todas as pessoas, e não abrigar mágoas e ressentimentos em nosso coração, mesmo em relação aos que nos têm ofendido.

E especialmente em relação aos nossos irmãos em Cristo devemos seguir a instrução apostólica que diz:

“Finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, cheios de amor fraternal, misericordiosos, humildes,” (I Pedro 3.8)

“Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros;” (Romanos 12.10)

Mas mesmo neste caso devemos ter toda a prudência, sabendo que uma verdadeira amizade demanda dos que são amigos um caráter refinado e aprovado, pois o simples nome de crente não nos valerá quando não se anda de modo reto e fiel, e com certeza, os laços de amizade sofrerão com isto, conforme somos alertados no seguinte texto de Provérbios:

“O homem que tem muitos amigos, tem-nos para a sua ruína; mas há um amigo que é mais chegado do que um irmão.” (Provérbios 18.24)

Há somente um amigo que nunca falha, mais chegado do que um irmão, que sempre nos é fiel, e este é Jesus Cristo. 

Todos os demais amigos falham ou podem vir a falhar... daí a necessidade que temos de praticar o perdão, para a continuidade com o relacionamento com aqueles que nos amam de fato e que são sinceros no seu proceder. 

Sigamos o exemplo de Jesus, conforme no caso da restauração do apóstolo Pedro, que apesar de tê-lo negado por ter sido pressionado pelas circunstâncias, todavia jamais o havia negado em seu coração, porque o amava verdadeiramente. 

Silvio Dutra

ILUSÃO


sábado, 21 de novembro de 2015

E OS OUTROS?


E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.

Lucas 10:27

Uma mulher, humildemente vestida, foi vista se abaixando e pegando algo em uma rua de uma favela, onde pequenas crianças, pobres e descalças, costumavam brincar. Quem percebeu a atitude da mulher foi um policial que estava fazendo sua ronda no local. Ele achou muito suspeita a atitude da mulher. Ele a viu abaixar-se várias vezes e, o que pegava, escondia em um bolso de seu vestido. Finalmente ele se aproximou dela e, de maneira áspera, perguntou: "O que você está escondendo em seu bolso?" A mulher, timidamente, não respondeu de imediato. O policial, pensando que ela havia encontrado algo de valor, disse que a prenderia caso não mostrasse o que havia escondido. A mulher,colocando a mão no bolso, retirou um punhado de vidro quebrado. "O que você quer com esses cacos de vidro?" perguntou o policial. A mulher respondeu: "Eu vi o vidro quebrado na rua e fiquei preocupada que ferisse os pés de alguma criança que brinca aqui."

Aqueles que têm Jesus no coração, aprendem que devem amar a Deus e também ao próximo. Em um mundo de egoísmo, de interesses pessoais e de indiferença, o cristão precisa ser notado como alguém que se preocupa com os outros.

Nós temos a salvação ... e os outros? Nós temos o amor do Senhor... e os outros? Nós temos os cuidados e proteção de Deus... e os outros? Precisamos mostrar o amor de Deus; precisamos demonstrar que somos diferentes; precisamos testificar da presença do Senhor Jesus em nossos corações.

Se dizemos que somos discípulos de Cristo e não obedecemos os Seus ensinamentos, somos mentirosos e O envergonhamos. Se dizemos que Jesus caminha conosco e as nossas atitudes contradizem a maneira como Ele viveu, não merecemos ser chamados filhos de Deus.

Você se preocupa apenas com você? E os outros?

Paulo Barbosa
Fonte: http://www.webservos.com.br

O MEDO É


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

FAZENDO A CORRETA AVALIAÇÃO

Por que seria menos importante servir a Deus e ao seu reino eterno, do que aos homens e seus interesses imediatos e terrenos?

Todavia é o que ocorre comumente, até mesmo entre aqueles que são filhos de Deus. Isto sucede em razão de serem, tanto Deus, como o Seu reino, invisíveis. Não possuem aparência externa, logo, quando se caminha por vista e não por fé, ficamos cegos e incapacitados de fazer uma justa e correta avaliação do que é mais importante.

Afinal, como podemos atribuir valor ao que não vemos; que não experimentamos; que não conhecemos?

Ainda que se fale sobre isto, pouco será a ajuda para enxergarmos a verdade, caso não tenhamos nossos olhos e ouvidos abertos para verem e ouvirem as coisas relativas ao reino dos céus, pela graça de Jesus e pelo poder do Espírito.

Como entenderemos a profunda exatidão e realidade das advertências bíblicas, para que sirvamos a Deus com temor e tremor?

Como poderemos aceitar que estamos em grande risco, quando negligenciamos os interesses de Deus e da Igreja, especialmente por não dar a devida atenção, respeito e acatamento aos instrumentos que Ele usa para nos liderar e conduzir?

O que dizer então, quando aqueles que são chamados por Ele para apascentar o Seu rebanho são também cegos e irresponsáveis?

Se temos que prestar contas de nossas ações àqueles que são constituídos como autoridade e têm poder sobre nós em assuntos seculares, quanto mais não teremos que prestar Àquele que é o Todo-Poderoso?

Ele consideraria coisa de somenos importância, que abandonemos nossas obrigações ministeriais que Ele mesmo nos atribuiu para serem cumpridas?

Ele não levaria em conta o abandonarmos sem motivo e sem a Sua permissão, a congregação na qual nos colocou para que em unidade fizéssemos Sua obra?

Seus olhos estão continuamente sobre nós, e em todo o tempo somos julgados quanto ao que pensamos e fazemos. Ele não é como um supervisor humano que pode nos controlar apenas quando estamos ao alcance da Sua vista.

Como não temeríamos então, muito mais Aquele que pode não somente nos recompensar por nosso bom comportamento, como também nos repreender e infligir danos eternos por nossas negligências e irresponsabilidade?

Caminhemos, portanto com temor e tremor durante toda a nossa peregrinação terrena, vigiando e orando em todo o tempo, para que não percamos de vista e da lembrança estas verdades tão importantes para o nosso bem-estar espiritual e para a glória de Deus.

Silvio Dutra

O QUE É BOM


terça-feira, 17 de novembro de 2015

PARECIDO COM JESUS

Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.

João 13.15

O Pastor  Jorge Figueiredo postou um texto sobre um jovem, Herbet Chavez, morador das Filipinas que já fez várias cirurgias plástica para fica parecido com o Super Homem. 

Herbet Chavez não é uma anormalidade neste mundo. Ele faz parte do padrão, apesar do extremismo. O homem segue parâmetros que vai desde o modo como pensar e aparência até o estilo e filosofia de vida. Desde que nasce imita. Primeiros, os pais, a professora, depois, à medida que cresce o círculo de interferência se move de acordo com novos interesses. A política, os sindicatos, as escolas, as igrejas são apenas exemplos básicos. O homem é escravo de uma ideia. E não há exceções nesta regra, todos são produtos do meio, alguns menos outros mais.

Sabedor disso, o apóstolo João nos aconselha a não seguirmos o exemplo do mundo - "Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo". O verbo amar aqui tem o sentido de por nele seu coração, de se deixar levar ou seduzir. É interessante como ele nos enfatiza o não amar (não permitir seu coração se envolver, não deixar sua alma se deliciar, não se apegar). O problema não está no amar, mas no que pode nos fazer este amor - "Se alguém ama o mundo o amor do pai não está nele"

Paulo nos exorta a sermos parecido com Jesus. Para isso, não necessitamos de cirurgias plásticas, cortes de cabelos e etc., mas unicamente ser preenchido pelo Espírito de Deus. É o agir do Espírito que faz o homem parecido com Jesus.

Um vaso novo - Thales Roberto

VERDADEIRAMENTE LIVRE

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

QUANDO O SENTIMENTO FALA MAIS ALTO DO QUE A JUSTIÇA

Ali está o pequeno Absalão brincando com seus irmãos nos jardins do palácio real.

Os olhos de seu pai o contemplam cheios de admiração e orgulho por ele, não por vislumbrar um espírito reto e piedoso que nele se formaria no futuro, mas senão somente por seus belos dotes físicos e sagacidade.

O pequeno cresceu e se transformou num monstro, a ponto de tentar contra a vida do próprio pai e levantar um exército contra ele com o intento de ocupar o trono em seu lugar. 

Ainda assim, Davi se conduzia apenas pelos sentimentos e gratas recordações dos tempos de infância e juventude do rapaz.

Então ordenou insistentemente a seus homens que poupassem a vida de Absalão na batalha que Deus ordenara que se levantasse contra ele e o seu exército infiel.

Mas o Senhor tinha outros planos em relação a isto e ordenou que fosse morto.

Joabe ouviu a Deus e não a Davi naquela ocasião e o matou.

Quando retornaram em triunfo da batalha, os homens que haviam colocado suas vidas em risco por causa de Davi e do seu reino - tendo inclusive havido baixas entre eles – não receberam boa acolhida da parte do rei, que recusava ser consolado pela morte de seu filho, e não conseguia vencer a tristeza que sentia.

Joabe o repreendeu com respeito e com sábias palavras, mostrando-lhe que procedia mal naquele caso pois estava desprezando os que haviam colocado suas vidas em risco por amor a ele, e estava prezando a quem odiava tanto a ele quanto a Deus.

Somente então ele se dispôs a demonstrar a devida gratidão aos que haviam lutado por ele. 

De igual modo, quantos não têm desprezado aqueles que lutam por seus interesses e que os amam em justiça e de fato, por causa de laços sentimentais que os cegam para a verdade?

Silvio Dutra

O REFÚGIO DO INCOMPENTENTE


domingo, 15 de novembro de 2015

PALAVRAS

Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.

Ef. 4.29

As palavras tem poder. É incrível como elas exercem uma estranha influência no íntimo a ponto de mudar o destino de um homem. Quantas vezes fica-se a indagar no íntimo, após o coração ser bombardeado por palavras?

Palavras de ânimo podem salvar almas, levar o ser a praticar coisas grandes e nobres, desafiar gigantes e obstáculos, vencer corridas. A Bíblia diz claramente: A vida e a morte estão no poder da língua.

Por outro lado, uma palavras mal dita pode destruir toda uma existência promissora e levar o caos e a dor ao coração, por isso, O Senhor Jesus disse que "de toda a palavra frívola que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo".

Quantas palavras nos influenciaram? Muitas é claro. Algumas para o bem outras para o mal. Um dos grandes desafios do sábio é compreender o que pode ser retido pelo coração e o que dever ser desprezado. Nossa vida corre grande perigo quando seguimos o caminho do erro. Não se pode atingir o alvo se caminhamos na direção errada.

Que Deus nos ajude a falar só o que é bom e que edifique outras vidas e a sermos capaz de ouvir e atender o que for benéfico para a nossa alma.

Fandermiler Freitas

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

COMO ESTÁ SUA ALMA?

Vivifica-me, ó Senhor, por amor do teu nome; por amor da tua justiça, tira a minha alma da angústia. 


Sal 143:11


Quando o pai do Senador Dolliver estava visitando a cidade de Washington, foi apresentado ao então embaixador italiano. Durante a conversação, Sr. Dolliver perguntou ao embaixador: "Como está sua alma?" e rapidamente explicou, dizendo: "O senhor é cristão?" "Sou católico romano", respondeu o embaixador. 

Pouco depois o Sr. Dolliver, com 90 anos de idade, voou com Deus para o lar celestial. A primeira pessoa a chegar trazendo flores como tributo ao morto, foi o embaixador italiano. Pediu como favor especial licença para ver o corpo do falecido, dizendo com lágrimas nos olhos: "Sr. Dolliver foi a única pessoa que me perguntou: "Como está sua alma?" 

Há duas coisas a se indagar:

1. Estaremos nós, os já salvos, a exemplo de Jesus, interessados pelas almas perdidas? Estamos preocupado com o paradeiro eterno de que nos acompanha nesta vida?

2. Temos nos preocupado com a nossa própria alma ou todo o nosso tempo é gasto nas coisas desta vida? Relaxados ou ocupados temos esquecidos de que nossa alma está a beira de precipício e necessita encontrar-se com Deus. Seguimos a vida como se não fosse preciso cuidar disso?

NO CORAÇÃO


quinta-feira, 12 de novembro de 2015

PEQUENOS PECADOS, GRANDES CONSEQUÊNCIAS

Tiago 2:10 - “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.”



Esta foi a lição dada aos adolescentes nestes quatro ultimos domingos na Escola Dominical, este estudo nos fez ver como é que aqueles pecados que se pratica no cotidiano que são aparentemente considerados pecadinhos poderão trazer sérias e graves consequências à luz da eternidade. Pecados pequenos, médios ou grandes, todos são muito ofensivos.



Podemos olhara para Eva e Adão que aparentemente aos nossos olhos faz com que possamos dizer: “mas porque tão grande consequência para eles simplesmente por terem comido uma fruta” ou podemos também observarmos a mulher de Ló que simplesmente olhou para trás e teve seu fim decretado. Geazi que quis digamos assim seu pagamento por ele ter achado que o que tinham feito para Naamã fosse um favor e que sem que Eliseu soubesse, poderia aceitar o pagamento. Uzá que simplesmente colocou a mão sobre a arca e morreu. Será que são pecados pequenos? Que não mereciam tão grande conseqüência? Aos olhos humanos sim. Mas aos olhos de Deus, olhos espirituais não.



Quais as consequências que poderíamos merecer hoje, quantas vezes somos um Adão, Eva, Uzá, Geazi, não com os mesmo pecados, mas que poderíamos ter consequências iguais por fazermos coisas que por mais pequenas que sejam, desagrada a Deus. Muitas vezes achamos que estamos fazendo a coisa certa mas que na verdade estamos com o coração cheio de orgulhos, porque queremos agradar talvez nosso patrão, nossa família ou pessoas que achamos que são importantes em nossas vidas e esquecemos que existe Deus e somente Ele conhece o que se passa em nossos corações.



Podemos aprender muitas lições deste estudo. Mas talvez a lição mais importante seja esta: só você é a chave para decidir qual será o seu futuro. O pecado não dói, mas mata física e espiritualmente; as suas consequências são sempre danosas; Deus perdoou o pecado de Davi, mas a espada não lhe saiu do lombo até ao último minuto da sua vida. Ele morreu precocemente já que o pecado apodrece os ossos. Que Deus tenha misericórdia de cada um de nós, e que jamais venhamos a fracassar na nossa caminhada. A nossa vitória não se acha nem no início nem no meio, mas no fim da jornada.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

NÃO OLHES PARA TRÁS ...

Diante da tragédia ocorrida na cidade de Mariana em Minas Gerais, uma tristeza imensa, cenas parecidas com um filme de terror. No noticiário da televisão, ouvi uma pessoa dizer que conseguiu salvar muitas pessoas. Ela conduzia-os com a moto não tão nova e possante. Mas, o objetivo era tirar as pessoas da zona de perigo, e ela não olhava para trás, onde a lama vinha rapidamente. Só olhava para frente. Lembrei-me da mulher de Ló. 

E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal.Gênesis 19:26. 

Deus já havia falado, era necessário que Ló e sua família saíssem daquela cidade de Sodoma, antes que fosse destruída por causa de seus pecados. 

E aconteceu que, tirando-os fora, disse: Escapa-te por tua vida; não olhes para trás de ti, e não pares em toda esta campina; escapa lá para o monte, para que não pereças. Gênesis 19:17. 

Ló e suas filhas foram salvos, eles tinham o olhar em Deus, eles obedeceram. 

A pessoa que prestou o socorro juntamente com todos, foram salvos da tragédia. Ela dizia: Não olhem para trás, para as coisas que estamos perdendo, para as enxurradas fortes, para os problemas. Vamos para frente, vamos para o abrigo. Eles estão vivos e glorificam a Deus. Nós aprendemos que não podemos olhar para trás, mas prosseguirmos firmes. 

Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Hebreus 12:2. 

Precisamos olhar para Jesus, esperar Nele em todos os momentos, descansar, sabendo que através Dele, somos mais que vencedores. Jesus é o nosso abrigo, escudo protetor. Enfrentamos problemas, enfrentamos tempestades, não vamos olhar para elas. Vamos manter os nossos olhos voltados para Deus, olhar para a Sua maravilhosa majestade. 

Torre forte é o nome do Senhor; a ela correrá o justo, e estará em alto refúgio. Provérbios 18:10. 

Que possamos estar atentos, com os nossos olhos firmes em Deus, pois Ele está sempre ao nosso redor. Obrigada Senhor. 

O Senhor, pois, é aquele que vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te espantes. Deuteronômio 31:8. 

Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares. Josué 1:9. 


Valéria Belotti

CADA FERIDA


terça-feira, 10 de novembro de 2015

A ROCHA

Um homem estava dormindo a noite no interior quando, de repente, sua casa encheu de luz e o Senhor apareceu. O Senhor disse ao homem que tinha um trabalho para ele e mostrou uma rocha enorme na frente da sua casa. O Senhor explicou que o homem deveria empurrar a rocha com toda sua força.

Isso o homem começou a fazer, dia após dia. Por meses o homem se esforçou do amanhecer até o por do sol, seus ombros empurrando a superfície da rocha enorme e fria, mas a rocha não mudava.

Cada noite o homem retornava a sua casa, cansado, músculos doendo e sentindo derrotado porque não havia conseguido mudar a grande rocha.

Vendo que o homem estava mostrando sinais de desistir, O Maligno começou a colocar pensamentos negativos na cabeça dele. De repente o homem se achou pensando "Você está tentando há muitos meses mudar essa rocha e nunca conseguiu nada. Para que você está se desgastando? Isso aí não dará resultado nenhum."

Mais tarde o homem começou a duvidar assim: "Será que Deus queria que eu continuasse esse tempo todo? Ele só disse para eu empurrar a rocha, ele não disse por quanto tempo. Já faz alguns anos que estou empurrando, talvez eu posso desistir agora. Pelo menos, eu não preciso empurrar o dia todo e com tanta força. Eu posso me dedicar uma parte do dia a este trabalho e passar o resto fazendo outras coisas."

Ele decidiu fazer isso mesmo, mas depois ele chegou a pensar que seria bom orar ao Senhor sobre o caso.

"Senhor," ele falou, "eu trabalhei duro e por muito tempo no serviço que o Senhor me deu. Eu dei toda minha força para conseguir o que o Senhor quis. Mas, depois desse tempo todo ainda não consegui mudar aquela rocha nenhum centímetro. O que está errado? Por que eu estou sendo derrotado?"

O Senhor respondeu com compaixão. "Meu amigo, quando eu lhe pedi para me servir e você aceitou, eu lhe disse que sua tarefa era de empurrar aquela rocha com toda sua força, o que você fez até agora. Em nenhum momento eu disse que eu esperava que você mudasse a rocha. Sua tarefa era de empurrar. E agora você chega para mim pensando que você fracassou. Mas, será que foi assim, mesmo?"

"Olhe para você mesmo," disse o Senhor. "Seus braços estão fortes e musculosos. A musculatura das suas costas agora é bem desenvolvida e vigorosa. Suas pernas estão duras e robustas, suas mãos firmes. Enfrentando a resistência você cresceu muito e agora suas habilidades ultrapassaram em muito o que você era antes.

Mas, você ainda não mudou a rocha. Porém, sua tarefa não era de mudar a rocha e sim de ser obediente e empurrar com toda sua força. Isso você fez, e fez bem. Ao contrário de ser um fracasso você foi bem sucedido e venceu. Eu apenas queria que você exercitasse sua fé e confiasse na minha sabedoria. Isso você fez. "Eu, meu filho, agora vou mudar a rocha."

Às vezes quando ouvimos uma palavra de Deus queremos usar nosso próprio raciocínio para decidir o que Ele quer, quando, o que Deus realmente quer é apenas uma simples obediência e fé nEle. Com certeza, devemos ter a fé que pode mover montanhas, mas lembrar ainda que quem de fato move as montanhas é Deus.

- do devocional "Tidbits"


Fonte: http://www.hermeneutica.com.br/

NÃO SE PODE ESQUECER


domingo, 8 de novembro de 2015

BOAS COMPANHIAS

Deixem a companhia dos tolos e vivam. Sigam o caminho do entendimento.

Prov. 9.6

A vida é uma caminhada. E, no decorrer desse percurso nunca estamos sozinhos. A gente vai sempre acompanhado. É muito importante saber escolher os companheiros de jornada. Isso faz uma tremenda diferença, pois dessa escolha dependerá o sucesso de nossa empreitada.

Boas companhias, segundo provérbios tornam o caminho mais belo e seguro, mesmo quando a estrada não é boa ou os vales são os da morte. Um bom amigo não só caminha ao nosso lado, mas nos orienta, conforta e ajuda a viver sabiamente.

Só a sabedoria nos permitirá reconhecer os tolos que nos cercam e a fugir deles. Viver sabiamente é a porta que nos permitirá alcançar grandes coisas e a colher os doces frutos da paz, do amor e do viver tranquilo.

Todo dia, nosso coração deve indagar: Quem são os meus companheiros de estrada? Tolos ou sábios? Como eles têm me influenciado? Para o bem ou para mal? E minhas escolhas tem me levado a paz ou a guerra?

PELO QUE MORRER

sábado, 7 de novembro de 2015

NÃO SOMOS NIVELADOS PELA MORTE FÍSICAS

É comum ouvirmos muitos dizerem que não há qualquer sentido em nos esforçarmos e prosperarmos neste mundo, porque afinal todos serão tragados pela morte, que é inexorável, de modo que segundo o parecer deles não há qualquer diferença entre os homens.

Todavia, não é isto o que nosso Senhor Jesus Cristo e os apóstolos nos ensinam nas Escrituras, porque se há morte física, há também morte espiritual e eterna, e foi principalmente deste último tipo de morte que Jesus veio nos salvar. 

Todo aquele que nele crê, segundo suas próprias palavras, passou da morte para a vida e já não morre mais. 

A morte espiritual e eterna a que estão sujeitas todas as pessoas foi vencida por Jesus para que passemos, perante Deus, do estado de mote para o de vida eterna e abundante.

Isto já no momento mesmo em que nos convertemos a Cristo, e para todo o sempre.

Os que nele creem “já não podem mais morrer” conforme Ele nos tem assegurado em Sua Palavra.

Ora, então há vantagem em que o jovem guarde o seu coração e se lembre do Seu Criador ainda nos dias da sua mocidade, porque há grande recompensa nisto, pois o que está em jogo é o prêmio da sua própria vida, pela vitória permanente sobre a morte, ainda que venha a morrer fisicamente. 

“Porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.” (Lucas 20.36)

“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;” (João 11.25)

“Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte.” (João 3.14) 

Silvio Dutra

RIQUEZA

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

JESUE É O CAMINHO A VERDADE E A VIDA

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.

João 14.6

Este texto foi um dos últimos criado por minha querida esposa, em razão da gincana das Senhoras no ano passado.

Todos nós andávamos desgarrados por causa dos nossos pecados, mas Jesus veio para nos dar a vida. Ele é a fonte da vida!

Todos nós estávamos perdidos, cada um seguia os seus próprios passos, mas Jesus veio para nos conduzir por um bom caminho. Ele é o único caminho!

Todos nós estávamos sem esperança, presos, confiados em nossos próprios pensamentos, mas Jesus veio para nos libertar através da verdade. Ele é a verdade que liberta!

Se você está seguindo seus próprios passos, saiba que eles te levarão a um caminhos sem esperança. Só Jesus é a nossa esperança. Ele guarda os nossos pés e dirige os nossos passos por um caminho de descanso.

Se você está confiante em seus próprios pensamentos, saiba que será confundido e não acharás a verdade. Só Jesus é o nosso refúgio, nele está a verdade e a certeza de não sermos confundidos.

Em Jesus estamos seguros. Ele nos conduz a um caminho de esperança

Em Jesus somos livres. Ele tem a verdade que liberta.

Em Jesus temos vida. Ele é a fonte da vida eterna.

Jesus é o caminho, a verdade e a vida.

Luzivana Marinho Freitas

VERDADE

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

O SOM DO BOM SAMARITANO


Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão; E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;

Lucas 10.33-34

Depois do grande incêndio em Chicago em 1871, D. L. Moody foi a Nova York para solicitar fundos para as suas vítimas. Quando ele chegou, foi apresentado a um homem abastado, que era suposto ser muito generoso. Impressionado pela grande necessidade em Chicago, ele deu a Moody um cheque com uma grande soma de dinheiro e encaminhou então o evangelista para alguns homens de negócios que também doaram grandes contribuições. 

Quando o Sr. Moody estava prestes a partir, ele apertou a mão do benfeitor e fez este comentário de despedida:

– Se alguma vez for a Chicago, visite-me. Retribuirei o seu favor.

O homem respondeu:

– Sr. Moody, não espere que apareça. Faça isso ao primeiro homem que encontrar.

Comentando esta experiência, Moody disse: "Nunca esqueci esta observação. Tinha o som do verdadeiro Bom Samaritano." O homem era o tipo de doador que agrada a Deus. Movido pelas necessidades dos outros, de boa vontade deu o que estava ao seu alcance para aliviar os seus sofrimentos. Ele não o fez para ganhar atenção ou para satisfazer o seu ego. Nem sequer deu esta oferta 
"de má vontade ou por necessidade," mas sim alegremente.(II Corintios 9:7). 

Fonte: http://www.gospelcom.net/rbc/pd/2000/Dezembro2000.htm

terça-feira, 3 de novembro de 2015

UMA AMIZADE VERDADEIRA PODE TRAZER RISCO

A amizade que nasceu no coração de Jônatas e Davi era algo tão profundo que levou Jônatas a arriscar-se em favor de seu amigo. Em I Sm 20.33 Saul tenta matá-lo por estar defendendo Davi: “Então, Saul atirou-lhe com a lança para o ferir; com isso entendeu Jônatas que, de fato, seu pai já determinara matar a Davi".

A princípio Jônatas, parecia ter dificuldades em acreditar que seu pai queria matar a Davi. Mas agora tinha motivos de sobra pra crer que Saul estaria pronto a tudo para eliminar Davi, até mesmo matar seu próprio filho... Contudo isso não foi razão forte o suficiente para abalar aquela aliança de amor firmada entre Jônatas e Davi. Jônatas não estava disposto a abrir mão desta amizade por coisa alguma.

Davi também correu riscos em virtude de sua amizade com Jônatas. Após a morte de Jônatas Davi procurou saber se ainda havia algum descendente de Saul vivo: "Disse Davi: Resta ainda, porventura, alguém da casa de Saul, para que use eu de bondade para com ele, por amor de Jônatas?” II Sm. 9.1. Ao ser informado de que havia um filho de Jônatas vivo Davi o levou para morar no palácio e comer da sua mesa... O mais comum em uma situação como aquela seria procurar eliminar todos os descendentes de Saul já que estes poderiam procurar promover um levante ou o assassinato de Davi para recuperar o trono, no entanto, Davi ao invés de temer perder o trono e quem sabe a sua própria vida corre o risco por amor a Jônatas. Ë preciso lembrar que Jônatas era amigo de Davi e o amava, mas Mefibosete não necessariamente.

No Novo Testamento, nós também temos o exemplo de Epafrodito que foi outro a não se importar em correr riscos por uma verdadeira amizade. Paulo era acusado de traição ao Império Romano, e esta era uma acusação grave. Paulo poderia ser condenado a morte e, quando um prisioneiro era condenado a morte, quem estava com ele deveria morrer também. Mesmo sabendo disso, Epafrodito abandona sua cidade, sua casa, todos os seus e vai para Roma cuidar de Paulo. Isso é amizade verdadeira, isso é comprometimento. Que coisa maravilhosa é ter amigos assim. Felizes são aqueles que podem ser e contar com amigos deste porte.

O Rev. Welerson Alves Duarte

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

FAZENDO A CORRETA AVALIAÇÃO

Por que seria menos importante servir a Deus e ao seu reino eterno, do que aos homens e seus interesses imediatos e terrenos?

Todavia é o que ocorre comumente, até mesmo entre aqueles que são filhos de Deus. Isto sucede em razão de serem, tanto Deus, como o Seu reino, invisíveis. Não possuem aparência externa, logo, quando se caminha por vista e não por fé, ficamos cegos e incapacitados de fazer uma justa e correta avaliação do que é mais importante.

Afinal, como podemos atribuir valor ao que não vemos; que não experimentamos; que não conhecemos?

Ainda que se fale sobre isto, pouco será a ajuda para enxergarmos a verdade, caso não tenhamos nossos olhos e ouvidos abertos para verem e ouvirem as coisas relativas ao reino dos céus, pela graça de Jesus e pelo poder do Espírito.

Como entenderemos a profunda exatidão e realidade das advertências bíblicas, para que sirvamos a Deus com temor e tremor?

Como poderemos aceitar que estamos em grande risco, quando negligenciamos os interesses de Deus e da Igreja, especialmente por não dar a devida atenção, respeito e acatamento aos instrumentos que Ele usa para nos liderar e conduzir?

O que dizer então, quando aqueles que são chamados por Ele para apascentar o Seu rebanho são também cegos e irresponsáveis?

Se temos que prestar contas de nossas ações àqueles que são constituídos como autoridade e têm poder sobre nós em assuntos seculares, quanto mais não teremos que prestar Àquele que é o Todo-Poderoso?

Ele consideraria coisa de somenos importância, que abandonemos nossas obrigações ministeriais que Ele mesmo nos atribuiu para serem cumpridas?

Ele não levaria em conta o abandonarmos sem motivo e sem a Sua permissão, a congregação na qual nos colocou para que em unidade fizéssemos Sua obra?

Seus olhos estão continuamente sobre nós, e em todo o tempo somos julgados quanto ao que pensamos e fazemos. Ele não é como um supervisor humano que pode nos controlar apenas quando estamos ao alcance da Sua vista.

Como não temeríamos então, muito mais Aquele que pode não somente nos recompensar por nosso bom comportamento, como também nos repreender e infligir danos eternos por nossas negligências e irresponsabilidade?

Caminhemos, portanto com temor e tremor durante toda a nossa peregrinação terrena, vigiando e orando em todo o tempo, para que não percamos de vista e da lembrança estas verdades tão importantes para o nosso bem-estar espiritual e para a glória de Deus.

Silvio Dutra