segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A MÃO AMIGA

Pedro... ficou cheio de pavor e começou a afundar. "Salve-me, Senhor!" gritou ele. No mesmo instante Jesus estendeu-lhe a mão e o salvou.

Mat. 14:29-30 (Bíblia Viva).

Muitos anos atrás, a escuna Tomas M. N. Stone afundou ao largo da costa oriental dos Estados Unidos. O Comandante Newcomb e sua tripulação de seis pessoas escaparam num bote salva-vidas. Foram resgatados alguns dias mais tarde pela embarcação África, que os levou a Nova Iorque.

Newcomb registrou uma queixa junto às autoridades da Marinha, declarando que enquanto se encontravam à deriva, um barco a vapor de casco preto e uma só chaminé passara por eles a uns três quilômetros de distância, sem ter parado para prestar socorro. A tripulação do barco tinha obviamente visto o internacionalmente conhecido sinal de perigo (um cobertor preso a um remo), pois o vapor havia tocado três vezes a sua buzina - mas prosseguira sem parar. Disse Newcomb: "Se eu soubesse o nome daquele barco e o de seu capitão, o mundo inteiro ficaria sabendo!"

Acho que nem sempre nos damos conta de que muitos náufragos no mar da vida são ignorados como aquele comandante e sua tripulação.

Minha esposa e eu visitamos recentemente o nosso filho Don e família, na cidade de Paradise, Califórnia. Eu havia sido aspirante ao ministério 40 anos antes, naquela mesma cidade. Enquanto andávamos por locais familiares para mim, mostrei para minha esposa o lugar onde havia morado uma família de membros da igreja (vou chamá-los de Clark). Quando os visitei, a Sra. Clark pediu-me que visitasse o seu filho de 19 anos de idade, que morava numa cabana próxima. Ela contou que ele não tinha amigos, nunca saía e estava simplesmente jogando a vida fora.

Quando bati e a porta se abriu, fui recebido pelo rosto mais triste que me recordo de ter visto na vida. Momentos depois, o rapaz se desfazia em lágrimas. Devido a minha inexperiência, eu não sabia o que fazer. Li um versículo das Escrituras, fiz uma breve oração e fui embora. Pouco tempo depois, fui transferido para outro distrito e não dei continuidade àquela visita inicial, mas isso não era desculpa realmente para negligenciar o rapaz. Eu poderia pelo menos ter-lhe escrito uma carta animadora. A inexperiência não deve ser usada como pretexto para deixar de atender os que se encontram em necessidade.

Por todos os lados, ao nosso redor, há pessoas como aquele rapaz. Necessitam de um amigo. De alguém solícito. De alguém que as leve a Jesus, que nunca deixa de estender a mão para salvar.

O INVESTIMENTO NO CAIXÃO

Quando a pessoa que você mais ama ou ama muito morrer, quanto você estaria disposto a gastar no funeral dele ou dela? Com absoluta certeza, ninguém poupa quando o assunto é o enterro da pessoa que a gente ama. "O melhor caixão, por favor (assoando o nariz num lenço lilás, que combina com o aro dos óculos)... 

Eu amo demais minha mãe!" "Não vou enterrar meu velho pai (lágrimas lavando o rosto) nessa cova! Por favor, arrume a melhor catacumba desse cemitério! Dinheiro não é problema!" Dá gosto ver o amor das pessoas por quem... já está morto. Para o falecido ou falecida, tanto faz ser enterado numa rede no quintal de casa ou na catedral de Roma. 

Mas, para quem está vivo e precisa mostrar o quanto amava, gastar sem pirangagem é o primeiro sinal de devoção. "viu como ela amava a filha? Aquele é um caixão muito do alinhado!". Eu acho isso de uma futilidade que me embrulha o estômago.Quer demonstrar amor por quem você diz amar? 

Chame essa pessoa, abrace ela, beije ela, cheire ela, ouça ela com atenção, deixe um pouco o trabalho e valorize um final de semana com ela, todo para ela! A gente está disposto a gastar tanto depois da morte... por que não investir em vida? O grande investimento no caixão nada mais é que mecanismo de compensação estúpido. Na verdade, a gente ama mesmo é dinheiro, sucesso, fama, a gente mesmo. 

Por isso, repito: aproveite enquanto ele ou ela está vivo. Diga que o ama. Diga como ela é uma bênção para você. Não por telefone, nem por e-mail. Face a face e com tempo. Assim age quem verdadeiramente ama. Assim vive quem tem não tem um cifrão no lugar do coração.

Escrito pelo Pr Geraldo Magela

MENTIR


sábado, 29 de outubro de 2016

ESCOLHA A SUA RESPOSTA

Ninguém pode nos derrotar, a não ser que primeiramente nos tenhamos derrotado a nós mesmos. Dwight D. Eisenhower

Tenha em mente que a resposta que você dá a qualquer situação que lhe surge é uma escolha sua. Afinal, é você quem está tomando a atitude. Aqueles que continuamente respondem com ira, inveja, frustração ou outra atitude mesquinha irão colher os resultados de suas respostas amargas. Quando no entanto você decide responder com compreensão, paciência, isenção, confiança e coragem, os resultados são muito mais doces e suaves. 

A circunstância não determina a resposta. É você quem a determina. Em cada momento, em cada circunstância, você pode escolher a resposta que irá impulsionar a sua vida para a frente. Dessa maneira ninguém poderá empurrá-lo para baixo, a não ser que você permita. 

Você sempre tem a oportunidade de responder da melhor e da mais positiva maneira possível. Todas as vezes em que você se decide a responder de uma forma positiva, criativa – não importa qual seja a situação –, você estará fazendo um bem enorme a si mesmo e uma significativa diferença no mundo a seu redor. 

Para Meditação: ...pois ele, (Jesus) quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente I Pedro 2:23

Nélio DaSilva

NÃO DIZER NADA

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

REJEITADO

Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração. 


Samuel 16.7

Tenho um amigo que quando conhece uma pessoa, faz logo uma avaliação psicológica do sujeito e prevê o futuro dessa amizade. Na verdade, nós somos assim, precipitados em analisar, rápidos em julgar e apressados em condenar.

Deus enviou Samuel a casa de Jessé, ele tinha que ungir o novo rei de Israel. No entanto, havia um problema, Jessé tinha oito filhos e Deus não dissera qual era. 

Samuel entrou e sentou-se à mesa. Os filhos de Jessé foram entrando um a um, a começar do mais velho para o mais moço. Eliabe foi o primeiro, um jovem alto, forte, de boa aparência, um homem de guerra.  Ao vê-lo, Samuel disse: Certamente este é o homem. Mas Deus lhe interrompeu: não olhes para o exterior, porque eu o rejeitei.

O modo de Deus agir é impressionante. Ele não opta pela aparência, capacidade ou pela oratória. Deus não se impressiona com os nossos dons. A única coisa que Ele leva em consideração é o coração: os desejos, anseios, sonhos e a disposição.

Eliabe foi rejeitado porque seu coração não era totalmente de Deus, ele não estava disposto a servir ao Criador com toda disposição. Eliabe foi rejeitado porque Deus não viu nele o amor e a fé necessária para ser útil ao Reino dos céus.


EXISTEM VITÓRIAS


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

UM HOMEM DE AÇO

"Melhor é o longânimo do que o herói da guerra, e o que domina o seu espírito do que o que toma uma cidade." 

Provérbios 16.32.

Iosif Vissarionovich Djugashvili cresceu como filho de um pobre sapateiro e de uma mãe lavadeira nas montanhas do Sudoeste da Rússia. Quando foi redator do jornal Pravda, mudou seu nome para Stalin, que significa "homem de aço". 

No dia 5 de março de 1953, Joseph Stalin morreu em Moscou. Era então presidente das Repúblicas Socialistas da União Soviética. 

Seu corpo foi posto ao lado do de Lenin na Praça Vermelha de Moscou. Milhares entraram em fila para ver o homem que havia mudado a União Soviética de uma região subdesenvolvida numa das maiores potências militares e industriais do mundo. Ele foi aclamado como o "Pai da Vitória" porque foi o grande líder durante a Segunda Grande Guerra. Em virtude de suas conquistas ele poderia ter ficado na História como um homem verdadeiramente grande, mas não o foi. 

A grandeza de Stalin foi manchada pelo seu temperamento violento. Este homem de aço foi capaz de governar um país e comandar um exército, mas não conseguiu dominar os seus próprios sentimentos. Era um homem difícil de com ele se conviver. Facilmente se irava e perdia o bom humor durante longo tempo. Milhões de pessoas foram executadas ou enviadas para campos de trabalhos forçados na Sibéria por haverem-no criticado. 

Transcorridos nove anos de sua morte seu corpo foi removido do lugar de honra onde estava, na Praça Vermelha, e posto numa sepultura simples atrás da tumba de Lenin. Numerosas cidades, vilas, fábricas, que haviam recebido o seu nome em sua honra, tiveram esse nome mudado. 

O povo da Rússia decidiu que o homem incapaz de governar o próprio espírito não merecia ser assim aclamado. Por suas ações eles reconheceram a verdade do texto de hoje: "Melhor é o longânimo do que o herói da guerra, e o que domina o seu espírito do que o que toma uma cidade." 

Stalin foi de algum modo semelhante a Sansão. Ambos foram homens fortes. Ambos tiveram grande importância. Ambos foram incapazes de reger o próprio espírito. O pecado enfraqueceu-lhes o caráter e levou a cabo sua queda. Eles foram capazes de governar cidades, mas não souberam dominar-se a si mesmos. 
Você quer ser forte? Quer ser capaz de dominar-se a si mesmo, de possuir auto-controle? Quer ser maior do que o herói? 

Permaneça bem perto de Jesus hoje. Ele lhe dará poder para obter domínio próprio. Ele o fará um jovem verdadeiramente forte. 
Enciclopédia Britânica, sobre o assunto. 

The World Book Encyclopedia, vol. 18, págs. 648-648d.

O TEMPO ...


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

PERSISTIR

Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçamo-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança, a carreira que nos está proposta. 
Mateus 10:16

Quão triste de ser para um atleta desistir de uma maratona a poucos metros da linha de chegada.

Todos nós já desistimos de alguma coisa; porém, depois de algum tempo, lembramos que se tivéssemos resistido mais um pouco, teríamos conseguido finalizar.

Perseverança é a palavra que define a atitude de permanecer firme. A palavra era usada no mundo grego para definir a capacidade que uma planta possui de sobreviver em circunstâncias desfavoráveis.

Os hebreus estavam querendo abandonar a confiança em Cristo (Não lanceis fora a vossa confiança, que tem uma grande recompensa Hb 10:35), por isso o autor desta carta os exorta a perseverar (porque necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa HB 10:36). Ele dá duas razões porque os hebreus deveriam perseverar: a primeira razão era o estímulo dos santos (“tão grande nuvem de testemunhas”) , e a segunda, o exemplo de Cristo que suportou a cruz.

Quando olhamos para a situação de Jesus na cruz, não vemos, humanamente, uma situação favorável. Pregos foram cravados em suas mãos e pés, a multidão blasfemava contra ele, feriram-no com uma lança em seu lado, e até desafiaram-no a descer da cruz. Se ele não tivesse resistido, suportado, perseverado, teria descido da cruz.

O exemplo de Jesus Cristo deve está bem vivo em nossa mente, para não descermos da cruz. Sempre podemos suportar um pouco mais. Lembre-se disso para chegar ao final.

Pr. Roberto

CORAÇÃO VAZIO

terça-feira, 25 de outubro de 2016

SOBRE AS ASAS

Não temais, pois! Bem mais valeis vós do que muitos pardais. 

Mateus 10:31 

No seu livro On The Wing (Sobre as Asas), Alan Tennant narra seus esforços em seguir as pistas da migração do falcão-peregrino.

Valorizados pela sua beleza, rapidez e força, estes impressionantes pássaros de rapina eram os companheiros favoritos de caça dos imperadores e da nobreza. Infelizmente, o amplo uso do pesticida DDT nos anos cinqüenta, interferiu no ciclo reprodutivo destes pássaros e colocou-os na lista de espécies com risco de extinção.

Interessado na recuperação desta espécie, Tennant colocou transmissores em um número seleto de falcões para rastrear os seus padrões de migração. Mas quando ele e seu piloto tentaram seguir estes pássaros, perderam repetidas vezes o sinal dos seus transmissores. Apesar da sua tecnologia avançada nem sempre foram capazes de seguir os pássaros, aos quais queriam ajudar.
É bom saber que o Deus que cuida de nós nunca nos perde de vista. Na realidade, Jesus disse que nem mesmo um pardal “cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai… Não temais, pois! Bem mais valeis vós do que muitos pardais” (Mateus 10:29-31).

Quando enfrentamos circunstâncias difíceis, o medo pode nos fazer questionar se Deus está ciente da nossa situação. Os ensinamentos de Jesus nos asseguram que Deus se preocupa profundamente e que Ele está no controle. O Seu cuidado com nossas vidas, nunca falhará. —HDF

Se Deus cuida dos pássaros, não cuidará dos Seus filhos? 

Por Extraído Nosso Andar Diário © Ministérios RBC 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

EU ODEIO

Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?
 
1Jo 4:20

Amar tem se tornado uma ação cada vez mais rara neste mundo. Não sei por que as pessoas preferem se entregar a sentimentos negros e sombrios a percorrer os caminhos do amor. Os jornais falam de pais que em vez de amar seus filhos, optam por assassiná-los. A vida nos mostra exemplos de pessoas que em vez de perdoar e seguir em frente, preferem viver remoendo o passado e se envenenando de mágoa. Estes são apenas um triste exemplo.

O apóstolo João, estava falando de pessoas que abrem a boca e dizem: "eu amo a Deus"! Vão à igreja, dão suas ofertas, participam das atividades, são religiosos, mas em seu coração guardam o ódio contra alguém. Por que isso acontece?

Convém lembrar que nem um ódio começa grande! No principio, é apenas uma pequena ferida que sangra. O problema é que ela é nem foi tratada e continuou aberta, infeccionando e crescendo a cada toque. Ó ódio é igual ao câncer. Ele nasce de uma pequena célula e invade o corpo todo.

João diz que se odiamos é porque não amamos a Deus. Porque Deus é amor e o seu amor invade a nossa vida e nos faz desejar a paz e a alegria.

Fandermiller Frreitas

VIOLÊNCIA

domingo, 23 de outubro de 2016

INJUSTOS MAS JUSTOS

Todas as pessoas, sem uma só exceção, nada possuem por natureza, que lhes recomende ao Reino dos Céus.

Mesmo no caso de Abel, Noé, Abraão, Moisés, Davi, Daniel, Isaías e tantos outros – homens dos quais o próprio Deus deu testemunho de serem justos e agradáveis perante Ele, haveria um juízo de condenação eterna sobre eles, caso Deus não lhes tivesse justificado do pecado, pela fé.

Afinal todos eles eram também pecadores assim como nós, e o salário do pecado para qualquer um é sempre a morte eterna.

Assim, há uma justiça perfeita que nos é atribuída pela fé, que é a de Jesus Cristo, que nos livra da condenação e que permite sermos agradáveis a Deus em obras de fé, arrependimento, justiça e busca da presença do Senhor por um andar digno perante Ele e todos os homens.

De modo que apesar de injustos que éramos aos olhos de Deus, antes da nossa conversão a Cristo, somos considerados justos por causa da pessoa, obra e méritos do Senhor Jesus.

Apesar de não sermos perfeitos na prática da justiça, enquanto vivermos neste mundo, todavia possuímos a justiça perfeita de Jesus que nos foi atribuída por Deus, simplesmente por causa do arrependimento e da fé, e esta justiça jamais será retirada de nós.

Silvio Dutra

JAMAIS OUÇA


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

ALEGRIA

As coisas amargas na religião são doces - há uma doçura mesmo em repreensões, quando Deus se encontra com nossas corrupções e nos sussurros que tais e tais coisas são perigosas, e que se as estimarmos elas vão nos levar para o inferno. Não é a Palavra de Deus doce a um cristão que tem seu coração sob sua influência; um doce perdão para um homem condenado; doces riquezas um homem pobre; doce favor para um homem em desgraça, e doce liberdade para um homem em cativeiro? Então, tudo o que vem de Deus é doce a um cristão que tem seu coração tocado com o sentimento de pecado.

A Alegria de um cristão está correta quando procede de princípios, juízo e consciência corretos, não de fantasia e imaginação; quando o julgamento e consciência irão conduzi-lo para fora da retidão. Nossa alegria deve brotar de paz, "sendo justificados pela fé, temos paz com Deus" (Romanos 5.2). Os apóstolos começaram suas Epístolas com misericórdia, graça e paz; misericórdia no perdão, a graça para renovar nossa natureza e a paz de consciência. Estas são coisas para serem glorificadas, a saber, termos os nossos pecados perdoados, ter nossas pessoas aceitas e nossa natureza renovada. Podemos nos consolar na saúde, na riqueza, na esposa, em filhos, em qualquer coisa, porque todos vêm do favor de Deus. Podemos ter alegria nas aflições, porque é uma bênção ter nas piores circunstâncias a continuidade da nossa felicidade eterna. Embora não possamos ter alegria na aflição em si mesma, como sendo contrário à nossa natureza, todavia podemos no resultado; de modo que nos regozijamos corretamente quando, tendo interesse em Deus, nos gloriamos no testemunho de uma boa consciência; quando ao olharmos para o nosso interior, encontramos tudo em paz; quando cada um de nós pode dizer sobre bons fundamentos que Deus é meu, e, portanto, tudo é meu, a vida e a morte e todas as coisas, tanto quanto elas possam servir para o meu bem mais verdadeiro.

As afeições religiosas do povo de Deus são misturadas, pois eles misturam a sua alegria com choro, e seus prantos com alegria; enquanto que num homem carnal são todas simples; se ele se alegra, ele é insensato; se ele está triste (a menos que seja contido) deprime-se e afunda. Mas a graça sempre modera a alegria e tristeza de um cristão, porque ele tem sempre algo para se alegrar e algo para o qual se lamentar. Que pobreza de espírito é estar excitado com alegria ou triste em demasia, quando sabemos que todas as coisas estão desaparecendo e desaparecendo velozmente. Vamos, portanto, ter continuamente presente em nossas mentes que todas as coisas aqui embaixo são subordinadas ao mundo superior.

Por Richard Sibbes, traduzido e adaptado por Silvio Dutra.

FAZER BEM

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

AMOR E MEDO NAS RELAÇÕES HUMANAS

Resumo: Na realidade só há dois sentimentos que o ser humano pode cultivar: amor e medo. Como você lida com cada um deles?

Encontramos pessoas que conseguem cultivar um relacionamento humano muito agradável. Têm facilidade de compreensão e de fazer amigos, são atenciosas e interessadas, não são desconfiadas, são calmas, alegres e sinceras e se projetam rapidamente onde vivem e trabalham. Normalmente, essas pessoas demonstram não serem gananciosas, porém, são bem sucedidas. Em diferentes situações, logo lideram, atraem outras pessoas e criam um ambiente construtivo. Seguramente aprenderam a viver o verdadeiro amor.

Emmet Fox, filósofo metafísico, que dedicou a sua vida ensinando o verdadeiro sentido de viver, nos dá explicações científicas sobre esse modo de vida:

Na realidade só há dois sentimentos que o ser humano pode cultivar: amor e medo. Todos os outros sentimentos são manifestações com aparências diferenciadas desses dois.

Assim, a alegria de viver, o interesse, a fé, a coragem, a paz, a beleza, a vitalidade, a ternura, a compreensão, a bondade, a amizade, a boa vontade... são manifestações do amor.

A raiva, o ciúme, a preocupação, a ansiedade, o ressentimento, o ódio, a culpa, a insegurança, a mágoa, a inimizade, a inveja, a ganância, a vingança... são manifestações disfarçadas do medo.

A grande diferença entre os dois sentimentos é que:

- O amor (e suas manifestações) é sempre criativo e construtivo e;

- O medo (e suas manifestações) é sempre destrutivo.

Viver o Amor nos torna mais sadios, mais dinâmicos, mais confiantes, mais produtivos, mais felizes, mais compreensivos, mais amigos.

Viver o medo nos traz doenças, nos torna desanimados, desconfiados, infelizes, revoltados, implicantes, etc...

Treinar a praticar o verdadeiro amor, até aprender é muito vantajoso para nós.

O Amor é paciente; O Amor é serviçal; O Amor não é invejoso; O amor não se exibe; O Amor não se incha de orgulho; o Amor não faz nada de inconveniente; O amor não procura o seu próprio interesse; o amor não se irrita; O Amor não guarda rancor; o Amor não se alegra com a injustiça; O amor se alegra com a verdade; o Amor tudo desculpa. O amor crê. O Amor espera; O amor tudo suporta; O Amor jamais passará. (1 Corintios-13)

Maria Luiza Marins Holtz

SABE MENOS QUE EU...

terça-feira, 18 de outubro de 2016

A MARCA EM VERMELHO

"Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé" 

1 João 5:4

Dizem que Napoleão, uma vez, tomando um mapa, apontou para as Ilhas Britânicas e observou: "Se não fosse por esse lugar, marcado em vermelho, eu teria conquistado o mundo". Satanás também podia apontar para a cruz de Cristo e dizer: "Se não fosse por essa marca, em vermelho, eu teria conquistado o mundo."

Mas ele não conquistou! O Senhor Jesus, na cruz, foi o grande Conquistador. Ele derrotou o mundo, derrotou a morte, derrotou o ódio, derrotou a mentira, derrotou o desânimo, derrotou o pessimismo, derrotou as adversidades, derrotou o mal e o diabo. Ele venceu a todos e nos fez, nEle, mais que vencedores.

Que seria de nós se não fosse o Senhor? Para onde estaríamos seguindo se o nosso Salvador não nos estivesse dirigindo? Onde encontraríamos a paz se Ele não nos desse? Onde encontraríamos a vida abundante e eterna se a própria Vida não as estivesse dando para nós?

Sim, foi a marca em vermelho, do sangue de Jesus, vertido na cruz do Calvário, que transformou os nossos corações. Foi aquela marca em vermelho que nos purificou e tornou brancas as nossas vestes. Foi aquela marca em vermelho que nos tirou do caminho da perdição e nos conduziu ao porto de nossa salvação.

Hoje estamos livres, do medo, do pecado, da condenação. Estamos livres porque Ele nos libertou. Estamos livres porque Ele pagou o preço de nossa liberdade. Estamos livres porque recebemos Cristo e nos tornamos filhos de Deus.

Cristo venceu o diabo e o mundo e nós também os vencemos... pela fé!

A PORTA

Um rei submeteu sua corte à prova para preencher um cargo importante. Um grande número de homens poderosos e sábios reuniu-se ao redor do monarca.

"Ó vós, sábios", disse o rei, "eu tenho um problema e quero ver qual de vós tem condições de resolvê-lo."

Ele conduziu os homens a uma porta enorme, maior do que qualquer outra por eles já vista. O rei esclareceu: "Aqui vedes a maior e mais pesada porta de meu reino. Quem dentre vós pode abri-la?"

Alguns dos cortesãos simplesmente balançaram a cabeça. Outros, contados entre os sábios, olharam a porta mais de perto, mas reconheceram não ter capacidade de fazê-lo. Tendo escutado o parecer dos sábios, o restante da corte concordou que o problema era difícil demais para ser resolvido.

Somente um único vizir aproximou-se da porta. Ele examinou-a com os olhos e os dedos, tentou movê-la de muitas maneiras e, finalmente, puxou-a com força. E a porta abriu-se.

Ela tinha estado apenas encostada, não completamente fechada, e as únicas coisas necessárias para abri-la eram a disposição de reconhecer tal fato e a coragem de agir com audácia.

O rei disse: "Tu receberás a posição na corte, pois não confias apenas naquilo que vês ou ouves; tu colocas em ação tuas próprias faculdades e arriscas experimentar.

ADORAÇÃO

domingo, 16 de outubro de 2016

NÃO SE ENVENENE

Negativismo é a ancora que pode paralisar a vida de alguém permanentemente.  

William Robinson

Se alguém colocasse veneno na sua água você beberia? Certamente que não. Certos elementos químicos que você pode ver, provar, tocar e sentir cheiro lhe pode ser fatal. Felizmente você é inteligente o suficiente para saber que você não pode introduzir essas substâncias no seu corpo. Mas o que dizer da sua mente? Repetidamente as pessoas estão envenenando as suas mentes com o negativismo e mesmo que elas não o possam ver (o negativismo) ele também é fatal.

Mas o que é esse veneno? Negativismo é o veneno que mata os mais preciosos sonhos de uma pessoa e ele deve ser a todo custo contido porque contamina e é ele que está promovendo sérias devastações na vida de milhões de pessoas no dia de hoje. Negativismos tem inicio com pensamentos negativos.

Para fazer frente a esse veneno fatal é necessário que você monitorize os pensamento que você permite entrar em sua mente...cada pensamento. Se você se descobre pensando negativamente, pense novamente. Parte do processo de mudar o seu pensamento do negativo para o positivo consiste em ser grato a Deus pelas preciosas dádivas que Ele já lhe tem proporcionado. Lembre-se que apenas a gratidão irá atrair a você muito mais das coisas que você realmente deseja.

Para Meditação: ...tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. Filipenses 4:8
 
Nélio DaSilva

UM POUCO DE PAZ

No auge de sua popularidade, criatividade e riqueza, os Beatles produziram um projeto controvertido chamado "O Álbum Branco". Já sinalizavam o rompimento da banda, exibindo composições individuais em vez de parcerias. 

O projeto também revelou uma desilusão crescente com os resultados advindos da fama. John Lennon expressou em sua canção "I'm so tired" (Estou tão cansado) o vazio causado pela vida "bem-sucedida" e afluente com estas palavras de cunho profundo: "Eu lhe daria tudo que consegui por  um pouco de paz mental". Tudo o que tinha, tudo que havia realizado, tudo o que se tornara não satisfazia essa simples, todavia profunda, necessidade pessoal. O mundo em que vivemos não pode oferecer paz. Oferece apenas poucas opções. Prazer, poder e posses não substituem a paz do coração e paz mental. 

Paulo lembrou os crentes em Filipos: "E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus" (Filipenses 4:7). Esta é a paz que Deus traz àqueles que foram reconciliados com Ele, pela fé em Seu Filho Jesus (Efésios 2:14-16). É a paz que devemos compartilhar com um mundo que a busca desesperadamente. az, a paz verdadeira encontra-se somente em um relacionamento com Jesus. Você já recebeu a Sua paz? William E. Crowder 20.2.2009

PREOCUPADOS EM FAZER O MAL


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

UMA LIÇÃO DE FÉ

Era uma sexta-feira, final de tarde, e a pequena Maria aguardava com ansiedade sua mãe chegar do trabalho. Ela ainda trajava o uniforme da creche quando ouviu o barulho da chave, era alguém abrindo a porta da sala. Então a pequena gritou:  a mamãe chegou!

Todos os dias, quando chegava do trabalho a mãe de Maria passava um tempo brincando com ela. Mas, naquele dia a sessão de brincadeiras não aconteceria. Joana,  a mãe daquela menininha estava exausta e ainda havia pego um resfriado. Maria insistia, mãe, vamos brincar! Não, querida, responde a mãe: hoje a mamãe não está bem,  está resfriada e com muita dor de cabeça e em seguida, jogou-se no sofá da sala.

Maria pôs as duas mãozinhas no queixo e disse, eu posso orar por você. Sim, claro, responde Joana e assim ela orou: papai do Céu, sara a mamãe e virando-se para Joana disse: pronto, já sarou, vamos brincar! 

Joana não se conteve, por um minuto esqueceu a dor de cabeça e o cansaço, sorriu e disse: quem me dera ter a sua fé, Maria! Bem falou Jesus:  “em verdade vos digo que, quem não receber o reino de Deus como uma criança, de modo algum entrará nele” (Lc 18.17).

Maria Ignez Menegatte

EDUCAR


terça-feira, 11 de outubro de 2016

FALSIDADE INÚTIL

"Quem subirá ao monte do SENHOR? Quem há de permanecer no seu santo lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade..." 

Salmos 24:3, 4.
O pai, vendo que seu filho passava o dia inteiro brincando, perguntou-lhe se não tinha exercícios da escola a fazer. O menino, ignorando o pai, continuou a brincar no quintal de sua casa. O pai falou mais uma vez, e outra, até que pegando o menino pelo braço, o conduziu até seu quarto, ordenando que fosse estudar e fazer seus exercícios. O menino, em seu íntimo, pensava: "Eu vou ficar aqui no quarto, mas não vou fazer exercício algum."

Muitas vezes essa mesma atitude é real em nossa vida cristã. Fingimos estar na presença do Senhor, fingimos que participamos dos cultos de louvor e adoração, fingimos que nos dedicamos aos estudos na Escola Bíblica, mas, em verdade, nossas mentes estão bem longe, tanto da igreja como de Deus. Estamos presentes e ao mesmo tempo estamos completamente ausentes.

O verdadeiro cristão tem prazer em obedecer ao Senhor, em amar os perdidos que estão caminhando longe da bênção de Deus, em testificar das maravilhas que Cristo faz na vida daqueles que abrem o coração para que Ele entre e faça morada. Regozija-se em ler a Palavra de Deus e em orar, derramando no altar de Deus os seus momentos de tristeza e alegria, de dor e contentamento, de aflição e vitórias. Suas atitudes são autênticas, sinceras, verdadeiras.

Quando fingimos ser cristãos, indo aos cultos sem nenhum prazer, apenas para mostrar uma aparência de santidade e pureza, enganamos aos irmãos, enganamos a nós mesmos, mas, nunca enganamos ao Senhor.

Todo nosso fingimento diante de Deus é vão. Toda nossa falsidade é inútil. Melhor é sermos sinceros e viver uma vida abençoada na presença de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Paulo Barbosa

MUDAR DE OPINIÃO

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

CIDADÃO DO CÉU

SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte?  Aquele que anda sinceramente, e pratica a justiça, e fala a verdade no seu coração.

Salmo 15.1-2

Quem habitará o céu? A Bíblia não fala de nomes, mas aponta características dos cidadãos do céu. O Salmo 15 descreve com muita simplicidade como reconhecer um homem que vive entre nós e que é um forte candidato a habitar as mansões celestiais.

Davi diz: "aquele que anda sinceramente". Nos dias atuais é cada vez mais difícil encontrar alguém sincero. As pessoas são traiçoeiras, desonestas, mentirosas e falsas. No entanto, o cidadão do céu vive diferente. Trata os amigos, os irmãos, os semelhantes com sinceridade. Não se dedica ao engano e ao fingimento. Pelo contrário, ele se aborrece com as máscaras, com as encenações e as conversas estéreis.

Jesus advertiu a seus discípulos contra a hipocrisia de uma vida longe da sinceridade: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia." (Mateus 23.27).

A vida que Deus deseja para seus filhos é a vida verdadeira, autêntica, transparente e honesta. Quando o homem decide viver longe deste alvo está se distanciando dos céus. É preciso entender que aquele que almeja o celestial deve iniciar sua caminhada com a sinceridade no coração.

Fandermiler Freitas

SÓ OS MORTOS


sexta-feira, 7 de outubro de 2016

O CIMENTO DO AMOR


Quando o salão do prédio onde a igreja se reúne foi construído foram usados centenas de tijolos. Um em cima do outro. Sem estes tijolos não teríamos este salão. Podemos até dizer que o tijolo é a matéria prima da construção numa edificação. Mas, para levantar parede, só é preciso de tijolos? Pode imaginar dezenas de tijolos um em cima do outro.

O que mais é preciso? Cimento. Pode imaginar estas paredes aqui, um tijolo em cima do outro, centenas de tijolos ao seu redor, mas sem cimento? Ou com cimento de má qualidade?

Nós somos os tijolos que Jesus usa para construir sua igreja. A palavra até nos chama de “pedras”. 1 Pedro 2:5 diz “também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual… ” Cada um de nós somos a matéria prima da edificação da Igreja de Jesus. Mas, há um material fundamental que nos mantém juntos – o amor. Este amor é o que? É a paciência, a consideração, a confiança um no outro. Sem o cimento do amor, todas estas pedras um dia caem. Basta o inimigo bater um pouco na parede que ela cede. Ele bate um pouco mais e ela cai para o chão.

Na verdade, o cimento que liga dois tijolos em baixo  é tão importante quanto o cimento e os tijolos ligados em cima. De fato, todos os tijolos da parede estão de certa forma em contato com todos os outros. Todos dependem, uns dos outros – como nós dependemos uns dos outros.

Quando nós começamos a brigar, a discutir, a medir ou até retirar nosso amor uns dos outros, o que é que acontece? A parede começa a ceder. Alguns tijolos começam a cair. Basta uma rachadura aqui, e outro ali, e outro ali, e em pouco tempo, a casa toda cai. Por outro lado, basta que o cimento que segura os tijolos seja bem feito, bem forte, e todos ficam juntos. Podem resistir qualquer investida do inimigo.

Você não tem que segurar todos os irmãos na igreja. Você não tem que visitar todos. Mas, você tem que amar pessoalmente aqueles que Deus colocou próximo de você. Tem que tratar todos com a mesma consideração. Tem que amar igualmente todos. Mas, haverão alguns, bem próximos de você que você terá que ter um amor muito forte para eles.

Elas podem ser próximos porque são da sua casa, ou do seu pequeno grupo, ou da sua área de serviço na igreja. Ou, pode ser que é com eles que você se acha em constante atrito. Seja qual for o motivo, são os tijolos que Jesus, o grande construtor da casa, colocou próximo de você. Ame eles, com o mesmo amor que você ama a Jesus. E, a igreja dEle ficará bem forte para sempre. Quando falamos uns com os outros, vamos falar como quem está falando com o próprio Senhor Jesus.

– Dennis Downing www.hermeneutica.com.br

AMAR A VIRTUDE

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O PIANO

Desejando encorajar o progresso de seu jovem filho ao piano, uma mãe levou seu pequeno filho a um concerto de Paderewski.

Depois de sentarem, a mãe viu uma amiga na plateia e foi até ela para saudá-la. Tomando a oportunidade para explorar as maravilhas do teatro, o pequeno menino se levantou e eventualmente suas explorações o levaram a uma porta onde estava escrito: "PROIBIDA A ENTRADA".

Quando as luzes abaixaram e o concerto estava prestes a começar, a mãe retornou ao seu lugar e descobriu que seu filho não estava lá.

De repente, as cortinas se abriram e as luzes caíram sobre um impressionante piano Steinway no centro do palco. Horrorizada, a mãe viu seu filho sentado ao teclado, inocentemente cantando as notas de "Cai, cai, balão".

Naquele momento, o grande mestre de piano fez sua entrada, rapidamente foi ao piano, e sussurrou no ouvido do menino: "Não pare, continue tocando. "

Então, debruçando, Paderewski estendeu sua mão esquerda e começou a preencher a parte do baixo. Logo, colocou sua mão direita ao redor do menino e acrescentou um belo acompanhamento de melodia. Juntos, o velho mestre e o jovem noviço transformaram uma situação embaraçosa em uma experiência maravilhosamente criativa.

O público estava perplexo. É assim que as coisas são com Deus. O que podemos conseguir por conta própria mal vale mencionar. Fazemos o melhor possível, mas os resultados não são exatamente como uma música graciosamente fluida.

Mas, com as mãos do Mestre, as obras de nossas vidas verdadeiramente podem ser lindas. Na próxima vez que você se determinar a realizar grandes feitos, ouça atentamente. Você pode ouvir a voz do Mestre, sussurrando em seu ouvido: "Não pare, continue tocando."

Sinta seus braços amorosos ao seu redor. Saiba que suas fortes mãos estão tocando o concerto de sua vida. Lembre-se, Deus não chama aqueles que são equipados. Ele equipa aqueles que são chamados. E Ele sempre estará lá para amar e guiar você a grandes coisas.

O VIVER DA SEGUNDA MILHA

"Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas"

Mateus 5:41

A segunda milha tem uma história fascinante. Se não tirarmos tempo para compreender a história por trás das palavras, perderemos o seu significado. Esta parábola baseia-se num quadro de um país ocupado. O verbo "forçar" vem do grego, aggareuein. O substantivo vem de uma palavra persa, que no antigo sistema postal significava estafeta. As estradas eram divididas em estádios cerca de um dia de distância uns dos outros. No final de cada estádio havia provisão de alimento, água e acomodação para o estafeta.

O costume era que qualquer cidadão e seu cavalo podiam ser forçados a percorrer um estádio. A palavra aggareuein representa tal alistamento compulsório. Através dos anos, a palavra passou a indicar trabalho forçado ou fornecimento de bens pelas pessoas de um país ocupado. As forças de ocupação podiam exigir o serviço dos vencidos mediante a força. Na Palestina, a qualquer instante o judeu podia ser forçado aoserviço. Ele não tinha recurso senão cooperar e cumprir o que lhe exigiam.

O que Jesus parece estar dizendo é que se caminharmos a milha que alguém nos peça, estaremos apenas cumprindo o que é requerido de um país ocupado. Contudo, se com o fardo nas costas indicarmos a disposição de continuar em serviço, causaremos boa impressão nos outros com nossa disposição amorosa. O mínimo necessário não impressiona a Jesus. Ele chama o seu povo para manter o fardo nas costas e prosseguir.

Essa história tem uma implicação prática na questão do ressentimento. Em vez de nos ressentirmos ao ser forçados aoserviço, Jesus sugere que devemos manifestar amor prático pela pessoa de quem nos ressentimos. Vá além das expectativas. Dê a si mesmo além do seu limite e descobrirá que o segundo fôlego do Espírito Santo estará infundindo vida, energia, amor e perdão. Cristo nos chama para o viver da segunda milha.

PALAVRAS QUE TRANSFORMAM

Conta-se que certo menino inglês orava constantemente, no silêncio do seu quarto, por um amigo chofer de táxi. Um dia, este homem subia silenciosamente a escada do quarto do seu amiguinho quando, ao abrir a porta, escutou estas palavras:



 - Oh, Pai, não o deixe nunca mais ficar embriagado. Ele é amável e bondoso e eu o amo. 

O homem ficou comovido, entrou silenciosamente no quarto e, ajoelhando-se ao lado da cama e perguntou: "Estavas orando por um moleque tal como eu?"

- Sim - respondeu o menino - mas o senhor não é um moleque.


Sabe quando uma palavra penetra o seu peito e se aloja na mente machucando, alegrando, modificando pensamentos, foi assim que o interior do homem sentiu a ouvir resposta do menino. Jamais aquele homem foi o mesmo. 

Toda a noite quando guiava o seu táxi pelas ruas agitadas da cidade, ouvia o ressoar daquelas palavras cheias de amor, o poder daquela oração sincera e cheia de amor a transformar-lhe a vida

COMPREENDER

O AMOR