sábado, 25 de janeiro de 2020

RECOMPENSAS

O nome dele era Fleming e era um pobre fazendeiro escocês. Um dia, enquanto trabalhava para ganhar a vida e o sustento para sua família, ele ouviu um pedido desesperado de socorro vindo de um pântano nas proximidades. Largou suas ferramentas e correu para lá.

Lá chegando, enlameado até a cintura de uma lama negra, encontrou um menino gritando e tentando se safar da morte. O fazendeiro Fleming salvou o rapaz de uma morte lenta e terrível. No dia seguinte, uma carruagem riquíssima chega à humilde casa do escocês. Um nobre elegantemente vestido sai e se apresenta como o pai do menino que o fazendeiro Fleming tinha salvado.

— Eu quero recompensá-lo - disse o nobre. -Você salvou a vida do meu filho.

— Não, eu não posso aceitar pagamento pelo que eu fiz, responde o fazendeiro escocês, recusando a oferta. 

Naquele momento, o filho do fazendeiro veio à porta do casebre.

- É seu filho? - perguntou o nobre.

- Sim, - o fazendeiro respondeu orgulhosamente.

— Eu lhe farei uma proposta. Deixe-me levá-lo e dar-lhe uma boa educação. Se o rapaz for como seu pai, ele crescerá e será um homem do qual você terá muito orgulho.

E foi o que ele fez. Tempos depois, o filho do fazendeiro Fleming se formou no St.Mary's Hospital Medical School de Londres e ficou conhecido no mundo como o notável Senhor Alexander Fleming, o descobridor da Penicilina. 

Anos depois, o filho do nobre estava doente com pneumonia. O que o salvou? Penicilina.

O nome do nobre? Senhor Randolph Churchill. O nome do filho dele? Senhor Winston Churchill.

Alguém disse uma vez que a gente colhe o que a gente planta.

Trabalhe como se você não precisasse do dinheiro.

Ame como se você nunca tivesse tido uma decepção.

A CHAVE DO PERDÃO


sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

ESPELHO

Perguntaram a Mahatma Gandhi quais são os fatores que destroem os seres humanos. Ele respondeu:

A Política, sem princípios; o Prazer, sem compromisso; a Riqueza, sem trabalho; a Sabedoria, sem caráter; os negócios, sem moral; a Ciência, sem humanidade; a Oração, sem caridade.

A vida me ensinou que as pessoas são amigáveis​​, se eu sou amável,
que as pessoas são tristes, se estou triste,

que todos me querem, se eu os quero,

que todos são ruins, se eu os odeio,

que há rostos sorridentes, se eu lhes sorrio,

que há faces amargas, se eu sou amargo,

que o mundo está feliz, se eu estou feliz,

que as pessoas ficam com raiva quando eu estou com raiva,

que as pessoas são gratas, se eu sou grato.

A vida é como um espelho: se você sorri para o espelho, ele sorri de volta. A atitude que eu tome perante a vida é a mesma que a vida vai tomar perante mim.

"Quem quer ser amado, ame"

Autor desconhecido

CAPRICHOS


quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

A TENTAÇÃO DE DESISTIR

O momento em que a tarefa se torna mais difícil, e a tentação de desanimar se torna mais forte, é amiúde o ponto em que o sucesso está mais próximo. 

Talvez você já tenha lido sobre as ricas descobertas de diamantes em kimbeley, há uns cem anos. Na esperança de enriquecerem depressa, muitos  afluíram para aquela região para tentar a fortuna. Cada um demarcou sua  propriedade e começou a cavar. Muitos dos que chegaram cedo lograram grande  fortunas. A princípio, o trabalho era fácil e as pedras preciosas facilmente  encontradas. Porém, depois de uns dois anos, a  maior parte da camada  superficial havia sido peneirada e todo o tesouro colhido. Debaixo dessa  camada havia outra de uma argila azulada e dura, que resistia às mais fortes mãos ou ferramentas. Poucos foram os que pensaram em atravessar essa camada  aparentemente impenetrável. Um após outro os homens foram abandonando seus  campos, ou vendendo por bagatelas para qualquer um que fosse suficientemente  tolo para comprá-los. Logo espalhou-se a notícia de que o campo de diamantes  estava esgotado. 

Barnett  Barnato era proprietário de uma lojinha perto do campo de diamantes. Havia chegado tarde demais para adquirir um terreno daqueles. E  agora seus negócios estavam declinando à medida que os homens abandonavam os  campos. Decidiu então que deveria comprar um dos terrenos que estavam sendo  vendidos por preço tão baixo. Um dia, enquanto tentava abrir uma brecha  naquela argila dura como pedra, para ver o que havia ali debaixo, notou que  alguém o observava. Era um homem que havia vindo da Inglaterra em busca de  clima mais moderado, esperando assim recuperar a saúde. O estranho observou  o trabalho de Barnato por um ou dois dias e então comprou também parte do  campo e começou a trabalhar.
Foi assim que Banett Barnato e Cecil Rhodes se tornaram os proprietários de um dos mais ricos campos de diamantes do mundo. Eles uniram as forças para  formar o De Beers Corporation, que continua em atividade até hoje. 

Numa palestra para estudantes, o presidente de uma universidade  norte-americana resumiu a experiência desses dois homens nestes termos:  “Quando o cavar se torna difícil, a maioria das pessoas procura uma desculpa  para abandonar a tarefa. Mas é precisamente aí que a pessoa sábia cava com  mais avidez e energia que nunca!”

SE FEZ PEQUENO


quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

CORAGEM

Savonarola, dominicano italiano, agitava Florença com seus sermões perturbadores. O Papa, desejando silenciar o caloroso pregador, ordenou que um bispo dominicano fosse a Florença tentar convencer o rebelado. 

— Santo Padre, obedecerei, mas desejo que sejam fornecidas armas, solicitou o bispo.

— Que armas?, indagou o Papa. 

—Ora, esse monge prega que não podemos ter concubinas, nem cometer simonia ou viver licenciosamente. Se o que ele diz a esse respeito for verdade, como lhe replicarei?

— Ora, ora - respondeu o Papa - agrade o monge, trate-o com diplomacia. Se for necessário, ofereça-lhe um chapéu de cardeal. Mas, acalme-o.

O bispo recebeu bondosamente o último cartucho e ofereceu o suborno a Savonarola. A resposta do monge foi:

— Venha ouvir meu sermão amanhã; dar-lhe-ei a resposta. 

E não foi sem surpresa que, no dia seguinte, o bispo ouvia ataques ainda mais severos aos erros da Igreja, ataques que culminaram com a declaração final que encerrava o assunto: "Não desejo outro chapéu vermelho senão o do martírio, colorido com o meu próprio sangue".

ESPINHOS


terça-feira, 21 de janeiro de 2020

DEUS DEU, DEUS TOMOU...

Ao anoitecer de um sábado, um rabi, mestre de invejável cultura e admirável bondade, entretinha-se na escola pública ensinando a Santa Lei a seus discípulos, sem imaginar que em sua casa, a tristeza e o luto haviam se hospedado.

Dois de seus filhos haviam morrido enquanto trabalhavam, pastoreando ovelhas no alto de um monte e a mãe chorava inconsolável, aos pés dos dois cadáveres. Mesmo petrificada pela dor, vinha-lhe à mente o pobre e idoso marido, cuja saúde a preocupava tanto, que logo iria defrontar o tremendo espetáculo.
O respeito à vontade divina e a caridade de esposa deram-lhe, porém, grande força de alma. 

Cobriu com um lençol os filhos e, orando, pôs-se a esperar o marido. 

À noite, mal entrou em casa, o marido indagou pelos filhos. A esposa, com o rosto lavado de lágrimas, desviou dele seus olhos e, com uma desculpa qualquer, serviu-lhe o vinho e o círio para a prece. O marido cumpriu o ato religioso e insistiu em saber dos filhos. Com mais uma desculpa, a mulher ofereceu ao marido, há muitas horas em jejum, umas fatias de pão. O marido provou um pedacinho e a questionou porque parecia tão triste. 

Armando-se de coragem, com um respirar profundo a esposa disse: 

- Eu, meu marido, preciso muito de um conselho teu. Já a algum tempo, um nosso amigo me procurou e deixou sob minha guarda algumas joias, extremamente valiosas. Veio hoje reclamá-las. Ai de mim! Não contava que viesse tão cedo. Devo restituí-las? 

- Ó minha esposa! Estou a desconhecer-te! Essa sua dúvida é pecaminosa!

- Mas já me afeiçoei tanto a elas... 

- Não te pertencem! 

- Queria-lhes tanto bem... Talvez tu também...

- Ó mulher! - exclamou atônito o marido. Que dúvidas essas suas! Que pensamentos! Querer apropriar-te do que não te pertence, sonegar um depósito, coisa sagrada! 

- É assim que pensas? balbuciou a esposa, chorosa.

Enxugando os olhos e novamente buscando forças em seu coração, disse a mulher:

- Muito preciso de teu auxílio para fazer esta dolorosa restituição. Vem ver as joias depositadas, que ambos fomos chamados a restituir. 

Suas mãos geladas tomaram as mãos do marido e o levaram ao quarto onde os filhos se encontravam. Ergueu os lençóis e disse:

- Aqui estão as joias. Reclamou-as Deus!

Em sua mútua dor, um encontrou no outro o ombro para chorar e aceitar, com resignação, os insondáveis (mas sempre misericordiosos) desígnios de Deus.

PARA VENCER


segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

TUDO O QUE TINHA

Era uma bela loja, situada num bairro rico e prospero da cidade. A joalheria estava com vários clientes ilustres, quando entrou pela porta uma pequena menina, vestida com muita simplicidade. O guarda tentou afasta-la, mas o dono da loja, que gostava muito de criança, falou para deixa-la entrar, e que ele mesmo a atenderia.

A pequena menina agradeceu e chegou perto do balcão, dizendo:

- Gostei desse anel.  Ele vai ficar lindo na minha irmã! Por favor, faça um pacote bem bonito!

O dono da loja perguntou:

- Quanto você tem?

A menina tirou um pacote de moedas do bolso e colocou-as em cima da mesa, muito feliz.

- Isso dá? Vendi minha boneca favorita, que ganhei no ano que nossa mamãe morreu. Eu quero dar um presente para minha irmã. Quanto minha mãe morreu, ela parou de estudar para tomar conta de mim e de meus irmãos. Ela não tem tempo para ela. Hoje ela está fazendo dezoito anos e tenho certeza de que ela gostará muito desse anel. 

O homem entrou, fez um embrulho mito bonito, colocou um laço vermelho e entregou para a menina, que saiu cantando toda feliz. 

Ainda não havia findado o dia quando entrou na loja uma jovem muito bela. Colocou sobre o balcão um embrulho desfeito e perguntou:

- Por favor, esse anel foi comprado aqui?

– Sim minha jovem.

– E quanto custou?

– Ah!, falou o dono da loja. O preço de qualquer produto da minha loja e sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o cliente. 

A jovem continuou:

– Mas minha irmã tinha somente algumas moedas que ela conseguiu vendendo uma boneca velha! O anel é verdadeiro, não é? Ela não teria dinheiro para pagá-lo!

O homem tomou o estojo, refez o embrulho com extremo carinho, colocou a fita e o devolveu a jovem.

– Ela pagou o preço mais alto que qualquer pessoa pode pagar. ELA DEU TUDO O QUE TINHA.

O silêncio encheu a pequena loja e duas lágrimas rolaram pela face emocionada da jovem e de todos que assistiram a cena enquanto suas mãos tomavam o pequeno embrulho.

E NÓS, TERÍAMOS DINHEIRO PARA PAGAR O QUE JESUS DEU PARA NÓS?

VASOS USADOS POR DEUS


sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

PROSSEGUINDO PARA O ALVO

Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" 

Filipenses 3.14

Um jovem violinista apresentava seu primeiro recital. O auditório estava à cunha. Cada número era aplaudido freneticamente. A multidão delirava. O jovem músico agradeceu os aplausos, mas não deu demonstração de sentir-se lisonjeado. Quase todo o tempo tinha os olhos fitos na galeria.

Quando o som dos derradeiros acordes morreram, um ancião na galeria fez com a cabeça um sinal de aprovação. Imediatamente, o jovem mostrou-se satisfeito, e sua fisionomia iluminou-se de felicidade. Os aplausos da multidão pouco lhe importavam, enquanto não tivesse recebido a aprovação de seu mestre.

Os olhos do cristão devem estar fitos em Cristo. Sua pureza, Sua santidade, Sua perfeição, unicamente, podem ser nosso alvo. Logo que algum outro ser se torne nosso exemplo, nosso herói na fé, ficamos sujeitos à decepção. Conheci um homem a quem eu tinha em alta estima. Era homem, cuja simples aparência impunha respeito e admiração. Quem suporia que o maligno tivesse semeado joio em seu coração? quando ele caiu - pois foi o que aconteceu - muitos ficaram enfraquecidos na fé.

Fonte: http://recursoshomiletica.blogspot.com/

O MEDO


quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

HOMEM - PÓ

Que é o homem, que dele te lembres? e o filho do homem, que o visites? Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus, e de glória e de honra o coroaste
Salmos 8.4,5

Disse o filósofo Platão: "O homem é um animal de duas pernas - sem penas." 

Sócrates, então, comprou um galo, tirou-lhe as penas, e levou-o à escola de Platão, exclamando: "Eis o homem de Platão".

O homem tem sido comparado a diversas espécies de animais: animal que ri, animal que cozinha, animal com polegares, animal preguiçoso. O Dr. Franklin o chama de animal que faz instrumentos. Um animal que cultiva é a sugestão de Walker. Hazlitt o designa animal poético. Diz Adam Smith: "Animal algum é como o homem. O homem é um animal que faz negócios. Cão algum troca um osso com outro".

O homem, ser decaído da graça de Deus por sua desobediência.

O homem, ser redimido, pela infinita graça de Deus, através do sangue.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

O QUE O PERDÃO PODE FAZER?

Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. 

Lucas 23:34.

Wilfred T. Grenfell, famoso médico missionário, nasceu em 1865. Em 1892, ainda na faixa dos vinte anos, ele dedicou sua vida ao povo da costa oriental do Canadá, onde serviu ao seu Senhor até cinco anos antes de sua morte, em 1940. Certa vez, quando lhe perguntaram o que o havia influenciado para que dedicasse a vida ao trabalho cristão humanitário naquela fria e agreste região do Labrador, aqui está a razão que ele deu:

Certa noite, uma senhora foi levada para a sala de emergência do hospital onde ele trabalhava. Era evidente que não havia esperança de vida para ela. Segundo o depoimento de testemunhas, o marido dela havia chegado bêbado em casa e, num ímpeto de ira, jogara contra ela um lampião aceso de querosene. Os vizinhos chamaram a polícia. O marido, que começava a ficar sóbrio, e um oficial foram até o leito onde ela se encontrava. O oficial curvou-se e perguntou àquela senhora exatamente o que havia ocorrido. A princípio ela recusou-se a dizer qualquer coisa, mas ele insistiu. Por fim, ela simplesmente disse: "Senhor, foi apenas um acidente." E morreu pouco depois.

Grenfell disse que se o amor podia perdoar uma agressão daquela magnitude, ele queria seguir o exemplo de Jesus e dedicar a vida ao ministério em favor dos outros. Será que o perdão daquela senhora exerceu um efeito semelhante sobre o marido? Não sei, mas vamos esperar que sim.

Perdoar aqueles que nos ofenderam, aqueles que sob um ponto de vista humano não merecem perdão, pode exercer um poderoso efeito para o bem. Quando Jesus perdoou aqueles que O crucificavam, causou uma impressão profunda em muitos dos responsáveis por Sua morte. Atos 6:7 diz que, subseqüentemente, "muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé".

Algo semelhante pode ter acontecido quando Estêvão perdoou aqueles que o apedrejaram até à morte (ver Atos 7:58-60). Não é improvável que a conversão de Saulo tenha brotado daquela experiência.
Quando você e eu fazemos como Jesus fez, e perdoamos espontaneamente aqueles que nos magoaram, o efeito sobre eles também pode ser o mesmo - mas não conte com isso. Afinal de contas, nosso objetivo na vida como cristãos é seguir o exemplo de Cristo, e não fazer com que os outros se sintam mal por ter-nos prejudicado.

Fonte: http://recursoshomiletica.blogspot.com.br/

FAZER BEM

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

UMA PESSOA BEM-SUCEDIDA

"Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, cuidando de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; não te desvies dela, nem para a direita nem para a esquerda, a fim de que sejas bem sucedido por onde quer que andares" (Josué 1:8).

Entre os apóstolos, o sucesso absolutamente assombroso era Judas e o humilhante fracasso era Pedro. Judas era um sucesso naquilo que causa impressão na maioria das pessoas: era bem-sucedido política e financeiramente. Ele conseguiu, com habilidade, o controle das finanças dos apóstolos; ele manipulou, com grande desembaraço, as forças políticas da época para concretizar o seu propósito. Pedro era um fracasso nas áreas em que a maioria de nós também tem dificuldade de vencer: era impotente diante das crises e incapaz de ter um bom relacionamento social.

Na prisão de Jesus ele desmoronou, acovardou-se. Ele não era o companheiro ideal que gostaríamos de ter nos momentos de lutas e nem alguém que gostaríamos que nos acompanhasse em um acontecimento social. O tempo, é claro, modificou a nossa avaliação sobre os dois homens. Judas, agora, é um exemplo de traição e Pedro é um dos nomes mais honrados na igreja de todo o mundo. Judas é um vilão, Pedro é um santo.

Infelizmente o mundo continua ainda valorizando o enganoso sucesso de Judas: riqueza financeira e sucesso político.

Tais conquistas de nada lhe serviram. Apenas levaram-no à perdição.

Muitas vezes a nossa momentânea incapacidade e os tropeços que nos sugerem iminentes derrotas são, na verdade, o primeiro passo para que, com a ajuda de Deus, sejamos alçados às mais empolgantes conquistas. É exatamente quando o nosso "eu" se sente impotente que a mão do Senhor se apresenta para nos conduzir ao porto da realização de nossos anseios.

O nosso sucesso não pode ser medido pelas conquistas materiais, embora isso também possa acontecer em nossas vidas. Ele é real quando estamos diante de Cristo, sem medo, sem culpa e com o coração cheio de júbilo por saber que caminhamos no centro de Sua vontade.

Você está alegre por Cristo habitar em seu coração? Saiba que é, de fato, uma pessoa muito bem-sucedida!

Paulo Roberto Barbosa

EXPECTATIVAS