terça-feira, 16 de outubro de 2018

A VINGANÇA DO AMOR

Meu nome é Dabousu. Nasci na França e durante a Segunda Guerra Mundial defendi minha Pátria nos campos de batalha.

No ano de 1944 fui feito prisioneiro pela Gestapo (polícia alemã) e fui condenado à morte. Considerando que era casado e tinha quatro filhos, não me mataram, mas fui levado a um campo de concentração e condenado à cadeia perpétua.

Depois de nove meses, pesava somente 40 quilos. Meu corpo estava coberto de chagas. Quebrei o braço direito, e, devido á falta de recursos médicos, o osso se soldou fora do lugar.

No da 24 de dezembro meus pensamentos estavam, mais do que nos outros dias, voltados para minha família. Eu estava no meio da depravação e da sujeira e, em contraste, imaginava como estariam minha esposa e filhos. Mergulhado nestes pensamentos, um policial entrou no pavilhão onde eu e os presos dormíamos. Gritou meu nome. Apresentei-me a ele e me deu ordem para segui-lo. Levou-me à casa do comandante. Guiou-me até a sala de jantar onde o comandante estava assentado perante uma mesa preparada como se fosse o banquete de um rei. Que visão maravilhosa para os meus olhos famintos! No entanto, não me ofereceu sequer as migalhas.

Deixou-me parado, fitando-o, enquanto se regalava com as várias iguarias que estavam sobre a mesa. Assim passou o tempo; ele comendo e eu olhando-o.

Certamente, o comandante sabia que eu era um cristão no Senhor Jesus Cristo e escolheu esta maneira de torturar-me. Deve ter chegado a ele a notícia de que eu falava de meu Salvador a meus companheiros. Satanás tentou-me de maneira terrível. Soavam em minha mente estas palavras: "Como é, Dabousu, continuas crendo no Salmo 23? Nele não está escrito: "O Senhor é meu Pastor, NADA ME FALTARÁ?". Naquele momento orei fervorosamente ao Senhor, ao mesmo tempo que dizia para comigo mesmo: Sim, continuo crendo no Salmo 23. Continuo crendo na Palavra de Deus".

Naquele preciso momento, um rapaz chegou trazendo uma bandeja com uma xícara de café e vários pastéis. Os pastéis pareciam bem saborosos e o comandante comia-os com muita satisfação. Voltou-se para mim e me disse: "Sr. Dabousu, sua senhora é uma excelente cozinheira. Dou-lhe os meus parabéns por seu trabalho".

Quando o comandante percebeu que eu não o entendia foi mais explícito: "Há sete meses que sua esposa está enviando-lhe periodicamente um pacote com biscoitos, pastéis, tortas e todas estas coisas que está vendo sobre a mesa. Tenho apreciado muito a comida de sua esposa".

Agora eu estava entendendo o que ele quis dizer-me. Pensei em minha querida esposa e nas crianças. Do pouco que certamente teriam para comer, abstinham-se do melhor para que eu tivesse alguma coisa para comer. E ali estava um homem enchendo seu estômago com ricos manjares à custa de minha querida família.

Mais uma vez, o diabo veio tentar-me. A voz do tentador soava em minha mente: "Odeie-o, Dabousu, aborreça-o, maldiga-o, grite, bata nele..." Eu orei fervorosamente e Deus me ajudou. Nenhum sentimento de ódio encheu meu coração, porém, eu ansiava que ele me convidasse para comer. Mesmo que não me desse nada para comer, que pelo menos deixasse pegar naqueles alimentos feitos carinhosamente pelas mãos de minha esposa. Mas o comandante egoísta e glutão comeu tudo e depois me dirigiu palavras grosseiras. Finalmente, disse-lhe: "Senhor comandante, embora o Sr. tenha tantas coisas, na realidade é pobre. Quanto a mim, sou rico, pois sou salvo pelo sangue precioso do Senhor Jesus Cristo".

Após ouvir meu testemunho, seu furor acendeu-se contra mim de tal maneira que suas palavras passaram a cair sobre mim como uma cachoeira. Mandou-me de volta para o pavilhão, junto com meus companheiros.

Quando terminou a guerra fui libertado junto com os outros prisioneiros. Daquele dia em diante me propus a descobrir o paradeiro do comandante. A maior parte dos comandantes dos campos de concentração foram mortos. Este, porém, tinha escapado usando um disfarce. Durante mais de dez anos o procurei, até que por fim consegui descobrir seu paradeiro. Fui visitá-lo, acompanhado de um pregador do Evangelho. Inicialmente, fingiu não me reconhecer.

"Eu era o número 175 no registro do campo de concentração", disse-lhe eu. "O Sr. não se lembra do dia 24 de dezembro de 1944?"

Como uma folha estremecida pelo vento, o homem começou a tremer. Sua esposa, que estava a seu lado, ficou cheia de pânico. "Veio para vingar-se?", disse-me ela com voz temerosa e fraca. Eu respondi: "Sim, vim para vingar-me". Olhou-me atemorizada.

Abaixei-me para pegar um pacote que eu tinha trazido, abri-o e apareceu uma magnífica torta feita por minha esposa. Pedi à Sra. do comandante que nos preparasse um café. Quando ficou pronto, os quatro nos assentamos à mesa.

Enquanto comíamos, os olhos do antigo comandante se encheram de lágrimas. Implorou-me que o perdoas-se. Respondi-lhe: "Ali mesmo, enquanto o Sr. me perseguia, eu o perdoei em nome do Senhor Jesus Cristo".

Um ano mais tarde, o antigo comandante juntamente com sua esposa aceitaram o Senhor Jesus como seu Salvador. Continuaram na fé e deram evidências de que tinham nascido de novo. Guiados pelo Espírito Santo, eles entenderam o amor de Deus, derramado em nosso coração. Este mesmo amor nos ajuda a obedecer as palavras do Senhor Jesus Cristo. "Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos de vosso Pai celeste (Mateus 5.44-45)"

Fonte: Revista Plenitude nº 21 – Agosto/1984

INJUSTIÇA

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

UMA MISSÃO EXTRAORDINÁRIA

"Quando a multidão ficou sabendo disso, seguiu-o até lá. Ele os recebeu bem, falou-lhes a respeito do reino de Deus e curou os que precisavam de cura" 

Lucas 9:11

Ana confidenciava a uma irmã da igreja: "Eu penso que o nosso mundo é muito agitado. Não aguento o pessoal do trabalho, nem os colegas da faculdade onde estudo e nem os vizinhos que encontro quando saio de casa. Minha vontade é me mudar para uma montanha e viver sozinha por lá". A irmã falou em seguida: "O nosso querido Senhor e Salvador Jesus Cristo também ficava cansado, caminhava sempre por longas distâncias e era assediado por grandes multidões. Porém, sempre atendia a todos com amor, com um sorriso nos lábios, com um desejo ardente de ver todos felizes. Eu também me canso, às vezes, mas ao lembrar do Senhor, sinto-me renovada e procuro testificar do quanto sou abençoada por Deus."

Temos compreendido que a nossa missão, no mundo, é anunciar, tanto com nossas palavras como com nosso exemplo, a bênção de ter Jesus no coração? Temos feito isso com alegria e gratidão a Deus por ter enviado Jesus para nos salvar e nos dar a vida eterna? Temos nos sentido privilegiados por sermos escolhidos para esse trabalho extraordinário?

Podemos nos sentir cansados, frustrados, decepcionados e até angustiados com os enganos do mundo, mas não podemos deixar de reconhecer que tudo isso é passageiro e não impede que glorifiquemos ao Senhor por ter escrito nossos nomes no Livro dos Céus e ter ido preparar uma casa para vivermos a seu lado para sempre. Quando entendemos isso, o cansaço desaparece, as frustrações deixam de ser importantes, as angústias se transformam em momentos de regozijo e felicidade.

Você ainda deseja fugir do mundo ou louva a Deus pela oportunidade de ser, aqui, uma bênção em Suas mãos?

Paulo Barbosa

AO MESTRE

domingo, 14 de outubro de 2018

LOUVAI AO SENHOR

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

(É de suma importância, para nossa instrução espiritual, que as palavras de louvor e gratidão do Salmo 145 tenham partido do coração e dos lábios de Davi, uma vez que experimentou em toda sua vida grandes lutas e tribulações que a maioria de nós não teria sido capaz de suportar. Mas ele não somente as suportou como se gloriou nelas pois viu em tudo que sofreu o forte braço do Senhor lhe guiando, sustentando e livrando. Na verdade, louvores e gratidão desta dimensão somente podem ser entoados por aqueles que tiveram que atravessar grandes montes e vales na companhia amiga e amorosa do Senhor – nota do tradutor)

"Proferirão abundantemente a memória da tua grande bondade, e cantarão a tua justiça." (Salmo 147.5)

Este é um "Salmo de louvor de Davi", e você vai ver que todo ele está inflamado por um forte desejo de que Deus possa ser muito magnificado. Por isso, Davi usa uma variedade de expressões e as repete com santa veemência: "Eu vos exalto." "Bendirei o teu nome." "Todo dia eu te bendirei". "Louvarei seu nome para todo o sempre." "Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado." "Uma geração proclamará as tuas obras à outra geração." "Falarei da magnificência gloriosa da tua majestade." "Os homens devem falar da força dos Seus atos terríveis" e outras palavras do mesmo sentido até o último verso, "A minha boca falará o louvor do Senhor, e toda a carne louvará o seu santo nome para todo o sempre."
Davi não se contenta em declarar que o Senhor é digno de louvor, ou em suplicar que Seu louvor deve ser sentido no coração, mas ele vai publicamente proclamá-lo. Abertamente declarado, claramente pronunciado e alegremente proclamado em canção. O salmista inspirado, movido pelo Espírito Santo, convida toda a carne, sim, e todas as obras de Deus a entoarem louvores ao Altíssimo!

Sílvio Dutra

A SABEDORIA E A TOLICE

sábado, 13 de outubro de 2018

DECEPCIONADO

Ele respondeu: Tenho sido em extremo zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida.

1 Reis 19:14  

Elias era um homem de Deus e sempre seguiu a risca as ordens do Pai. Por vários anos tinha servido a Deus com amor e dedicação. Ninguém poderia dizer que ele não fora fiel e dedicado. Ele mesmo disse isso a Deus no versículo acima.

Durante sua vida, Elias sentiu o poder de Deus agindo: foi alimentado por corvos, orou e fogo caiu do céu e consumiu o altar, suplicou ao Pai e ele ressuscitou o filho da viúva, orou e houve seca sobre a terra, orou novamente e voltou a chover.

Mas agora, ele estava se sentido só, escondido no mais profundo de uma caverna. Estava em depressão, decepcionado com a vida. Havia servido a Deus e isso o tinha levado a um vale mui triste, a ponto de pedir para si a morte: Basta; toma agora, ó SENHOR, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais.

Mas Deus não abandona os seus, Ele foi até Elias com a seguinte pergunta: "O que fazes aí, Elias?". Sabe o que Deus queria dizer para Elias? 

1. O seu lugar não é aí.
2. Você precisa ver a verdade e a verdade é que você tem que passar por cavernas, mas não precisa permanecer nelas.
3. Você nunca vai está só.
4. Não se sinta decepcionado porque a história não terminou.

Deus levantou Elias do mais profundo de sua dor e decepção e o levou novamente a vida. É isso que Deus faz com todo a aquele que na tristeza e decepção ouve a sua voz.

Fandermiler Freitas

VITÓRIAS

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

A AMIZADE É MELHOR QUE O OURO

O homem de muitos amigos deve mostrar-se amigável, mas há um amigo mais chegado do que um irmão. 

Provérbios 18.24

Suas relações familiares ou de amigos são vitais para sua felicidade. O tempo gasto com pessoas que você ama nunca é desperdiçado.

As amizades são melhores do que o ouro. Elas satisfazem nosso interior. Selecione àquelas que o Espírito Santo lhe determinou, e cultive este aconchego.

Quando você pára de produzir, a solidão e a preguiça abafam todo seu entusiasmo. Então comece um projeto em sua vida. Inicie a construção dos seus sonhos. Resista àqueles que querem controlar e mudar as suas metas pessoais. Mas, junte-se àqueles que lhe apoiam e lhe incentivam a realizar seus sonhos. Pois a felicidade de uma pessoa se compõe de duas metas:

01- As relações pessoais com quem você gosta.

02- E as suas realizações de propostas e sonhos para sua vida.

E nunca se esqueça  de que Deus deve fazer parte dos seus projetos de vida, porque ele é o patrocinador dos seus sonhos.

Prof. Freitas
(BASEADO NOS COMENTÁRIOS DO PR. MIKE MURDOCK)
Fonte: http://blogdoproffreitas.blogspot.com.br/

OPORTUNIDADES


quarta-feira, 10 de outubro de 2018

AS RIQUEZAS NÃO TRAZEM FELICIDADE

Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Mateus 6:19-21

Um dia, um rei caminhava por um caminho sem ser acompanhado da guarda. Demonstrava grande aborrecimento pela vida, apesar de ter muitas fazendas e muito dinheiro depositado em diversos bancos. De repente, chegaram aos seus ouvidos as palavras de um hino que um irlandês cantava: "Sou filho de um rei." O rei se aproximou do irlandês e lhe perguntou por que estava tão contente, tendo um trabalho tão duro.

Ele respondeu:

– Sou filho de um rei e tenho uma grande herança, a qual irei receber quando findarem os trabalhos desta vida.

O rei começou a meditar e chegou à conclusão de que a Felicidade e a Paz nesta vida não consistem nas riquezas, mas sim no amor de Deus, o Pai, que nos inflama deste mesmo amor para com os nossos semelhantes.

http://www.iasdemfoco.net

SANTIFICAÇÃO


terça-feira, 9 de outubro de 2018

SERÁ QUE OS MAUS SÃO REALMENTE PRÓSPEROS?

Existiu um homem na Bíblia que questionou algo semelhante, ele se chamava Asafe. Certa vez ele disse: “Pois eu invejava os arrogantes, ao ver a prosperidade dos perversos” (Salmos 73:3). Além de fazer essa constatação, Asafe chegou quase a se desviar da sua fé por causa disso: “Quanto a mim, porém, quase me resvalaram os pés; pouco faltou para que se desviassem os meus passos” (Salmos 73:2). Asafe estava olhando os maus, focada em sua prosperidade material, como se isso fosse a única prosperidade que uma pessoa pudesse ter. Mas, felizmente, ele refletiu e conseguiu alcançar a verdade de Deus sobre este tema: “até que entrei no santuário de Deus e atinei com o fim deles” (Salmos 73:17). O que os maus colherão em suas vidas? O que poderão fazer com suas riquezas após as suas mortes? As suas riquezas poderão subornar o Deus todo poderoso? Ou comprar a eles um lugar no paraíso? Ou ainda, as suas riquezas poderão comprar o julgamento de Deus que virá sobre eles? Certamente que não! É por isso que homens malignos e que são vistos como prósperos, na realidade tem a menor de todas as prosperidades, o dinheiro!

Por fim, gostaria de deixar claro que não há problema em os servos de Deus buscarem a melhoria de suas vidas, buscarem prosperidade financeira. Deus também nos abençoa com a prosperidade financeira. No entanto, nunca podemos achar que sermos abastados é um indicativo de que somos prósperos. Prosperidade bíblica é muito mais do que isso!

Presbítero André Sanchez

A CRUZ DE CRISTO


segunda-feira, 8 de outubro de 2018

POR QUE DEUS PERMITE QUE OS MAUS SEJAM MAIS RICOS QUE MUITOS BONS?

Essa é uma questão difícil. Mas como vimos, a prosperidade de Deus não é medida por quantidade de bens. Os maus também podem ser esforçados e conseguir bens como fruto de seu trabalho  ou mesmo podem ser trapaceadores para adquirir as suas riquezas. Já os bons, esses devem ser tal qual como o apóstolo Paulo ensinou: “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação” (Filipenses 4:11). Os servos de Deus devem aprender a servir a Deus com o mesmo empenho e alegria, tendo ou não bens e riquezas. O crente pode se esforçar e ter muitos bens como fruto de seu trabalho, mas não será isso que apontará para a sua verdadeira prosperidade.

Presbítero André Sanchez

COMPROMISSO


domingo, 7 de outubro de 2018

POR QUE DEUS DÁ PROSPERIDADE AOS HOMENS MAUS?

Adicionar legenda
Geralmente costumamos associar a prosperidade a ter uma vida financeira abastada. Sendo assim, quando olhamos alguém que tem boa casa, bom carro, uma vida financeira abastada, costumamos logo concluir que essa pessoa é uma pessoa próspera e abençoada por Deus. No entanto, será que a prosperidade de Deus se mede pelos bens que uma pessoa tem? Analisando a Bíblia, gostaria de pegar como exemplo um homem que foi muito próspero. Ele foi certamente o homem mais próspero que já pisou sobre a terra. Esse homem chegou a declarar algo incrível: “Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” (Lucas 9:58). O homem mais próspero da Bíblia não tinha em sua “conta corrente” muitos bens materiais, era pobre! Isso nos leva a perceber que a  prosperidade bíblica está muito além de ter bens!

Da mesma forma houve um rapaz que é mencionado na Bíblia e que era muito rico. No entanto, diante do chamado de Jesus, veja a reação dele: “Ouvindo-o Jesus, disse-lhe: Uma coisa ainda te falta: vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro nos céus; depois, vem e segue-me. Mas, ouvindo ele estas palavras, ficou muito triste, porque era riquíssimo” (Lucas 18:22). A minha pergunta é: esse rapaz era próspero? Ele tinha muitas riquezas, mas rejeitou a maior riqueza: Jesus. Logo, ele não era próspero! Ele era apenas um jovem rico e nada mais.

Presbítero André Sanchez

sábado, 6 de outubro de 2018

LUZES ALINHADAS

Ensina-me a fazer a Tua vontade, pois Tu és o meu Deus: guie-me o Teu bom Espírito por terreno plano. 

Sal. 143:10. 

Em uma noite escura e sem estrelas, há muitos anos, o Dr. F. B. Meyer atravessava o Canal de S. Jorge, no País de Gales, quando começou a imaginar como é que uma embarcação viajando numa noite como aquela poderia chegar ao porto sem perder-se. O comandante estava ali por perto, de modo que o Dr. Meyer lhe fez a pergunta.

- O senhor vê aquelas três luzes? - perguntou o comandante.

- Sim - respondeu o Dr. Meyer.

- Bem, o piloto precisa manobrar o navio até que aquelas três luzes pareçam ser uma só. Quando isso acontecer, saberemos a posição exata da entrada do porto.

Algo semelhante acontece no âmbito espiritual. Quando pedimos que Deus responda às orações, três coisas precisam estar "alinhadas": (1) Está a nossa oração em harmonia com a vontade de Deus revelada em Sua Palavra? (2) A resposta à nossa oração trará glória a Deus? (3) Estamos dispostos a esperar que Deus nos responda no momento certo e da maneira apropriada, segundo a Sua onisciência? Quando essas três "luzes-guia" estiverem alinhadas, poderemos descansar na certeza de que nossas orações serão sempre atendidas para o nosso bem eterno.

RICOS