quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

O ÚLTIMO DIA

porque nós somos de ontem e nada sabemos; porquanto nossos dias sobre a terra são como a sombra.

Jó 8:9

Chegamos ao último dia do ano, restam, agora, poucas horas para o final de 2015. O que dizer deste ano? atentados na França, terremoto no Nepal e Chile, conflitos armados na síria, Somália, Eritreia, corrupção na FIFA, os refugiados na Europa, chuvas torrenciais na América do Sul, crise econômica no Brasil, operação Lava Jato etc.

foram 366 dias que refletirão em nosso futuro. Nós fizemos escolhas, sofremos baixas, perdemos entes queridos, iniciamos caminhadas, findamos outras, construímos projetos, pegamos atalhos, lemos livros, construímos famílias, amamos, fomos odiados e muito mais.

Sinceramente, disso tudo que passou pouca coisa realmente era importante e valeu a pena. É como o pregador declara no livro de Eclesiastes: "Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também o trabalho que eu, com fadigas, havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia debaixo do sol."

O que é a vida? trabalhar, farrear, brincar, passear? Sem dúvida alguma, o homem precisa saber viver, caso contrário, sua vida será vazia, solitária e sem sentido. Eu não estou falando de acordar cedo e saber o que tem de fazer naquele dia ou então, de ter uma missão, algo definido que tem que cumprir. Falo que precisamos saber que o que estamos fazendo é importante e tem um peso eterno no céu.

Amanhã, iniciaremos um novo ano! Que tal saber que Deus se agrada do que você fará? Que tal sentir a presença Dele perto de você? Que tal ouvir sua voz falar em seu coração? Que tal ter a certeza de que Ele está ao seu lado lhe ajudando a continuar sua caminhada quando tudo é difícil? Que tal saber que você é aprovado por Deus?

Meus Sinceros votos de um feliz ano novo, cheio de paz e saúde. O que eu mais desejo a você, meu querido amigo, é Deus em seu coração, porque aí todos os seus problemas estarão bem perto de uma solução.

Fandermiler Freitas

FELIZ 2016

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

NÃO JOGUE FORA OS SEUS TESOUROS

Porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.
Mateus 6.21

Certa vez, um homem caminhava pela praia numa noite de lua a cheia. Pensava desta forma: se tivesse um carro novo, seria feliz; Se tivesse uma casa grande, seria feliz; Se tivesse um excelente trabalho, seria feliz; Se tivesse uma parceira perfeita, seria feliz, Quando tropeçou com uma sacolinha cheia de pedras.
Ele começou a jogar as pedrinhas uma a uma no mar cada vez que dizia: Seria feliz se tivesse... Assim o fez até que somente ficou com uma pedrinha na sacolinha, que decidiu guardá-la.

Ao chegar em casa percebeu que aquela pedrinha tratava-se de um diamante muito valioso. Você imagina quantos diamantes ele jogou ao mar sem parar para pensar? Assim são as pessoas... jogam fora seus preciosos tesouros por estarem esperando o que acreditam ser perfeito ou sonhando e desejando o que não têm, sem dar valor ao que têm perto delas. Se olhassem ao redor, parando para observar, perceberiam quão afortunadas são.

Muito perto de si está sua felicidade. Cada pedrinha deve ser observada... pode ser um diamante valioso. Cada um de nossos dias pode ser considerado um diamante precioso, valioso e insubstituível. Depende de cada um aproveitá-lo ou lançá-lo ao mar do esquecimento para nunca mais recuperá-lo. Como você anda jogando suas pedrinhas? (que podem ser namorados, amigos, trabalho e até mesmos seus sonhos). A morte não é a maior perda da vida. A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos.
Anônimo

O PRAZER DEPOIS DA DOR


terça-feira, 29 de dezembro de 2015

FELICIDADE EM 10 FRASES


1. PESSOAS FELIZES ACEITAM MUDANÇAS, FRACASSOS E INFELICIDADES.

2. PESSOAS FELIZES NÃO SE METEM NA VIDA DOS OUTROS.

3. PESSOAS FELIZES PERDOAM, POIS SABEM QUE QUEM NÃO PERDOA É QUEM SOFRE MAIS.

4. PESSOAS FELIZES AMAM GENTE E USAM OBJETOS, NÃO O CONTRÁRIO.

5. PESSOAS FELIZES VIVEM DA MANEIRA MAIS SIMPLES POSSÍVEL.

6. PESSOAS FELIZES SE ENTENDEM, SE CONHECEM E SE AMAM NA MEDIDA CERTA.

7. PESSOAS FELIZES NÃO SE PREOCUPAM SE A VIDA É JUSTA OU NÃO. APENAS SEGUEM EM FRENTE.

8. PESSOAS FELIZES FAZEM MUITO COM O POUCO QUE A VIDA LHES OFERECE.

9. PESSOAS FELIZES COMEÇAM E TERMINAM O QUE COMEÇARAM.

10. PESSOAS FELIZES, UM DIA, TIVERAM UM ENCONTRO REAL COM JESUS CRISTO.

Geraldo Magela

mais silêncio

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

AS MISERICÓRDIAS

As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos porque a sua misericórdia não têm fim.

Lamentações 3.22

Quando Pedro procurou Jesus em certa ocasião querendo saber quantas vezes devia perdoar um irmão, ele tinha, com certeza, um problema de relacionamento que precisava resolver. não sabemos nada a respeito disso, mas temos por certo que isso o perturbava a ponto de querer um orientação divina.

Na verdade, todos os dias, nós sofremos do mesmo mal: perdoar ou não perdoa? Estamos sempre a reclamar de alguém que nos machucou, humilhou, foi ingrato, egoísta, falso, mentiroso etc. Mas, quase sempre, esquecemos que nós também agimos e nos comportamos muitas vezes mal para com o próximo. Somos ágeis em julgar o outro e lentos em observar as consequências de nossas ações na vida do próximo.

Deus nos dá um grande exemplo no versículo acima - Ele não se cansa de nos perdoar. Sua misericórdia não têm fim. Todo dia, Deus nos ama a ponto de não nos destruir (consumir). Ele não leva em consideração os nossos desejos, planos, pensamentos e ações más. Ele sempre nos oportuniza o perdão e nos permite um novo dia, na esperança de que nos tornemos pessoas melhores.

Fandermiler Freitas

FELICIDADE


sábado, 26 de dezembro de 2015

A OVELHA PERDIDA

Qual de você que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma, não deixa as noventa e nove no campo e vai atrás da ovelha perdida, até encontrá-la?

Lucas 15.4


Quando a gente perde alguma coisa de valor ficamos triste e chateados com isso.

O próprio Jesus Cristo contou uma parábola de um homem que tinha cem ovelhas e num final de tarde, ao contá-la sentiu falta de uma. Este homem ficou tão preocupado que prendendo as 99 ovelhas num pequeno curral, voltou pelo caminho a procura daquela que se perdeu.

O que leva uma ovelha a se perder? A curiosidade em ver além da montanha, o capim verde e mais verde além do rebanho, O encanto e a frescura das águas calmas e transparentes do lago. No entanto, só após perder a proteção do pastor e o calor do rebanho é que a ovelha se depara com os perigos e é na escuridão da noite que se torna presa fáceis das feras.

Assim como a ovelha, o homem se envereda em caminhos que se ele não estiver atento o conduzem para longe do seu pastor. E, na ânsia de ser feliz encontra toda sorte de problemas e angústias. Se ver tão longe de casa, tão distante da paz e da alegria que aquece o coração.

A Bíblia no diz que o pastor retornou a procura da sua ovelha e a achou machucada sobre as rochas. Vendo-a sofrendo, tratou de suas feridas e a levou para casa em seu colo.

Talvez, você seja um ovelha que se perdeu quando tentou a vida sem Deus e na imensidão do mundo não achou nada que preenchesse o vazio do coração, só frio, dor, tristeza e desilusão. Tenho uma boa notícia para você: “É hora de voltar, O Bom Pastor está a te procurar, estenda seus braços e ele vai te levar para casa em seu colo”.

Fandermiler Freitas

HÁ UM CRIADOR

22

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

AS PERGUNTAS DE GABRIEL

Gabriel deve ter coçado a cabeça com essa. Ele não era de questionar suas missões dadas por Deus. Enviar fogo e dividir mares estavam todos inclusos no trabalho eterno de um anjo. Deus mandava, Gabriel executava.

E quando ficou conhecido que Deus iria virar homem, Gabriel ficou entusiasmado. Ele podia visualizar o momento: O Messias numa carruagem de fogo. O Rei descendo numa nuvem em chamas. Uma explosão de luz, da qual o Messias emergiria.

Era isso que ele esperava. No entanto, ele nunca esperava o que ele recebeu: um pedaço de papel com um endereço nazareno. “Deus se tornará um bebê”, lia-se, “Diga a mãe para dar-lhe o nome de Jesus. E diga a ela para não ter medo.”

Gabriel não era de questionar, mas dessa vez ele teve que se perguntar.

Deus vai virar um bebê? Gabriel já tinha visto um bebê antes, ele havia sido líder de pelotão na “operação junco”. Ele se lembrava do bebê Moisés.

Isso não tem problema para humanos, ele pensou, mas pra Deus?

Os Céus não conseguem contê-lo, como poderia um corpo? De todo jeito, já viu no que dão aqueles bebês? Dificilmente cabível para o criador do universo. Bebês precisam ser carregados, alimentados e banhados. Só de imaginar uma mãe colocando Deus para arrotar no seu ombro – isso era além do que um anjo poderia imaginar.

E o seu nome – qual era? – Jesus? Um nome tão comum. Tem um Jesus em cada esquina. Até o nome Gabriel tem mais impacto que Jesus. Chamem o bebê de Eminência, Majestade ou Enviado-celeste. Qualquer coisa menos Jesus.

Então Gabriel coçou a cabeça. O que houve com os bons tempos? Aquelas coisas como Sodoma e Gomorra, o dilúvio, espadas de fogo... era esse tipo de ação que ele gostava.

Mas Gabriel havia recebido suas ordens: levar a mensagem a Maria. Deve ser uma garota especial, ele pensou enquanto viajava. Mas Gabriel estava prestes a se chocar de novo. Uma olhada rápida fez ele ver que Maria não era nenhuma rainha. A futura mão de Deus não era realeza, ela era uma plebéia judia que mal tinha passado da fase das espinhas e tinha uma queda por um cara chamado Zé.

E falando do Zé, o que esse cara sabe? Deve ser um tecelão na Espanha, ou sapateiro na Grécia. Ele é um carpinteiro. Olha ele ali, com serragem na barba e um avental de pregos na cintura. Você está me dizendo que Deus vai jantar toda noite com ele? Você está me dizendo que a fonte de sabedoria vai chamar esse cara de “Pai”? Você está me dizendo que um trabalhador comum vai ser responsável por alimentar Deus?

E se ele for demitido?

E se ele ficar mal-humorado?

E se ele resolver fugir com uma menina bonita do final da rua, onde estaremos então?

Era só o que Gabriel podia fazer para não virar e ir embora. “É muito peculiar esta ideia que você tem, Deus”, ele deve ter murmurado para si mesmo.

São realmente dadas tantas reflexões aos guardiões de Deus?

Ainda ficamos? Ainda ficamos maravilhados com a vinda de Deus? Ainda nos fascinamos com o evento? O Natal ainda causa a maravilha indescritível que causava há dois mil anos atrás?

Eu venho me perguntando isso ultimamente. Ao escrever isto, será Natal em poucos dias, e algo tem me preocupado, que o ritmo do feriado pode estar obscurecendo o propósito do feriado.

Eu vi uma manjedoura num shopping. Correção, eu mal vi a manjedoura, eu quase não vi. Eu estava com pressa, hóspedes chegando, Papai Noel passando em casa, pregações para terminar, cultos a serem organizados, presentes a serem comprados.

A correria foi tão grande que a cama do Cristo foi quase ignorada, eu quase perdi. E se não tivesse sido por um filho e seu pai, eu teria perdido.

Mas do canto do meu olho eu os vi, um menino de três ou quatro anos, usando jeans e camiseta, olhando para o bebê na manjedoura. O pai, em roupa de trabalho e boné de beisebol, olhando por trás do ombro do seu filho, apontando para José, depois Maria, depois o bebê. Ele estava contando a história ao seu filho.

Os olhos do menino brilhavam, seu rosto estava repleto de maravilha. Ele não falou, apenas ouviu. Ele não se mexeu, apenas olhou. Quais seriam as perguntas que enchiam a cabeça daquele menino? Será que eram as mesmas de Gabriel? O que acendeu o encanto no seu rosto? Era a magia?

E por que é que dentre centenas de filhos de Deus, apenas dois pararam para considerar seu filho? O que é esse demônio de Dezembro que rouba nossos olhos e aquieta nossas línguas? Esse não é o motivo para pararmos e refazermos as perguntas de Gabriel?

A tragédia não é que não podemos respondê-las, mas que estamos ocupados demais para fazê-las.

Só os Céus sabem quanto tempo Gabriel sobrevoou perto de Maria antes de respirar fundo e dar a notícia. Mas ele deu. Ele disse o nome, ele contou-lhe o plano, ele disse para ela não ter medo, e quando ele falou “Com Deus nada é impossível”, ele disse tanto para ela quanto para si mesmo. 

Pois mesmo sabendo que não podia responder às perguntas, ele sabia quem podia, e isso bastava. E mesmo se nós não conseguimos responder todas, separar um tempo para fazer algumas perguntas é um bom começo.

Max Lucado

NATAL NO CORAÇÃO

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

ESPÍRITO DO NATAL

É apenas um pequeno envelope branco pendurado entre os galhos da nossa árvore de Natal. Não tem nome, não tem identificação, não tem dizeres. Se esconde entre os galhos da nossa árvore ha cerca de dez anos.

Tudo começou porque meu marido Mike odiava o Natal. Claro que não era o verdadeiro sentido do Natal, mas seus aspectos comerciais: gastos excessivos, a corrida frenética na ultima hora para comprar uma gravata para o tio Harry e o talco da vovó, os presentes dados com uma ansiedade desesperada porque não tínhamos conseguido pensar em nada melhor.

Sabendo como ele se sentia, um certo ano decidi deixar de lado as tradicionais camisetas, casacos, gravatas e coisas no gênero. Procurei algo especial só para o Mike. A inspiração veio de uma forma um tanto incomum. Nosso filho Kevin, que tinha 12 anos na época, fazia parte da equipe de luta livre da sua escola.

Pouco antes do Natal, houve um campeonato especial contra uma equipe patrocinada por uma igreja da parte mais pobre da cidade. A equipe era formada, em sua maioria, por negros. Esses jovens, que usavam tênis tão velhos que tínhamos a sensação de que os cadarços eram a única coisa que os segurava, contrastavam de forma gritante com nossos filhos, vestidos com impecáveis uniformes azuis e dourados e tênis especiais novinhos em folha.

Quando o jogo começou, fiquei preocupada ao notar que a outra equipe estava lutando sem o capacete de segurança que tinha como intuito proteger os ouvidos dos lutadores. Era um luxo ao qual a equipe dos pés-sujos não podia se dar.

No fim das contas, a equipe da escola do meu filho acabou arrasando com eles. Ganharam em todas as categorias de peso. E cada um dos meninos da outra equipe que levantava do tatame se virava com fúria, fazendo pose de valente, procurando mostrar um orgulho de quem não ligava para a derrota.
Mike, que estava sentado ao meu lado, balançou a cabeça, triste: "Queria que pelo menos um deles tivesse ganhado", disse. "Eles têm muito potencial, mas uma derrota dessas pode acabar com o ânimo deles."

Mike adorava crianças - todas as crianças - e as conhecia bem, pois tinha sido técnico de times mirins de futebol, basquete e vôlei. Foi aí que tive uma idéia para o presente dele. Naquela tarde, fui a uma loja de artigos esportivos e comprei capacetes de proteção e tênis especiais que enviei, sem me identificar, à igreja que patrocinava a equipe adversária.

Na véspera de Natal, coloquei o envelope na árvore com um bilhete dentro, contando ao Mike o que tinha feito e que esse era o meu presente para ele. O mais belo sorriso iluminou o seu rosto naquele Natal. Isso se deu em todos os anos consecutivos.

A cada Natal, eu seguia a tradição: uma vez comprei ingressos para um jogo de futebol para um grupo de jovens com problemas mentais, outra vez enviei um cheque para dois irmãos que tinham perdido a casa num incêndio na semana antes do Natal e assim por diante. O envelope passou a ser o ponto alto do nosso Natal. Era sempre o último presente a ser aberto na manhã de Natal. Nossos filhos, deixando de lado seus novos brinquedos, ficavam esperando ansiosamente o pai pegar o envelope da árvore e revelar o que havia dentro.

As crianças foram crescendo e os brinquedos foram sendo substituídos por presentes mais práticos, mas o envelope nunca perdeu seu encanto. Esse conto não acaba aqui. Perdemos nosso Mike ano passado por causa de um câncer. Quando chegou a época do Natal, eu ainda estava sofrendo tanto que mal consegui montar a árvore. Mas, na véspera de Natal, me vi colocando um envelope na árvore. Na manha seguinte, havia mais três envelopes junto a ele. Cada um de nossos filhos, sem o outro saber, tinha colocado um envelope na árvore para o pai.

A tradição cresceu e, um dia, se expandirá ainda mais e nossos netos se reunirão em volta da árvore, ansiosos para saber o que há no envelope retirado da árvore por seus pais. O espírito de Mike, assim como o espírito do Natal, estará sempre conosco.

Vamos todos lembrar de Jesus, que é o motivo dessa comemoração e o verdadeiro espirito do Natal este ano e sempre. Deus o abençoe.

(Do livro Histórias para Aquecer o Coração, de Jack Canfield)

SENTIDO DO NATAL

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

UM PRESENTE PARA JESUS...

As recordações batem fortes nesta época do ano. São lembranças que ficam guardadas no mais profundo do coração. Como não lembrar, tantos natais... os nossos familiares reunidos, risos, cantos, presentes, ah, os presentes..., e os abraços. Visitas chegando e as expectativas de uma grande festa.... Tudo registrado, afinal, são muitas lembranças?

Nossos natais sempre foram lindos...depois, como tudo tem seu tempo determinado, algumas pessoas se foram...e os nossos natais foram minguando...minguando.

Há saudades, há um aperto no coração... Luzes piscando, cidade colorida, passos apressados, pacotes, laços... Sempre há novas expectativas, novas esperanças. Nosso natal é real, é a certeza de que, ainda que tudo esteja mudado. O que não mudou e jamais mudará é a presença eterna de Jesus Cristo, sempre vivo em nosso coração.

Ele é a nossa esperança... Nosso natal é Jesus, Ele não muda, não passa, permanece sempre juntinho. Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Hebreus13:8.

Vamos festejar, vamos comemorar, dando toda honra e glória ao aniversariante. Sabe qual é o melhor presente que Jesus quer? O melhor presente é o nosso coração. Dá-me, filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos. Provérbios 23:26.

É o que Jesus quer, somente o nosso coração, onde Ele vem e faz morada. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Apocalipse 3:20.

Que Jesus renasça todos os dias em nossas vidas e assim, viveremos em paz, com vida. Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. João 10:10.

Feliz Natal !!!

Valéria Belotti

COMO OS MAGOS


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

PRESENTES DE NATAL

Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra.
Mateus 2.11


De onde vem o costume de se presentear na noite de natal aqueles a quem amamos? Segundo a tradição, dos reis Magos que deixaram seus lares no Oriente e foram até Belém levando seus presentes: Ouro, incenso e mirra.
Se é verdade, não sei. Mas que foi um belíssimo exemplo, não há dúvida nenhuma. Deixar sua casa e seguir uma estrela pelo deserto por várias semanas para adorar um menino pobre que nasceu numa estrebaria de uma cidade inexpressiva, ah! foi.


Para mim, eles deveriam ser o símbolo do natal, não o Papai Noel. Eles demonstraram amor pelo menino, fé em encontrá-lo, abdicação ao renunciar a própria vida, reino, família e bens materiais ao empreitar uma viagem seguindo uma estrela por tão longo tempo.


O verdadeiro sentido do natal é o amor (Deus nos amou para enviar Jesus a este mundo). Que possamos, assim como os magos, demonstrar amor pelos que estão perto, sem esquecer daqueles que nada tem, que precisam de nós para ter um natal mais feliz.


O próprio Senhor Jesus disse: "ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te;"

Existe nos Correios uma caixa cheia de cartas de crianças carentes pedindo presente. Precisam de mim e de você, do meu amor e do seu, estão precisando de reis magos que lhe ofereçam um pouco do que é seu. A recompensa será a dita por Jesus na continuação de seu discurso: "a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos."

Que Deus nos encha de amor pelo próximo!

Feliz Natal!

Fandermiler Freitas

PRESENTES NO NATAL

sábado, 19 de dezembro de 2015

ESPERANDO JESUS

Me veio uma estória de Bertold Brecht, um escritor de peças de teatro, que escreveu muito durante a primeira guerra mundial. Ele nos conta uma história de uma velha mulher que esperava a visita do Senhor, a visita de Jesus. 

Ela cuidou de tudo. Preparou a casa com muito mais cuidado do que Marta, aquela da Bíblia. Cuidou de cada detalhe, pois sabia que hoje o filho de Deus viria até a sua casa. Lógico, ela também cuidou de si mesma. Penteou o cabelo, botou uma roupa bem bonita, afinal, quem vinha era simplesmente o filho de Deus. Quando ela achou que tudo estava bem, tudo estava de acordo com a importância do hóspede. Sentou-se perto da lareira e esperou... 

O tempo passou e nada de Jesus chegar. Ela já estava ficando preocupada, quando alguém bateu à porta. Ela saltou ligeiro da cadeira, colocou rapidinho o tapete no lugar, ajeitou o cabelo e foi abrir a porta. Mas que decepção! Não era o Cristo. Era um mendigo querendo um pedaço de pão. Ela nem pensou duas vezes. Me desculpe, estou esperando uma visita muito importante e não tenho tempo para você agora. Por favor, vá para um outro lugar. Agora não dá! Voltou para a sua cadeira e esperou... 

De repente, alguém bateu à porta. - Agora é Ele! Puxou um pouquinho para a direita o vaso de flores que estava sobre a mesa, passou ligeirinho na frente do espelho e correu para abrir a porta. Mas não era ele. Era um pobre velho que não tinha casa e que sempre buscava um abrigo na casa das pessoas bondosas da vila. Hoje eu não tenho tempo para você, estou esperando o Senhor Jesus, por favor não me deixe mais nervosa! Voltou para o seu lugar. 

Na terceira vez que alguém bateu à porta, ela já levantou furiosa, pois pensou que não seria Jesus. Abriu a porta rapidamente, pronta para dar uma bronca em quem quer que fosse que viesse atrapalhar neste momento tão importante na sua vida. E não deu outra. Desta vez era uma forasteira que chegou na cidade e não tinha onde pernoitar. Ela queria um local para dormir e passar a noite. Mas a velhinha não quis conversa, despachou logo a mulher e disse que tinha coisa muito mais importante para fazer e desabafou dizendo: "Parece que sempre quando a gente quer ficar perto de Deus alguma coisa atrapalha. Que coisa!" 

A velhinha acabou adormecendo na cadeira e teve um sonho. Neste sonho, Jesus chegou perto dela e disse: estive três vezes na tua porta, pedindo para ser recebido, mas você não quis me receber.

ENCARAR A VEDADE

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

SUA EXPECTATIVA

Em cada uma das suas ações, a sua expectativa tem uma influência; em cada resultado que você obtém, a sua expectativa tem um papel de suprema importância  
Jean Claude Rochet

A sua expectativa não irá, por si mesma, fazer com que nada aconteça. Porém, ainda assim, ela pode causar um tremendo impacto nas suas realizações. Quando você verdadeira e completamente espera ser bem sucedido, todos os aspectos da sua vida se alinham na direção do sucesso que você espera alcançar.

Apesar de que muitas pessoas falarão com você hoje, ninguém falará mais com você do que você mesmo e isso traz a você uma enorme oportunidade. Portanto, a cada momento que for passando, continue a esperar pelo melhor e pelo mais positivo resultado que você possa imaginar.

Na medida em que a sua expectativa vai crescendo e solidificando, você descobrirá que a realidade da concretização ficará cada vez mais próxima. Porém, dê lugar para que Deus faça a Sua completa e perfeita vontade, que é infinitamente melhor que a sua mais ardente expectativa. Continue a crer, continue a sonhar, continue a esperar, pois os resultados poderão ser ainda bem maiores do que você possa imaginar.

Meditação: Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, a ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Efésios 3:20

Nélio DaSilva

ERROS

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

RECONSTRUINDO OS MUROS

Neemias era copeiro do rei da Pérsia. Ser copeiro naquela época, não era qualquer profissão, era um cargo de alta confiança, ele provava o vinho para saber se estava envenenado, depois dava ao rei. Sendo mês de Dezembro, Neemias recebe da parte de seu irmão, o relatório negativo de sua terra Jerusalém, bem como seus irmãos que se encontravam em total miséria. Havia acabado o cativeiro babilônico, ocorreu o primeiro regresso com Zorobabel, anos depois com Esdras,sendo reconstruído o templo, casas, porem os muros continuavam no chão, e as portas da cidade destruídas. 

Vivemos uma época muito perigosa, onde o inimigo tem destruído os lares, com: bebidas, drogas, prostituição, vícios. Aproveitando que os muros destas se encontram no chão, entram nos lares através dos meios de comunicação, ou de oportunidades, ensinando aos jovens e crianças, que o errado é o certo. Como consequência, valores importantes como: casamento, obediência aos pais, amizade, companheirismo, temor a Deus, tem cedido espaço, para vários sentimentos contrários a palavra de Deus. E o que temos visto? pessoas andando como zumbis, morando debaixo de pontes, dormindo no relento nas calçadas, viciadas nas drogas, presas em hospícios, hospitais, presídios. Tudo porque os muros, as portas de proteção, se encontram destruídas.

Ao receber a noticia de seu povo, da cidade, Neemias primeiramente: ouve, senta, lamenta, jejua e ora. Ele poderia ter ser desesperado, tentado resolver os problemas de seu jeito, ou quem sabe poderia ter ouvido, e não ter feito nada, apenas cruzado os braços. Ele orou a Deus, pedindo perdão pelo pecado do povo, pediu que Deus o prosperasse, o ajudasse, pois em seu coração, ele desejava ajudar seu povo. 

Quatro meses depois, no mês de Abril, ele se apresenta diante do rei, com o semblante triste, totalmente descaído, para oferecer vinho ao rei. Uma característica do verdadeiro cristão, é: não ser falso, não ter máscara. Neemias ao ser questionado pelo rei, pois sua tristeza estava estampada em seu rosto, temeu pela sua vida. Naquela época os reis persas mandavam matar com muita facilidade, bastava quebrar as etiquetas, o copeiro jamais poderia se apresentar triste, diante do rei. Neemias fala: "como não estaria triste, sabendo que meu povo, minha terra, estão totalmente destruídos em ruína? O rei deu oportunidade para ele pedir, o que ele precisava, e neste momento, Neemias ora a Deus, buscando a direção. 

Em seguida se apresenta ao rei, pedindo cartas para poder andar nas regiões com toda segurança, cartas para adquirir madeira para reconstruir os muros, o rei cede ao seu pedido, porque a boa mão do Senhor era com ele, não porque o rei era bonzinho,gente fina. Neemias chega em Jerusalém, anda a noite por tres dias, observando toda a situação. Conscientiza o povo que era necessário reconstruir os muros, mostrando que tudo que havia conseguido, fora com a boa mão de Deus. 

Desta forma o povo poe a mão na massa, e os muros começam a se levantar. Sabe o que acontece quando estamos na obra de Deus, fazendo a vontade do Senhor? O inimigo se levanta, tentando fazer de tudo para que possamos retroceder, desistir, afinal de contas, muro estando reparado, sem brechas, não tem como nossos corações e mentes serem atingidos. 

Quando os muros estavam sendo erguidos, Sambalate, Tobias, inimigos do povo de Israel, se levantaram, tentando fazer de tudo para que o muro da cidade de Jerusalém continuassem caídos. Para isto mandaram chamar Neemias quatro vezes, enviaram carta, aterrorizando o povo, falando mentiras, tentando a todo custo, paralisar a obra. Neemias,orientado por Deus, não deu atenção para o inimigo,continuou trabalhando, orientando o povo a trabalhar, com uma de suas mãos tendo a espada para guerrear. Em cinquenta e dois dias o muro foi reconstruído. 

Não desista, não retroceda, independente da situação que você esteja vivendo, Deus é maior, Ele nos capacita, dando-nos a armas espirituais para vencermos os gigantes que tem surgido, mostrando-nos a importância de estarmos firmes e fortes na Palavra de Deus, com nossos muros fortalecidos na Rocha que é Cristo.

Quais muros em sua vida precisam ser reconstruídos? O muro do casamento? Das finanças, dos sentimentos? Emoções? 

Deus nos mostra através de Neemias, que precisamos lutar, desistir jamais.

Daniel Parrela

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

NINHOS NAS ÁRVORES

Em Mato Grosso, à beira do rio Cuiabá, os moradores passaram a se precaver das enchentes bem antes de elas chegarem. Descobriram que um determinado pássaro constrói ninho nas árvores que margeiam o rio, em lugares baixos, mas quando pressente as cheias, se prepara, fazendo ninho em lugares mais altos. Dessa forma os moradores se previnem muito antes de as enchentes chegarem, observando os pássaros.

Já na vida espiritual, muitas vezes não agimos assim. Ficamos tão encantados com o mundo que nos cerca que não conseguimos ver o mal se aproximando. E ao não reconhecer as pistas, nos deleitamos no pecado e acabamos sofrendo com as inundações.

O Senhor Jesus disse aos seus discípulos que observassem o tempo (a vida, as pessoas, os eventos, as palavras, as atitudes, as mercadorias) e fôssemos sábios para evitar tudo aquilo que irá nos prejudicar. Quem sabe se nós tivéssemos atento, não seriam atingindo tão frequentemente pelo mal?

Eis que um rio transborda, e ele não se apressa... (Jó 40.23)

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

RESERVANDO UM TEMPO PARA DEUS


Salmo 27 :4 - “Uma coisa peço ao Senhor e a buscarei: Que eu possa morar na Casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do senhor e meditar no seu templo.”.

Você tem reservado um tempo para Deus? A falta de tempo tem sido uma das grandes desculpas usada por várias pessoas quando são convidadas a participar de um culto, entregar um folheto, enfim quando são chamadas a buscar a Deus.

Alguns alegam a correria é o seu dia–a–dia, mas em meio a essa correria, nós precisamos reservar um tempo para Deus, pois tudo o que temos, ou seja, nosso trabalho, nossa família, a faculdade que estamos cursando, foi obra das mão do Senhor, tudo que temos foi Deus que nos concedeu mediante a sua misericórdia e o amor que Ele tem por nós. Assim, imaginamos, se Jesus que era o próprio Deus, reservava um tempo com para buscar ao Senhor, imagina a minha e a sua necessidade de estar na presença de Deus. Somos fracos, falhos, somos pecadores, e muitas das vezes achamos que não necessitamos deste tempo.

Temos que ficar atentos porque os dias maus mais cedo o mais tarde vai chegar em nossas vidas e se não tivermos preparados provavelmente não conseguiremos enfrentar as lutar, as tribulações. Por isso a necessidade de reservarmos um tempo para Deus, pois na presença de Deus somos fortalecidos, somos preparados para enfrentar as tempestades do dia a dia, e consequentemente sermos vencedores.

A palavra de Deus nos diz: Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e as demais coisas vos serão acrescentadas. Quantas pessoas passam horas e horas em frente a uma televisão, horas e horas em frente ao computador, horas e horas em lugares que não edificam, e acham isso normal e que não tem nada a ver, mas pelo contrário são lugares que não agradam a Deus, mas nunca tem tempo para Deus, e trabalhar para Deus. Quantas pessoas dizem amar a Jesus mais nunca tem tempo para Ele: Quando reservamos um tempo para Deus nós podemos dizer como o Salmista Davi disse: “O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo?

Porque a presença de Deus provê recursos interiores para superarmos o medo em situações defícieis. Salmo 27 :4: Uma coisa peço ao Senhor e a buscarei: Que eu possa morar na Casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do senhor e meditar no seu templo.

O tempo de buscar ao Senhor é hoje, não vamos adiar esse tempo para Deus, pois, é dele que vem a verdadeira paz, alegria, a realização de nossos projetos e sonhos. O tempo mais precioso, o que tem maior aproveitamento, é o tempo que dedicamos na presença do Senhor.

O AMOR

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

AMOR AO DINHEIRO


Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão.

I Tim. 6:10, 11

O Dr. R. Newton relata a triste história de um marinheiro que se demorou numa pequena pousada na aldeia da Normândia. Pagou o jantar e o alojamento de uma noite. O proprietário e sua esposa eram anciãos e de aparência pobre. O marinheiro convidou-os a jantar com ele e durante a refeição lhes perguntou algo sobre seus familiares, principalmente sobre o filho que desde muito jovem se tornou marinheiro. Os pais supunham que estava morto, pois durante muito tempo não ouviram nada dele. Na hora de dormir, a mulher conduziu o marinheiro até seu quarto. Este lhe disse boa noite e deslizou em sua mão uma moeda de ouro. Ela mostrou ao marido e ambos se deleitaram olhando-a. Sabiam que o marinheiro possuía mais ouro. Durante a noite o assassinaram em sua cama e tomaram todo seu dinheiro.

Muito cedo, na manhã seguinte, dois parentes dos proprietários vieram perguntando onde estava o marinheiro. Ambos responderam que havia ido embora. "Não é possível – disseram os parentes – porque era filho de vocês, o filho que voltou ao lar para passar a vida com vocês. Disse-nos que permaneceria com vocês uma noite, sem dizer-lhes que era seu filho, para ver quão bondosos vocês poderiam ser com estranhos". Tinham assassinado seu próprio filho, pelo abominável amor ao dinheiro!

Quantos estão dispostos a vender sua alma ao diabo por uma bolsa de ouro!

do livro "Mil Ilustrações Selecionadas", Dr. D. Peixoto da Silva, Casa Publicadora Batista, Rio de Janeiro, 1966

NENHUM MAL

domingo, 13 de dezembro de 2015

QUAL É O NOSSO NEGÓCIO?

buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas" 

Mateus 6:33

Um jovem perguntou ao professor da Escola Bíblica, que era proprietário de uma loja de calçados, outra de roupas femininas e um pequeno supermercado: "Como consegue tempo para a Escola Bíblica, sendo dono de vários negócios?" O professor respondeu: "Na verdade, a Escola Bíblica é meu único negócio. Os outros são pequenos interesses pessoais que completam a minha vida."

Qual tem sido o nosso negócio neste mundo? Ganhar dinheiro? Alcançar notoriedade? Realizar grandes sonhos pessoais? E depois? O que acontecerá depois de alcançarmos tudo isso?

Muitas vezes esquecemos que o mundo é passageiro, que nossa vida tem um limite de anos, que breve tudo isso passará, que iremos estar frente a frente com Deus. E o que apresentaremos? Nosso extrato bancário? Nossos diplomas e prêmios recebidos? um DVD com os melhores momentos de nossa passagem na terra?

A única coisa que o Senhor nosso Deus desejará receber de nós é o testemunho de uma vida santa, de um coração puro e transformado, a indicação de que temos Jesus como Senhor e Salvador e o nosso nome está escrito nos Céus. Teremos isso para apresentar? Poderemos ouvir do Senhor, "Vinde, bendito de meu Pai, pode entrar... sua morada está preparada!"

Gastamos tanto tempo investindo em coisas materiais que, às vezes, esquecemos das espirituais. Um homem rico pode não ser feliz -- um homem pobre, que tem Jesus no coração, sempre será feliz! Um homem culto, ganhador do Prêmio Nobel, pode não ser feliz -- um homem sem muito conhecimento, a não ser de que Jesus Cristo é o Rei dos reis e Senhor dos senhores, caminha em veredas de felicidade! Um homem que realiza todos os sonhos materiais, e é aplaudido pelo mundo, pode não ser feliz -- um homem que dá pequenos passos ao lado de Jesus, vai deitar-se com um sorriso nos lábios, louvando e agradecendo a Deus!

Quando nosso negócio é servir a Jesus, podemos ser ricos, famosos e ter todos os sonhos realizados -- sendo muito felizes!

Paulo Barbosa

QUERER-SE LIVRE


sábado, 12 de dezembro de 2015

A SERPENTE E O PÁSSARO

Certa vez uma serpente, muito astuta, conseguiu se aproximar de um pássaro, porém, a ave, receosa, ficava a uma certa distância que impedia de ser atacada pela víbora. O réptil começa então a seduzir com palavras ao pássaro, já que possuía uma lábia muito grande. Aos poucos foi conquistando a "amizade" do pássaro e certo dia propôs um acordo:

- Eu sou sua amiga, e vou provar isso: Eu consigo para você, sem "nenhum" interesse, alguns bichinhos que costumam ficar debaixo da terra. É uma delícia, e você não vai precisar de esforço nenhum para se alimentar.

- Eu tenho medo de ser atacado por você, ao me aproximar para alimentar.

- Não tenha medo. Olha, vamos fazer um trato: Vou colocar os bichinhos sobre aquela rocha e vou ficar bem longe de você. A única condição, é que, para cada refeição, você tire uma pena da sua asa e me dê para que eu possa preparar meu ninho e fique bem confortável em minha casa. 

E assim foi. Como combinado, o pássaro tirava uma pena da asa, já que possuía "muitas" penas, entregava para a serpente e ia até o local se alimentar dos deliciosos bichinhos. O pássaro começou a intercalar entre os frutos e os bichinhos. Quando sentia fome, ele olhava para suas asas e dizia: "Só mais uma pena não vai fazer falta. E tirava mais uma e se alimentava dos bichinhos."

Ele percebeu que estava ficando mais gordinho com a nova alimentação. Certo dia, teve muita fome e começou a se lembrar daqueles bichinhos deliciosos. Disse ele: Acho que vou arriscar mais uma refeição. Alçou vôo, tirou mais uma pena de sua asa e entregou à cobra, como combinado. Foi até o local e comeu bastante bichinhos até não caber mais em sua barriga. Já satisfeito, resolveu ir embora. Quando tentou voar, devido a falta de muitas penas e devido ao peso demasiado que ganhara nos ultimos dias, e somando com aquela última refeição que fizera, não conseguiu alçar vôo. Ficou desesperado e tentou novamente. Nada! Não saiu do chão. Arrependido, disse: 

- Porque eu fui tão idiota e não preservei as minhas penas? Bem, pelo menos a serpente disse que é minha amiga e vou pedir sua proteção até que cresça novas penas. 

Quando a serpente se aproximou daquela ave amedrontada, disse: "Olá meu amiguinho, já se alimentou bem?" 

– Sim. Só que, devido ao meu peso e a falta de penas, não estou conseguindo voar. Você poderia me proteger até que cresça novas penas?

- Ah, que "pena" que você não possa voar!! Você está pagando o preço pela sua cobiça. Como não conseguiu resistir a tentação, virou a minha refeição. E agora já que está bem gordinho, já posso me alimentar da minha refeição preferida: "Pássaro estúpido tentado e seduzido pela sua própria ganância".

Aplicação:

A tentação pelas coisas ilícitas são constantes e tem sempre uma serpente astuta te oferecendo um banquete aparentemente inofensivo e fácil. Tome cuidado, esta sedução pode ser fatal.

"Há caminhos que ao homem parece direito, mas ao final dão em caminhos de morte" (Prov. 14:12)

"cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá a luz ao pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte" (Tiago 1: 14,15)

"Pois, naquilo que Ele (Jesus) mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados" (Hebreus 2:18)

"Sujeitai-vos, portanto, a Deus: mas resista ao diabo e ele fugirá de vós" (Tiago 4:7)

"Crê no Senhor Jesus e será salvo tu e tua casa" (Atos 16:31)

Autor: PAULO REIS

SEM ESCRAVIZAR A ALMA


sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

AMEMOS NOSSOS IRMÃOS


Sabemos que já passamos da morte para a vida porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte.
1 João 3.14

Nas catacumbas de Roma encontram-se maravilhosos atestados da graciosa fraternidade que prevalecia na igreja primitiva. Os corpos de membros da mais alta sociedade romana ali estão lado a lado com os despojos de humildes camponeses, e mesmo escravos. As inscrições naquelas sepulturas de cristãos primitivos não fazem referência a posição ou casta. Eram irmãos em Cristo - isso bastava. - Meditações Matinais.

Meditações Matinais