quarta-feira, 28 de junho de 2017

DEUS TE PEGA SEMPRE NO COLO

Incrível quando você se sente super prá baixo ou quando passa por problemas aparentemente invencíveis e, de uma maneira extraordinária, Deus te pega no colo. Com Sua doce voz Ele te mostra seus erros e te dá a solução. Você percebe que é total dependente dEle. Que momento gostoso! 

Porém ... e quando tudo isso não passa de um momento? Quero dizer, aqueles problemas são resolvidos, a vida continua e aos poucos as orações vão diminuindo, a busca pelo colo do Pai já não é tão intensa porque o sufoco já passou ... enfim, você esquece o quanto era doce aquela voz. De repente, um outro problema ou preocupação surge e você percebe, de novo, que é terrível ficar longe do Pai e volta correndo para Ele. 

Até quando? Até quando ficaremos indo e voltando? A aprendizagem não seria menos dolorosa se ficássemos sempre pertinho de Deus, ao invés de pularmos para fora dos Seus braços, lançando-nos no mundo? E o papo de permanecer na presença de Deus? 

Façamos nossas as palavras de Davi: 

"Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito ESTÁVEL ... Dá-me novamente a alegria da Tua salvação e CONSERVA em mim o desejo de ser obediente." (Salmos 51:10 e 12)

Ritta Bastos

NO SILÊNCIO


terça-feira, 27 de junho de 2017

PERSISTIR

Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçamo-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança, a carreira que nos está proposta.

Mateus 10:16

Quão triste de ser para um atleta desistir de uma maratona a poucos metros da linha de chegada.

Todos nós já desistimos de alguma coisa; porém, depois de algum tempo, lembramos que se tivéssemos resistido mais um pouco, teríamos conseguido finalizar.

Perseverança é a palavra que define a atitude de permanecer firme. A palavra era usada no mundo grego para definir a capacidade que uma planta possui de sobreviver em circunstâncias desfavoráveis.

Os hebreus estavam querendo abandonar a confiança em Cristo (Não lanceis fora a vossa confiança, que tem uma grande recompensa Hb 10:35), por isso o autor desta carta os exorta a perseverar (porque necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa HB 10:36). Ele dá duas razões porque os hebreus deveriam perseverar: a primeira razão era o estímulo dos santos (“tão grande nuvem de testemunhas”) , e a segunda, o exemplo de Cristo que suportou a cruz.

Quando olhamos para a situação de Jesus na cruz, não vemos, humanamente, uma situação favorável. Pregos foram cravados em suas mãos e pés, a multidão  blasfemava contra ele, feriram-no com uma lança em seu lado, e até desafiaram-no a descer da cruz. Se ele não tivesse resistido, suportado, perseverado, teria descido da cruz.

O exemplo de Jesus Cristo deve está bem vivo em nossa mente, para não descermos da cruz. Sempre podemos suportar um pouco mais. Lembre-se disso para chegar ao final.

Pr. Roberto

BATER NA PORTA

segunda-feira, 26 de junho de 2017

EM MEIO AO TEMPORAL

O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem temerei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?

Salmo 27.1

Conta-se que certa vez um menino acompanhava seu pai em busca de água numa fonte distante de casa. Enquanto o menino enchia os vasilhames, o pai fazia o translado, e esta operação se repetia até a casa está abastecida.

Certo dia, estando o menino só, na fonte, desabou forte temporal. O menino pensou em agir de diversas maneiras, mas... acomodou-se debaixo de um arvoredo na certeza de que o pai voltaria ao seu encontro. " Ele prometeu, então ele vem", pensava o menino. Até que ao longe avistou o pai e todo medo, toda a insegurança se foi.

Quando estamos firmados em Deus, haverá dias ruins, mas nunca estaremos em desespero porque o que o Pai prometeu cumpri. A experiência nos ensina que Deus jamais abandona um filho seu. E quando Deus corre ao nosso encontro todo o medo, tristeza, insegurança desaparecem e reina uma paz calma e serena, mesmo que seja em meio a um grande temporal.

NÃO SABEMOS ESPERAR


domingo, 25 de junho de 2017

TÁTICA DO LOBO

Um lobo não ataca uma ovelha tão logo ela se distancia do rebanho. Ele espera que ela se afaste mais e mais. Fazendo-se de inofensivo, estimula o animal desgarrado a testar aos poucos seus limites, a aventurar-se, a ir cada vez mais longe do pastor. Quando finalmente ele dá o bote, é certeiro. Não há tempo para que a ovelha fuja e ninguém mais ouça seus balidos no deserto. É a vitória da sagacidade sobre a ingenuidade. Longe de Cristo, ficamos indefesos, da mesma forma que a ovelha afastada do seu pastor se acha à mercê do lobo com seus ardis.

Fonte: (Marcelo Aguiar, em Cura Pela Palavra, pg 85).

OS SONHOS DE DEUS


sábado, 24 de junho de 2017

O SACRIFÍCIO DO AMOR

E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi.Gênesis 22:2


Como medir a fé de uma pessoa? Como saber se alguém possuiu uma fé grande ou pequena? A história de Abraão nos oferecer alguns pontos que podemos considerar para respondermos estas questões.

Abraão fora chamado por Deus para deixar seus pais e ir a uma terra distante. E ele obedeceu em parte. Foi para a terra de Canaã, mas levou seu pai. Depois mentiu para Faraó e Abimaleque dizendo que Sara era sua irmã. A conduta, dele seguia por altos e baixos momentos. Não havia firmeza em seus pés.

Mas agora, Deus o mandou sacrificar seu filho. Era a prova definitiva se ele confiava no Pai ou não.

Como saber se eu tenho uma grande fé? Isso depende do que eu tenho sacrificado por amor a Deus! E eu não falo de algo que não me faz falta ou tem me sobrado, falo daquilo que é super importante para mim. Abrão caminhou por três longos dias e decidiu oferecer seu único filho como prova de que amava a Deus.

E você o que tem sacrificado? 

Fandermiler Freitas




 

O AMOR


sexta-feira, 23 de junho de 2017

QUEM É VOCÊ?

E disse-lhe Isaque seu pai: Quem és tu?...

Gênesis 27:32

Certo dia,  aproveitando uma viagem a cidade de Rio Branco, fui visitar um amigo que não via há muito tempo. Toquei a campainha várias vezes e do interfone uma voz doce de criança falou: Quem é você?

Hoje, eu estive pensando na profundidade desta pergunta. Nós costumamos respondê-la com o nosso nome, nossa profissão, nossos laços sanguíneos e etc. Mas na verdade exige muito mais de nós, ela nos remete a uma analise sincera do nosso interior.

1. Há pessoas que são como as folhas levadas pelo vento. Ninguém nunca terá certeza de onde elas vão nem do que serão capazes de fazer.

2. Existem outras que são como galhos levados pelas águas de um rio. Mais cedo ou mais tarde vão ficar encostados junto às margens ou presos em algum lugar. Nunca chegarão ao final;

3. Outras são como os salmões que enfrentam todos os obstáculos naturais de um rio para alcançarem seus objetivos, mesmo que isto lhe custe a vida.

4. Algumas pessoas são como o fogo. Não existem sozinhas e precisam sempre de motivação. Sente-se pequenas de mais sozinhas;

5. Têm pessoas que são como a brisa de verão. Suaves, carinhosas e agradáveis. Mas  ninguém lhe dá valor. Elas parecem sem importância até que a estação muda e sente-se falta dela.

6. Há pessoas que são como vulcões ativos, estão prestes a explodirem.

Quem sou eu? Que tipo de pessoa eu sou? Como eu poderia me definir à luz da verdade. Jesus deseja sempre o melhor para nós. Ele almeja que eu e você alcancemos o padrão de Deus: homens e mulheres de sucesso. Defina sucesso como alguém que está de acordo com o Padrão dos céus (Mateus 5 a 7).

Fandermiler Freitas

O USO DA VIDA

quinta-feira, 22 de junho de 2017

SEr O PROFETA OU SONHADOR

Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los;

Deuteronômio 13.1-2

Vivemos tempos de muita agitação religiosa. O número de denominações evangélicas tem crescido muito e com elas surgem figuras humanas oferecendo milagres, curas, prosperidade, restaurações e muitas outras coisas. Nada contra, no entanto se faz necessário muita cautela para que não venhamos ser envolvidos pelo mal em nossa ânsia de nos aproximar de Deus.

O Próprio Deus, no versículo acima, adverte ao Povo de Israel para ter cuidado, porque surgiriam homens que se autodenominariam profetas e que fariam sinais, milagres, prodígios, realizariam sob suas palavras o miraculoso. Estes homens teriam a aparência de homens de Deus e estariam entre o povo de Deus. No entanto, eles pregariam uma doutrina contrária a essência de Deus e levariam seus seguidores ao inferno.

Ouça o que Deus disse sobre esses homens: "Não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos; porquanto o Senhor vosso Deus vos prova, para saber se amais o Senhor vosso Deus com todo o vosso coração, e com toda a vossa alma... E aquele profeta ou sonhador de sonhos morrerá, pois falou rebeldia contra o Senhor vosso Deus"

Precisamos ter muito cuidado com os nossos "líderes", pois não é o seu "poder" que vale ou determina se ele é um homem de Deus. Mas, unicamente, se ele vive e prega o autêntico Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Fandermiler Freitas

quarta-feira, 21 de junho de 2017

O SEUS QUE SE ABAIXA

Coloquei toda minha esperança no SENHOR; ele se inclinou para mim e ouviu o meu grito de socorro. 

Salmo 40.1

Quantas vezes você já ajudou alguém que estava numa situação difícil e precisava duma “mãozinha”? Talvez precisou abaixar-se para poder colocar o outro novamente em pé. Quem sabe, teve que deixar a própria posição para colocar-se no lugar do necessitado. Assim o Salmo 40 descreve a Deus: Aquele que se inclina em nosso favor, que se abaixa para acudir a todos que estão numa situação difícil.

Mas essa ação divina requer, de nossa parte, uma reação que devemos exercitar: confiar em Deus! Somos chamados a confiar nele antes de a necessidade propriamente dita surgir.

Muitos hoje são convidados a “negociar” com Deus seus problemas, suas doenças, dívidas, e tantas outras coisas. Isso gera reações equivocadas. Dias atrás, uma senhora jogou fora sua Bíblia. Antes de fazê-lo, ainda a ensopou com água para que ninguém pudesse usá-la. Por quê? No seu modo de ver, Deus não estava correspondendo aos desejos dela e, dessa forma, expressava que não precisava mais dele.

Essa tentação rodeia muitas pessoas: queremos receber, mas não queremos entregar-nos. Não confiamos nem esperamos em Deus. Quando vêm os momentos difíceis, o grito de socorro ecoa no enorme e assustador vazio do nosso interior.

Que maravilha saber que, quando colocamos toda nossa esperança em Deus, sempre encontraremos Aquele que já está inclinado em nosso favor e quer ouvir nosso clamor. 

Oração: Querido Pai, ajuda-nos a confiar em ti não por causa do que Tu nos dás ou presenteias, mas sim, pelo que Tu és e podes fazer em nossas vidas. Amém. 

Devocional Orando em Família

CORAGEM

terça-feira, 20 de junho de 2017

DEUS ESTÁ NOS DETALHES

Uma criança chorou. Isso mudou todo o curso da história da humanidade.

Deus está nos detalhes. A doutrina da providência divina declara que o governo providencial de Deus se estende a todas as coisas grandes e pequenas.

Coisas insignificantes podem proporcionar grandes conseqüências. O bater das asas de uma borboleta na China produz perturbações minúsculas nas correntes de ar, no final, afetam o tempo no outro lado do planeta.

Qual foi o choro que se ouviu por todo o mundo? Era o choro de uma criança que estava a mercê das ondas no rio Nilo. Moisés.

Um dos Faraós do antigo Egito decidiu reduzir o crescimento populacional do povo hebreu, escravos dos egípcios à época. Para tanto, declarou que as próprias parteiras hebréias deveriam matar as crianças que nascessem. Contudo, em um ato heróico de desobediência civil, as parteiras se recusaram a executar o serviço e tentaram encobrir sua rebeldia.

No entanto, uma das mulheres hebréias que dera a luz tomou um cuidado extra, incomum, para proteger seu filho:“Tomou uma arca de juncos, e a revestiu com barro e betume; e, pondo nela o menino, a pôs nos juncos à margem do rio.” Ex 2:3

Se houve uma mãe que entregou o filho às mãos da providência de Deus, foi esta. Ela deixou a pequena arca flutuar e ser carregada para onde a corrente levasse. A irmã mais velha da criança se postou perto da margem do rio, observando à distância o cesto flutuar enquanto era carregado pela correnteza. Naquele momento , os únicos olhos que estavam sobre o cesto eram os da irmã e os olhos de Deus.

Então, aconteceu algo que alguém consideraria uma coincidência. Os olhos de outra pessoa viram o objeto no rio. O que atraiu estes olhos para o rio é uma questão de suposição. Talvez fosse o choro da criança.

Aconteceu que, de todo o povo da face da terra, quem viu a arca que estava flutuando naquele lugar, naquela hora foi a filha do Faraó. A Bíblia não diz que ela ouviu o choro da criança. Entretanto, quando ela pegou a arca, a criança estava chorando, o que me leva a pensar que foi o choro que chamou sua atenção em primeiro lugar. É evidente que ela conhecia o decreto do pai. Se obedecesse ao decreto, ela teria lançado a criança de volta no rio. Mas esse não foi o fim da história porque a mulher teve compaixão. A criança chorou…

Os acontecimentos que se seguiram são quase tão surpreendentes como a própria descoberta. A irmã observou quando a criança foi tirada do rio, pensando rapidamente, ela foi à filha do Faraó e se ofereceu para encontrar uma mulher que cuidasse do infante. Podemos ver outra ironia, ela poderia ter dito “Não!’, em vez disso, ela disse “Vai!” . Então, a irmã do bebê partiu e trouxe sua mãe, onde se deu a ironia final. A própria mãe foi chamada para cuidar da criança. Seu filho lhe fora devolvido pela mão da providência de Deus que agia por intermédio da filha de Faraó.

Deus não se surpreendeu com o fato da filha de Faraó ir a margem do rio em um dia fatal da história. Ele não se surpreendeu com o fato da criança chorar. Ele ordenou que a criança chorasse e determinou que a princesa estivesse ali naquele exato instante. Deus não conhece acasos.

Fazemos o jogo do “O que aconteceria se?” Poderíamos supor que, se a criança não tivesse chorado, Moisés não existiria. Se Moisés não existisse, não haveria o Êxodo. Sem o Êxodo, não haveria a Lei do Sinai. Sem a Lei, não existiriam os profetas. Sem os profetas, não existiria Jesus. Sem Jesus, não haveria a cruz. Sem a cruz, não haveria a redenção. Sem a redenção, nada de cristianismo. Sem cristianismo, não haveria a Civilização Ocidental tal como a conhecemos. Tudo isto aconteceria se uma criança numa arca caseira deixasse de chorar no momento certo.

Contudo não há “O que aconteceria se?” em Deus. Ele é um Deus cuja providência está nos detalhes. Inclusive na sua, e na minha vida.

Fonte: http://www.webservos.com.br/  

PALAVRAS AGRADÁVEIS


segunda-feira, 19 de junho de 2017

EU QUERO ESTAR

"Quem, Senhor, habitará na tua tenda? Quem morará no teu santo monte?" 

Salmos 15:1

Estar perto de Deus é bom demais. Sentir sua presença é uma das coisas mais preciosa da vida humana, além de fazer bem ao coração produz paz, alegria, amor e harmonia na alma. "É muito radical! viver debaixo da graça do Pai"

Eu quero a vida de Deus, a vida com Deus, a vida pura e simples que Deus nos oferece. Eu quero é viver na tenda com Deus, habitar no monte do Pai e entrar no seu templo para adorar.

E você o que deseja?
 
Fandermiler Freitas

APRENDIZADO

domingo, 18 de junho de 2017

NA CORDA BAMBA

[O Senhor] não permitirá que os teus pés vacilem; não dormitará aquele que te guarda. 

Salmo 121.3 

Quando nos aproximamos da feira da aldeia, garotas vendendo grinaldas de jasmim se alinhavam na entrada do largo espaço aberto. Vacas e cabras carregavam etiquetas com preços, enquanto o encantador de serpentes tocava sua flauta diante de um grande público. 

Maravilhada, observei uma garota de mais ou menos seis anos caminhar sobre uma corda bamba. A corda estendia-se entre varas de bambu cerca de três metros acima do solo. Não havia nenhuma rede por baixo; um pequeno erro poderia levá-la a estatelar-se no chão. No entanto, seu rosto não mostrava qualquer receio e ela dava cada passo com confiança. Seu pai mantinha-se embaixo e caminhava cada passo com ela, como se estivesse pronto para apanhá-la, caso caísse. 

A criança na corda lembrou-me nossas vidas e os passos que damos a cada dia. O medo da queda pode nos esgotar e nos fazer tropeçar. Mas quando confiamos Naquele que caminha conosco, podemos avançar com firmeza, mesmo que a estrada pareça difícil. Podemos depositar nossa confiança em Cristo porque Ele cuida de nós a cada passo que damos. 

Oração: Senhor Jesus Cristo, graças por estares conosco em todos os passos que damos na vida. Ajuda-nos a caminhar com confiança, sabendo que sempre estás ao nosso lado. Em Teu nome, oramos. Amém

Pensamento do Dia: A nossa confiança vem de saber que Cristo caminha ao nosso lado.  Leena Vijaykumar (Karnataka, Índia) 

Eduardo Luiz Torres Alves

FAÇO VOCÊ MESMO


sábado, 17 de junho de 2017

CONTROLE ABSOLUTO

Nem todas as situações difíceis são resultado de erros ou pecados, mas nenhuma está fora do controle de DEUS, NENHUMA! Nenhuma acontece por “descuido” DELE.

Todas as dificuldades e sofrimentos tem uma finalidade – nos aproximar DELE. Podem ser lições duras cujo aprendizado se dá em meio a lágrimas, desespero, ansiedade, angústia e dúvidas, contudo, fiquemos certos que nada é mera casualidade ou se encontra fora do poder de DEUS.

Mesmo que você não compreenda, confie; mesmo que se sinta atarantado, confie; mesmo que a voz DELE não se faça ouvir, confie; mesmo que a solução pareça improvável, confie; mesmo que tudo pareça perdido, confie. Confie que DEUS está trabalhando em tua vida, confie que DEUS está “tramando” algo a teu favor. Hoje tudo pode ser confuso e emaranhado, mas, um dia você entenderá a razão de todas as coisas que hoje você passa.

Se tudo está debaixo do controle de DEUS, aquiete tua alma, acalme tua ansiedade, sossegue teu coração. Jesus disse que DEUS é quem cuida de cada detalhe da tua vida. Se ELE disse, você vai duvidar?

Devocional Pão Diário

A ESPERANÇA


quinta-feira, 15 de junho de 2017

VERDADEIRA RIQUEZA

A bênção do Senhor é que enriquece; e não traz consigo dores.

Provérbios 10.22

Desde que nascemos trazemos dentro de nós o desejo por riquezas. Papai e mamãe já ensinam aos filhos que eles precisam de uma casa bonita, um bom carro, roupas luxuosas, passear em lugares bonitos e exóticos e etc. coisas que na maioria das vezes o dinheiro compra. No entanto, esses valores não são suficientes em si para melhorar a condição do espírito humano; pelo contrário, o amor ao dinheiro é a raiz de muitos males.

Por que consideramos tão importante ter bens materiais? Será isso a prova incontestável de que somos abençoados por Deus ou é apenas um desejo incondicional da alma humana de gozar dias melhores? 

A resposta a essa pergunta depende exclusivamente da essência do nosso coração. Jesus encontrou um jovem rico que ao ser questionado pelo Mestre provou com suas ações que considerava sua riqueza um bem extremamente seu, e revelou-se de um egoísmo extremo. Por outro lado, Zaqueu,  um homem rico, tinha um coração que preveria as bênção de Deus a riqueza; e isto o tornou um homem livre e extremamente rico.

Não há nada de errado em ter riqueza, mas ela deve ser acompanhada da presença de Deus. Senão, o homem se tornará frio demais para se importar com a dor do outro. E, quando o coração está distante de Deus não há como ter as bênçãos do Pai nem a paz que faz o homem caminhar tranquilo em meio as montanhas da dor.

LEALDADE


quarta-feira, 14 de junho de 2017

VENTOS E TEMPESTADES

Um escritor inglês, do século passado, conta em uma de suas obras que na praia perto de sua casa, uma coisa muito interessante podia ser vista com freqüência:

Um navio lançando a sua âncora no mar enfurecido. O navio dança sobre as ondas Parece estar sob o poder e à mercê delas. O vento e a água se combinam para fazer do navio o seu brinquedo. Parece que vai haver destruição; pois se o casco do navio for lançado sobre as rochas, será despedaçado.

Mas observamos que o navio mantém a sua posição. Embora à primeira vista parecesse um brinquedinho desamparado à mercê dos elementos, o navio não é vencido. Qual é o segredo da segurança deste navio? Como pode resistir às forças da natureza com tanta tranqüilidade? Existe segurança para o navio no meio da tempestade porque ele está ancorado!

A corda à qual ele está amarrado não depende das águas, nem de qualquer outra coisa que flutue dentro delas. Ela as atravessa e está fixada no fundo sólido do mar. Não importa quão forte o vento sopre ou quão altas sejam as ondas do mar... A sua segurança depende da âncora que está imóvel no fundo do oceano.

Muitas vezes nos sentimos no meio de uma tormenta, sendo jogados pelas ondas da vida para cima e para baixo e açoitados pelo vento da adversidade. Parece-nos, às vezes, que não conseguiremos sobreviver a determinados períodos de nossas vidas.

Sem uma vida espiritual, a nossa vida é como um navio sacudido pelo mar enraivecido das circunstâncias incontroláveis da vida. Mas, confiando em Deus, experimentamos sua presença e amor como âncora da nossa vida. Nos sentimos encorajados e esperançosos. Essa esperança mantém segura e firme a nossa vida, assim como a âncora mantém seguro o barco.

L. R. Silvado

COLHER O AMOR

terça-feira, 13 de junho de 2017

A CAIXINHA

Há um tempo atrás, um homem castigou sua filhinha de 3 anos por desperdiçar um rolo de papel de presente dourado. O dinheiro andava escasso naqueles dias, razão pela qual o homem ficou furioso ao ver a menina envolvendo uma caixinha com aquele papel dourado e colocá-la debaixo da árvore de Natal.

Apesar de tudo, na manhã seguinte, a menininha levou o presente ao seu pai e disse: "Isto é para você, paizinho!"

Ele sentiu-se envergonhado da sua furiosa reação, mas voltou a explodir quando viu que a caixa estava vazia. Gritou, dizendo: "Você não sabe que quando se dá um presente a alguém, a gente coloca alguma coisa dentro da caixa?"

A pequena menina olhou para cima, com lágrimas nos olhos, e disse: "Oh, Paizinho, não está vazia. Eu soprei beijos dentro da caixinha. Todos para você ..."

O pai quase morreu de vergonha, abraçou a menina e suplicou que ela o perdoasse.

Dizem que o homem guardou a caixa dourada ao lado de sua cama por anos sempre que se sentia triste, chateado, deprimido, ele tomava da caixa um beijo imaginário e recordava o amor que sua filha havia posto ali...

De uma forma simples, mas sensível, cada um de nós humanos temos recebido uma caixinha dourada,cheia de amor incondicional e beijos de nossos pais, filhos, irmãos e amigos. Ninguém poderá ter uma propriedade ou posse mais bonita e importante que esta.

EU GOSTO DAS PESSOAS

segunda-feira, 12 de junho de 2017

O PELO DO LEÃO


Numa aldeia nas montanhas da Etiópia, um rapaz e uma moça se apaixonaram e se casaram. Por algum tempo foram perfeitamente felizes, mas então os problemas chegaram à casa deles. Começaram a ver os erros um do outro nas pequenas coisas – ele a acusava de gastar muito no mercado, ela o acusava de estar sempre atrasado. Não se passava um dia sem uma discussão sobre dinheiro, sobre trabalho doméstico, sobre amigos. Às vezes ficavam tão bravos que gritavam, berravam insultos e iam para a cama sem se falar, o que só piorava as coisas.

Depois de alguns meses ela achou que não aguentava mais aquilo e procurou um juiz velho e sábio para pedir o divórcio.

- Por quê? – perguntou ele. – Há menos de um ano que se casaram. Não ama seu marido?

- Sim, nós nos amamos, mas as coisas não vão nada bem.

- Como assim, não vão nada bem?

- Ah, brigamos muito, ele faz coisas que me irritam. Deixa roupas espalhadas pela casa toda, corta as unhas do pé na sala e deixa pelo chão, chega tarde em casa. Sempre que eu quero fazer alguma coisa, ele quer fazer outra. Não podemos viver juntos.

- Entendo – disse o velho juiz. – Talvez eu possa ajudar. Conheço um remédio mágico que vai fazer vocês se darem muito melhor. Se eu lhe der esse remédio, vai parar de pensar em divórcio?

- Claro! Gritou ela. – Qual é o remédio? Me dê!

- Calma – disse o juiz. – Para fazer o remédio preciso de um fio da cauda de um grande leão que vive perto do rio. Tem que trazer esse fio para mim.

- Mas como vou conseguir isso? – exclamou a mulher. – O leão vai me matar!

- Nisso não posso ajudar – disse o velho, abanando a cabeça. – Entendo muito de remédios, mas não entendo nada de leões. Você tem que descobrir um meio. Vai tentar?

A jovem esposa refletiu longamente. Amava muito o marido, e o remédio ia salvar seu casamento. Resolveu buscar o pelo do leão.

Na manhã seguinte, foi ao rio e se escondeu atrás de uma pedra. Pouco tempo depois, o leão veio beber água. Quando viu as patas enormes, ela ficou tremendo de medo. O leão abriu a boca, mostrando os dentes afiados, e ela quase desmaiou. Então o leão deu um rugido e ela saiu correndo para casa.

Mas na manhã seguinte ela voltou ao rio, trazendo um saco de carne fresca. Deixou a carne no capim da margem, a duzentos metros do leão, e ficou escondida atrás da pedra enquanto ele comia.

No dia seguinte, voltou e pôs o pedaço de carne a cem metros do leão; no outro dia, pôs a carne a cinqüenta metros do leão e não se escondeu enquanto ele comia.

Assim a cada dia chegava mais perto do leão, até que um dia chegou tão perto que pôde atirar-lhe a carne na boca. No outro dia, o leão veio comer em sua mão. Tremia ao ver os dentes enormes rasgando a carne, mas tinha mais amor ao marido do que medo do leão. Muito lentamente, ela abaixou-se e arrancou um fio do pelo da cauda da fera.
Voltou correndo ao juiz.

- Olhe! – gritou ela. – Trouxe um pelo do leão!

O velho pegou o fio e examinou atentamente.

- Foi muita coragem sua – disse ele. – E precisou de muita paciência, não?

- Ah, sim – disse ela. – Agora me dê o remédio para salvar meu casamento!

O velho juiz abanou a cabeça.

- Não tenho mais nada a lhe dar.

- Mas o senhor prometeu! – exclamou a jovem esposa.

- Então não vê? – perguntou ele com carinho. – Já tem o remédio de que precisa. Você estava decidida a fazer o que fosse preciso, por mais que demorasse, para ter o remédio mágico para seus problemas. Mas mágica não existe. Só existe a sua determinação. Você e seu marido se amam. Se os dois tiverem a paciência, a determinação e a coragem que você demonstrou para trazer esse pelo do leão, serão muito felizes. Pense nisso.

E a mulher voltou para casa, com novas resoluções.

O VERDADEIRO AMOR


sábado, 10 de junho de 2017

COMO É BOM TER AMIGOS!

Serapião era um velho mendigo que perambulava pelas ruas da cidade. Ao seu lado, o fiel escudeiro, um vira lata branco e preto que atendia pelo nome de Malhado.

Serapião não pedia dinheiro. Aceitava sempre um pão, uma banana, um pedaço de bolo ou um almoço feito com sobras de comida dos mais abastados.

Quando suas roupas estavam imprestáveis, logo era socorrido por alguma alma caridosa. Mudava a apresentação e era alvo de brincadeiras.

Serapião era conhecido como um homem bom, que perdera a razão, a família, os amigos e até a identidade. Não bebia bebida alcoólica, estava sempre tranqüilo, mesmo quando não havia recebido nem um pouco de comida.

Dizia sempre que Deus lhe daria um pouco na hora certa e, sempre na hora que Deus determinava, alguém lhe estendia uma porção de alimentos. Serapião agradecia e rogava a Deus pela pessoa que o ajudava.

Tudo que ganhava, dava primeiro para o malhado, que, paciente, comia e ficava a esperar por mais um pouco. Não tinha onde dormir, onde anoiteciam, lá dormiam.

Quando chovia, procuravam abrigo embaixo da ponte do ribeirão Bonito e, ali o mendigo ficava a meditar, com um olhar perdido no horizonte. Aquela figura me deixava sempre pensativo, pois eu não entendia aquela vida vegetativa, sem progresso, sem esperança e sem um futuro promissor que Serapião levava.

Certo dia, com a desculpa de lhe oferecer umas bananas fui bater um papo com o velho Serapião. Iniciei a conversa falando do Malhado, perguntei pela idade dele, o que Serapião, não sabia. Dizia não ter idéia, pois se encontraram um certo dia quando ambos andavam a toa pelas ruas.

- Nossa amizade começou com um pedaço de pão - disse o mendigo. Ele parecia estar faminto e eu lhe ofereci um pouco do meu almoço e ele agradeceu abanando o rabo, e daí, não me largou mais. Ele me ajuda muito e eu retribuo essa ajuda sempre que posso.

- Como vocês se ajudam? Perguntei.

- Ele me vigia quando estou dormindo; ninguém pode chegar perto que ele late e ataca. Também quando ele dorme, eu fico vigiando para que outro cachorro não o incomode. Continuando a conversa, perguntei:

- Serapião, você tem algum desejo de vida?

- Sim, respondeu ele - tenho vontade de comer um cachorro quente, daqueles que a Zezé vende ali na esquina.

- Só isso? Indaguei.

- É, no momento é só isso que eu desejo.

- Pois bem, vou satisfazer agora esse grande desejo.

Saí e comprei um cachorro quente para o mendigo. Voltei e lhe entreguei. Ele arregalou os olhos, deu um sorriso, agradeceu a dádiva e em seguida tirou a salsicha, deu para o Malhado, e comeu o pão com os temperos.

Não entendi aquele gesto do mendigo, pois imaginava ser a salsicha o melhor pedaço.

- Por que você deu para o Malhado logo a salsicha? - Perguntei intrigado. Ele, com a boca cheia, respondeu:

- Para o melhor amigo, o melhor pedaço. E continuou comendo, alegre e satisfeito.

Despedi-me do Serapião, passei a mão na cabeça do Malhado e saí pensando com meus botões: Aprendi alguma coisa hoje.

Como é bom ter amigos. Pessoas em que possamos confiar. E saber reconhecer neles o seu real valor, agindo em consonância. Por outro lado, é bom ser amigo de alguém e ter a satisfação de ser reconhecido como tal.

Jamais esquecerei a sabedoria daquele eremita: "PARA O MELHOR AMIGO O MELHOR PEDAÇO".


Autor: Desconhecido

NÃO ESQUECE DOS AMIGOS


sexta-feira, 9 de junho de 2017

O MOTOR

"Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis Minhas testemunhas."

 Atos 1:8

"Ron! Você em casa!" eu exclamei quando meu marido me tomou nos braços depois de uma viagem itinerante pelo sul da índia.

"Como conseguiu chegar com tantas horas de antecedência? Eu não o esperava senão daqui a umas três horas." "O Island Express agora é movido a diesel", ele explicou. "Assim a gente agora sai mais tarde e chega mais cedo." Devo agradecer o fato de meu marido ter chegado mais cedo, a Rudolf Diesel, um engenheiro alemão cujo nascimento ocorreu no dia 18 de março. Nascido em Paris em 1858, ele foi para a escola em Munique.

Um dia, ao final da classe, o professor observou: "E assim, devemos concluir que, levando em conta a grande quantidade de combustível requerida, os motores atuais produzem força muito pequena." A vida de Rudolf foi moldada por estas palavras. Ele decidiu encontrar meio de produzir um motor melhor. Rudolf desenvolveu um motor de combustão interna que utilizava óleo como combustível em voz de gasolina, utilizando carburador e velas de ignição. Dado que o motor diesel era tão simples, barato e eficiente, ele revolucionou os meios de transporte. Agora os motores diesel são utilizados em tratores, caminhões, ônibus, trens e navios.

A descoberta feita por Rudolf Diesel no mundo físico é a que você o ou precisamos fazer no mundo espiritual. A indagação feita por Rudolf Diesel a si mesmo naquele dia em Munique é a que você e eu precisamos fazer a nós mesmos também.

Que é o "motor" em nossa vida? Que espécie de força necessitamos para cumprir a ordem de Cristo de levar o evangelho a todo o Inundo? A resposta se encontra em nosso texto de hoje. "Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo." 

Este é o poder que revolucionou a vida dos discípulos. Numa única geração o evangelho foi levado ao mundo conhecido de então. A mesma coisa deverá acontecer na última geração antes da volta de Jesus.
Jovens serão cheios de poder e sairão para testemunhar a seus vizinhos e amigos.

Você gostaria que isto acontecesse em seus dias? Não gostaria de deixar que o Espírito Santo seja o "motor" em sua vida?

Fathers od Industries, 1962.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

UM TESOURO MAIS PRECIOSO QUE OURO E PRATA

"Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado" (1 Pedro 1:18, 19).

Em minha classe grega na Universidade de Campbellsville, o professor estava discutindo como a palavra para sangue foi traduzida em um determinado texto. Ele disse que a palavra usada para sangue era um plural, não muitas gotas de sangue, mas, exatamente, sangue. Ele declarou que o "sangue cobria tudo". Isto me fez pensar sobre o sangue de Jesus que cobriu todos os nossos pecados. (Rev. Matt Neace, Jr)

Que grande bênção é, para nós, o sangue de Jesus, vertido na cruz do Calvário. Estávamos desgarrados, longe do Pai, perdidos em nossos delitos e pecados e o sangue de Cristo nos purificou. Podemos, novamente, chegar à presença de Deus, ouvir a Sua voz, receber os Seus cuidados, sentir o Seu amor, viver abundantemente.

Cristo é tudo para nós. Nós o temos no peito, guardados no coração, como o tesouro mais precioso de toda nossa vida. Onde havia trevas, Ele trouxe a luz. Onde havia tristeza, há plenitude de alegria. Onde havia queixas e murmuração, agora habita o verdadeiro louvor e felicidade.

Tudo isso porque Ele pagou o preço de nossa salvação. tudo isso porque Ele nos amou e não levou em consideração toda a nossa rebeldia e indiferença. Tudo isso porque fomos lavados por Seu sangue puro e santo.

Quem tem Cristo tem um tesouro mais precioso que ouro e prata. Seu sangue nos deu vida eterna. Seu sangue nos transformou em filhos de Deus. Seu sangue incluiu nossos nomes entre os que herdarão o reino de Deus. Seu sangue iluminou o nosso caminho e não corremos mais o risco de nos perder na escuridão. Seu sangue nos trouxe da morte para a vida.

Eu tenho um tesouro que guardarei para sempre: o meu Salvador Jesus Cristo!

Paulo Barbosa
Fonte: http://www.webservos.com.br/

SEMPRE A SEMEAR


quarta-feira, 7 de junho de 2017

VOCÊ AINDA NÃO CHEGOU EM CASA

Ouvi uma história, anos atrás, sobre um casal de missionários que estava voltando da África para os Estados Unidos. Não tinham aposentadoria, sua saúde estava debilitada, sentiam-se derrotados, desanimados e apreensivos...

Depois de muitos anos de serviço missionário, lá estavam eles, iniciando sua longa viagem de volta a bordo do mesmo navio em que estava o Presidente Teddy Roosevelt (presidente dos EUA de 1901-1909), retornando de uma temporada de caça na África. No momento do embarque, havia uma multidão de gente e uma banda tocando para a despedida do presidente, mas ninguém para se despedir dos missionários. 

O marido disse, então, à esposa: "Não é estranho, querida? Aqui estamos nós, sacrificamos nossas vidas no serviço do Senhor, gastamos muitos anos neste lugar, perseveramos no meio de imensas adversidades, perdemos alguns dos nossos filhos e os enterramos aqui. Tudo tem sido tão difícil, mas ninguém realmente se importa com isto, não é? Veja só toda essa fanfarra quando o presidente volta de uma simples excursão de caça! Mas ninguém se importa se fizemos algo de valor para Deus ou não." 

– Querido, você não deveria pensar assim - disse sua esposa. 

– Não dá para pensar de outra forma. É tudo tão injusto.

Durante toda a viagem, enquanto cruzavam o Atlântico, este sentimento crescia e fervia em sua mente. A amargura foi tomando conta da sua alma e ele disse à sua esposa: "Aposto que quando chegarmos em Nova Iorque vai haver outra banda para receber o presidente, e ninguém esperando por nós. Estaremos sozinhos". 

E foi assim que aconteceu. Quando o navio atracou no porto de Nova Iorque, uma banda tocava as canções preferidas de Teddy Roosevelt, e todas as autoridades da cidade estavam lá para recepcioná-lo. Enquanto isto, o casal de missionários desembarcou completamente despercebido e foi alugar um apartamento dilapidado no Setor Leste de Nova York... 

Completamente arrasado, o homem disse à esposa: "Não é justo, não é justo mesmo! Aqui estamos nós, sem dinheiro, sem saber quem é que vai cuidar de nós ou para onde vamos. Deus nos prometeu grandes coisas, mas nada aconteceu. Entregamos a ele tudo que tínhamos, e o que fez por nós? Agora, veja o que acontece quando o presidente sai numa excursão de caça! Isso não é justo!" 

– Querido - a esposa respondeu - eu sei que não é justo, mas esta não é a atitude certa. Não deve pensar assim. Por que você não vai até o quarto, conversa com o Senhor sobre tudo isso e veja o que ele tem a dizer?.

E ele foi. Entrou no quarto e ajoelhou-se à beira da cama, sozinho. Ficou lá por um bom tempo e, quando saiu, seu rosto brilhava. Sua esposa percebeu que algo tinha acontecido. Então ela perguntou: "O que houve?". 

E ele respondeu: "Eu me ajoelhei e derramei toda essa história diante do Senhor. Contei para ele que havia achado tudo tão injusto, especialmente que, ao chegarmos em casa, o presidente ganhou aquela tremenda recepção, enquanto ninguém se importou conosco. Eu disse também que ele não estava nos tratando direito. Mas sabe o que o Senhor me disse? Foi como se tivesse se inclinado e colocado sua mão no meu ombro, para me dizer: 'Mas você ainda não chegou em casa!'" 

Do livro "TALKING TO MY FATHER" (Conversando com meu Pai), de Ray Stedman.

DESCANSAR EM TI


terça-feira, 6 de junho de 2017

O QUE DEUS NÃO VAI PERGUNTAR

Deus não vai perguntar que tipo de carro você costumava dirigir... Mas vai perguntar quantas pessoas que necessitavam de ajuda você transportou.


Deus não vai perguntar qual o tamanho da sua casa... Mas vai perguntar quantas pessoas você abrigou nela.


Deus não vai fazer perguntas sobre as roupas do seu armário... Mas vai perguntar quantas pessoas você ajudou a vestir.

Deus não vai perguntar o montante de seus bens materiais... Mas vai perguntar em que medida eles ditaram sua vida.

Deus não vai perguntar qual foi o seu maior salário... Mas vai perguntar se você comprometeu o seu caráter para obtê-lo.

Deus não vai perguntar quantas promoções você recebeu... Mas vai perguntar de que forma você promoveu os outros.

Deus não vai perguntar qual foi o título do cargo que você ocupava... Mas vai perguntar se você desempenhou o seu trabalho com o melhor de suas habilidades.


Deus não vai perguntar quantos amigos você teve... Mas vai perguntar para quantas pessoas você foi amigo.


Deus não vai perguntar o que você fez para proteger seus direitos... Mas vai perguntar o que você fez para garantir os direitos dos outros.


Deus não vai perguntar em que bairro você morou... Mas vai perguntar como você tratou seus vizinhos.

E eu me pergunto: "Que tipo de respostas terei para dar?"

FRACASSO NO LAR


segunda-feira, 5 de junho de 2017

A VITÓRIA DE RAY

"Quem, Senhor, habitará no Teu tabernáculo? ... O que... de coração, fala verdade." 

Salmo 15:2.

O Jogo da Liga Nacional de Hóquei do dia 26 de março de 1969, entre o Chicago Black Hawks e o New York Rangers foi o que os aficionados do Hóquei chamaram de "jogo de nada". O Black Hawks estava em sexto lugar e nada do que acontecesse nessa noite poderia impedir a vitória e liderança do Rangers.

Entretanto, algo aconteceu nessa noite que pôde ser considerado mais importante do que ganhar ou perder uma partida esportiva. O Black Hawks estava na extremidade do rinque do Rangers. Stan Mikita estava por trás da rede. O disco foi atirado para o homem da defesa, Ray McKay, em pé junto à linha azul. Ele conseguiu um tiro certeiro. Stan Mikita se estendeu para a frente e mandou o bastão justo em tempo de encaixar o disco entre as pernas do goleiro do Rangers. O gol foi válido.

"Gol de Ray McKay. Primeiro ponto de sua carreira na Liga Nacional", o anunciador informou à multidão. Houve um Hurra! de aprovação da parte da multidão presente.

Os aplausos soaram como coisa agradável para Ray, mas ele sabia que não os merecia. Não fora ele o autor do tento, mas Mikita. Muitos teriam deixado isso passar e aceitariam o louvor da multidão por um tento que não fora seu. Afinal quem poderia perceber o que houve?

Mas Ray era um jovem que falava "verazmente em seu coração". Se ninguém mais o houvesse percebido, Deus o sabia, e ele sabia, e assim tema de viver com isto na consciência pelo resto de sua vida.

Com os gritos de aclamação ainda soando através do campo gelado Ray deslizou até Stan Mikita e disse: "Você marcou este gol, não foi?" 
"Sim", Stan o confirmou.

"Não foi gol meu", Ray disse então aos oficiais. "Stan Mikita foi quem empurrou o disco para dentro do gol." 

Foi feita a mudança no placar e anunciado ao público. E o jogo continuou Ray McKay perdeu o tento, mas ganhou uma grande vitória no jogo da vida.

Deus espera fidelidade de nossa parte mesmo nas menores coisas. Não importa quão pequena seja uma mentira, ela é bastante grande para nos deixar fora do Céu. Peça a Deus hoje que lhe dê aquela espécie e vitória como a que obteve Ray McKay. Peça-Lhe que o ajude a falar a verdade mesmo quando isto possa significar perda para você Peça-Lhe que faça de você uma pessoa capaz de ser veraz "em seu coração".

I Play to Win, Stan Mikita, Pocket Books. Nova lorque, 1970, págs. 1-14.