terça-feira, 31 de dezembro de 2013

O ANO FINDOU

O fim de um ano e o início de um novo ano é uma excelente oportunidade de limpar o cadastro e começar de novo. O conhecido pregador Henry Ward Beecher (1813-1887) disse: “Passamos mais um ano. Mais um longo estágio na nossa viagem nesta vida, com as subidas e descidas, o pó, a lama, as rochas, os espinhos, os fardos que carregamos aos ombros, já passaram. O velho ano morreu. Afastem-no. Deixai-o ir. Deus na Sua providência, nos fez sair dele. Já passou. A sua maldade passou; o seu bem permanece. O mal pereceu, e o bem sobrevive.” 

Fonte: http://www.gospelcom.net 

NÃO TE FALTE


segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

VALEU APENA?

Ouve o conselho, e recebe a correção, para que no fim sejas sábio.

Provérbios 19:20 


Chegamos ao penúltimo dia do ano. Foram quase doze meses de muita correria, trabalho, responsabilidades, estudos, e tantas outras coisas das quais participamos que seria difícil enumerá-las aqui. Meu coração, hoje, amanheceu, indagando se tudo valeu a pena.

Será que algo poderia ter sido diferente ou quem sabe as coisas deram erradas porque nos recusamos a ouvir a Deus e a obedecer suas orientações? A experiência me ensinou ser um erro trocar Deus por meus sentimentos, caminhos e entendimento.

O fim de nossos dias são consequências de nossas atitudes diárias. O Pai deseja que seus filhos ouçam sua voz e que suas orientações sejam praticadas. Porque não há como receber as bênçãos de Deus fora disso. 

Será que ao fazermos uma avaliação sincera, podemos dizer que, em 2013, fomos sábios? Se não, desejo a todos nós um 2014 mais perto do Pai, para que, mesmo com as tribulações da vida possamos ter um novo anos feliz.

Fandermiler Freitas

BOA OBRA

domingo, 29 de dezembro de 2013

TEMPO

Faltam dois dias para o ano terminar. Pouco tempo nos resta em 2013. Foram cerca de 363 dias e 9.432 horas. Muito tempo! não acha? E o que nós fizemos da nossa vida? como gastamos todo o tempo que Deus nos deu?

Circunstâncias adversas sempre haverá na vida. Deus não nos prometeu um paraíso nesta vida, muito pelo contrário, o Apóstolo Paulo declarou que "todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos" (2 Tm 3.12). Ainda existe os nossos erros que nos levam para longe da alegria e para mais perto da dor - Senhor; sara a minha alma, porque pequei contra ti. - Sl 41.4.

Dias de desânimo e abatimento todos enfrentamos, o próprio Senhor Jesus viveu - "A minha alma está profundamente triste até a morte" (Mc 14.34). A separação da morte sempre vai nos atingir enquanto estivermos aqui e a angústia há de ferir a alma de todo homem.

Quando pesamos os nossos dias, observamos assustados que são poucos os momentos de alegria, harmonia, de conforto e realizações. E se o homem não estiver com os pés na rocha, sua vida será como aquela casa construída na areia - "E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu; e grande foi a sua queda" (Mt 7.27). Sabe o que pode fazer diferença na vida de uma pessoa? A presença de Deus. diz a Bíblia que Enoque andou com Deus e isso fez toda a diferença na sua vida. Quer ter um 2014 inesquecível? Então, Ande com Deus!

Nós não podemos mudar o tempo que passou, mas podemos organizar melhor os dias que virão. Portanto seja sábio e se aproxime de Deus e faça dEle sua companhia diária.

Um ótimo 2014, vivendo na presença de Deus!

Fandermiler Freitas

ANO NOVO

sábado, 28 de dezembro de 2013

AO APAGAR DAS LUZES

Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu, e tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração.Daniel 4.34

O espetáculo findou. O palco está em silêncio e o auditório vazio. O último sobrevivente está no final do corredor, olhando o cenário sem vida. A luz se apaga e a porta fecha-se no ranger triste. Lá fora, ainda é possível ouvir o som de palmas e  alegria.

O homem cansado volta para casa. No coração, a tranquilidade do dever cumprido. Ao cruzar a esquina, o pequeno sobrado surge. As luzes estavam apagadas e a casa silenciosa. Ao subir a escada, foi ao quarto do filho. A criança estava deitada no chão, segurava em uma das mãos uma folha de papel.

Pôs o filho na cama e viu o desenho de um pai brincando com seu filho num campo verde. Lembrou-se, então das promessas não cumpridas. O trabalho sempre ocupando todo o tempo. Mais uma vez a luz se apagou e a porta se fechou. Agora, ia para o quarto com o coração ferido. A alma levava a dor de não cuidar da família como devia.

Mais um ano caminha para o seu fim. O espetáculo no qual atuamos chega perto do seu fim. Nestes instantes finais, convém olhar para trás e relembrar onde falhamos, o que não fizemos. É preciso ter consciência de que os dias se passam e que cada um tem uma missão importante neste mundo. Que cabe a nós decidirmos o que realmente é importante. lembrando que algumas coisas precisam de prioriddes.

Fandermiler

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

REVOLTA


Toda revolta tem um cabeça que a transforma de um simples sentimento de indignação, raiva, em guerra. Foi assim no deserto quando Coré levantou revolta. Tentou o povo com argumentos lógicos que aparentemente apresentavam razão, mas Deus não discute com homens (“os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor”. - Isaias 55:8), Ele nos permite conhecer a Sua vontade através da Sua palavra para que possamos simplesmente obedecê-la. Entregando-nos de coração (“Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele e o mais ele fará”). Mas Coré queria mais, e se perdeu nos muitos sonhos (“Então olhei eu para toda obra que as minhas mãos haviam feito, como também para o trabalho que eu aplicara em fazê-las; e eis que tudo era vaidade e desejo vão e proveito nenhum havia debaixo do sol” – Eclesiastes 1:11)

A vida era calma e tranquila no céu, até que um dia Lúcifer considerou que Deus estava errado; e imagino, pregou a milhões de anjo uma série de argumentos que provavam que Deus era injusto, mal, que um novo deus precisa surgir para corrigir as injustiças. Iniciou assim a maior revolta de todos os tempos. Um terço das legiões celeste aderiu ao apelo de Lúcifer, e precipitaram numa guerra. Mas Deus os expulsou de sua presença e foram banidos para sempre do reino de Deus.

Absalão considerou-se digno do reino de Israel, e planejo com cautela uma grande revolta. Expulsou Davi de seu trono e por poucos dias apoderou-se da coroa. Mas Deus abomina revoltas, todos esses homens que iniciaram uma revolta foram mortos em situações humilhantes; Lúcifer foi lançado na Terra. Dizem alguns teólogos que a terra foi destruída em sua queda, fazendo-se necessário Deus realizar uma segunda criação.

Meu querido irmão, já parou para pensar quantas vezes participamos de revoltas contra Deus. Todos os dias você e eu nos rebelamos contra as ordens de Deus. O Diabo tem tornado muitos seus seguidores no futebol, na igreja, entre os amigos. Temos, muitas vezes, sem nem pensar defendido as ideias do Diabo porque nos consideramos prejudicados, porque achamos que algo foi injusto – isso é ridículo para um filho de Deus – o apóstolo Paulo diz “sofri o dano”, e nem por isso tornou-se um revoltado a fazer rebeliões.

PAGAR O MAL COM O BEM

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

NÃO LEVAR DEUS A SÉRIO

Um exemplo clássico de pessoas que não levaram Deus a sério foram os hebreus que haviam saído do Egito por ocasião do êxodo. O apóstolo Paulo mostrou aos coríntios que esse povo tinha tudo para vencer. Todos eles tinha tudo: orientação sobrenatural, uma nuvem de dia e uma coluna de fogo à noite; uma libertação sobrenatural: a passagem pelo mar vermelho; uma liderança sobrenatural: Moisés, um homem amigo de Deus; um cardápio sobrenatural até: maná do céu e água da rocha. 

Os hebreus estavam cercados de privilégios sem precedentes. Entretanto, e Paulo faz uso dessa palavra... entretanto, com o passar do tempo todas aquelas bênçãos e toda aquela conversa sobre Deus foi ficando azeda. Sucedeu que o povo não levou Deus à sério, Mas como isso foi acontecer? Aconteceu a medida em que eles permitiram que uma mente voltada para banalidades tomasse o lugar de uma vivência pela fé com Deus (1 Co 10.1-11)

CONHECER A PRÓPRIA ESCURIDÃO

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

VÉSPERA DE NATAL

Um certo empresário deixou para fazer as compras de Natal nos últimos instantes. Nas ruas, diante do vai e vem de uma multidão frenética ele se espantou com tudo aquilo, jamais esperava que fosse assim... Entre os esbarrões de toda aquela gente apressada ele prosseguiu em busca de uma loja onde pudesse encontrar uma ou um atendente simpático que lhe desse a devida atenção. De súbito, enquanto caminhava, pula um garoto à sua frente que lhe pediu e implorou que ele comprasse duas canetas para ajudá-lo. Nervoso, ele manda o menino sair da frente. Apressou então os passos e só diminuiu quando percebeu que havia ganho certa distância do moleque.

Foi até a uma loja de brinquedos e lá foi secamente mal atendido. A balconista, exausta e irritada, vende as suas descortesias e ele prontamente deu-lhe o troco.

Ao voltar para casa, guiou o carro como se estivesse à frente de um exército inimigo, queixando-se sistematicamente de tudo e de todos que atravancavam o seu caminho, até que, como por castigo, o tráfego tornou-se lento e o trânsito insuportavelmente engarrafado... “Haja paciência!” (resmungou ele consigo mesmo).

Quando chegou enfim, já muito mal humorado, seu filho caçula recebeu-lhe com a ansiedade dos que aguardam uma notícia. A sala estava iluminada, em clima de festa, um som ambiente agradabilíssimo e ainda toda aquela aura de júbilo e êxtase transformou imediatamente o seu ser, sentindo agora uma paz indescritível caiu em si, e recordou de sua vergonhosa performance naquela maratona de véspera de Natal...

Estava diante de um quadro totalmente diferente do que vira lá fora, e agora ali, observando a alegria do seu filho diante dos muitos embrulhos coloridos, reviu arrependido a expressão tristonha daquela criança lá da rua do comércio, que tentou lhe vender duas canetas, e foi enxotada... Quão insensato foi seu coração! Quão egoísta ele se portara diante de um pobre ser que não teve na vida um pouquinho sequer da sua sorte! Recordou da moça vendedora, o quão foi arrogante com ela (quantos mais além dele já não tinham sido naquele tumultuado dia?) pobre moça! tinha toda a razão de estar angustiada! Lembrou também das pessoas nas ruas, pelas quais se ele pudesse, teria passado por cima delas... Monstro! (isso é o que sou), pensou!

Foi para a cozinha, onde estava a esposa, a filha e sua mãe (que veio para passari o Natal com eles), beijou-as, e entregou-lhes os presentes... Sua mãe, na sabedoria dos seus muitos anos vividos, observou algo de diferente nele e abraçando-o, disse:

– Meu filho, até então você não havia entendido o sentido do Natal. Este clima de comercialização criado pela ganância do homem é lamentável e transformou o ato de presentear numa obrigação. É óbvio que é bom presentear, nos dá alegria! também é muito bom receber presentes (isso demonstra sempre um gesto de carinho, uma manifestação de bem-querer). Mas, o ideal seria que não houvesse tempo certo para isso, pois as datas fixas tiram muito a espontaneidade do gesto e a magia da dádiva. Porém, é sempre bom lembrar que quando nos reunimos no Natal é para celebrarmos o nascimento de Jesus, e que Este, só renascerá de fato em nosso coração quando nos dispusermos a vivenciar integralmente a Sua mensagem. Portanto, vivencie o Natal amando ao próximo, fazendo aos outros o que gostaria que os outros lhe fizessem, porque tudo que fizermos ao menor de nossos irmãos, é ao "aniversariante" que estaremos fazendo. Este é o verdadeiro sentido do Natal.

Naquela mesma noite, aquele homem encheu seu carro de guloseimas e saiu a distribuí-las para os mendigos que estavam nas calçadas do seu bairro, e toda a sua família foi com ele...

Muitos de nós nos comportamos como o homem dessa história. Por isso, na comemoração do nascimento de Jesus, precisamos também cairmos em nós... Que haja muita alegria, afinal, a lembrança do Cristo já é por si um estímulo espiritual e um júbilo interior muito grande... Que haja reflexões mais profundas quanto as pessoas carentes, mas principalmente é preciso que haja ação em favor delas... Que se promovam festas na família, nas instituições ou nos ambientes de nossa convivência, mas que a alegria tenha um sentido mais elevado, e que não deixemos nos desvirtuar pelos desperdícios e pelos abusos que comprometem o corpo e o espírito. Procuremos “Cristianizar” o Natal, ou seja, que as pessoas não se preocupem somente com a festa, com a comida, com os presentes, porque a festa não é só para os convidados, é especialmente de JESUS. Portanto, quem deveria receber os presentes é ELE, o aniversariante.

Então, façamos a nos mesmos esta pergunta: “Que presente daremos à Jesus?”

Se ficarmos em dúvida, procuremos no Evangelho um pedido Dele para cada um de nós.

Cícero Volney

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

HÁ LUGAR?

e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.

Lucas 2:7

Natal é tempo de relembrar que Jesus fez-se homem e nasceu numa estrebaria entre os animais, que foi deitado numa manjedoura, porque a cidade estava ocupada demais consigo mesma. Não havia lugar, não havia espaço, não havia amor, não havia compaixão. Todos dormiam.

Neste natal, Ele ainda está a procura de um lugar, Não em Belém, em Tarauacá, Feijó, Rio Branco, Brasil, aí onde você estiver. Feche os olhos e ouças o bater do casco de um jumento - é José que chega com Maria. Jesus está preste a nascer. Você tem lugar?

Lembremos que ele não se importa como sua vida está. Se suja, cheia de animais e esterco. Isto não tem problema, ele precisa de um lugar para nascer. Que cada um de nós ofereça o seu melhor a Jesus nestes dias mágicos e compreenda que hoje ele não precisa de um quarto, uma caminha fofa ou roupas limpas. Não, ele quer nascer em seu coração para fazer anjos cantarem no céu a linda canção do natal.

Feliz Natal!

Fandermiler Freitas

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

NÃO HÁ LUGAR

e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.

Lucas 2:7

Quando uma criança vem ao mundo, geralmente, há preparativos. Os pais compram roupinhas, preparam um quartinho com carinho e amor. O berço, os primeiros brinquedos, a mamadeira e muito mais para proteger e dar conforto aquele que há de nascer.

No entanto, com Jesus, apesar de nascer em uma família que o amava e o aguardava ansioso, diz a Bíblia que não havia lugar para ele e por isso teve que nascer na estrebaria - lugar de dormida dos animais quando o tempo esfriava ou quando alguém pernoitava na hospedaria.

A narrativa é dramática ao afirmar que depois que Jesus nasceu, Maria o deitou numa manjedoura - local destinado a alimentar os animais - eu fico pensando como seria difícil pôr meu pequeno bebê num lugar assim, mas foi ali que o Filho de Deus dormiu seu primeiro sono.

Naquela mesma noite, os anjos apareceram aos pastores e cantavam: "Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem." Jesus nasceu, o Messias prometido havia chegado, o reino de Deus na terra estava preste a surgir. Penso que os pastores esperavam encontrá-lo na mais rica casa da cidade, ou quem sabe em um palácio, mas "acharam Maria e José e a criança deitada na manjedoura."

Fandermiler Freitas

domingo, 22 de dezembro de 2013

JESUS NASCEU -- FELIZ NATAL!

"Porque um menino nos nasceu... (Isaías 9:6).

"A Palavra não se tornou uma filosofia, uma teoria ou um conceito para ser discutido, debatido ou refletido. A Palavra se tornou uma Pessoa para ser seguida, apreciada e amada!"

Está se aproximando o Dia de Natal. Uma data comemorada por todo o mundo cristão. Uma data onde as famílias se reúnem, onde presentes são trocados, onde muitos enfeitam suas mesas e iluminam casas e árvores. Uma data em que muitos esquecem as desavenças, as diferenças de opiniões, as brigas passageiras. Uma data onde o amor une e envolve pessoas por mais diferentes que sejam.

O que mais importa para nós nesse momento em que todos comemoram o Natal? Seria a data em si? Não! O que nos importa é que Jesus nasceu! O dia exato não nos interessa, e sim que Jesus nasceu! Nasceu para mim, para você, para todos que almejam deixar de lado os rancores do mundo, as incertezas momentâneas, os fracassos experimentados no passado, as mesas sem panetone ou iguarias típicas, as janelas sem sapatinhos e luzes coloridas. Nasceu para que encontrássemos muito mais do que tudo isso, para que olhássemos para a mesa e a achássemos adornada de bênçãos,

para a janela e avistássemos as vitórias prometidas, para que deixássemos de murmurar e começássemos a cantar melodias de louvor e felicidade.

Jesus nasceu para que pensássemos menos em nós mesmos e mais nEle, no propósito de Sua vinda, nos perdidos que ele tanto ama. Jesus nasceu para que fôssemos felizes, não pelo que temos e sim pelo que somos filhos de Deus! Ele nasceu para que aprendêssemos a comemorar o Natal, não em um dia único de dezembro, mas em todos os dias do ano e de todos os anos de nossas vidas.

Jesus nasceu! Isto é Natal! Este é o nosso Natal! Glória a Deus nas alturas!

Feliz Natal para todos.

Paulo Roberto Barbosa

sábado, 21 de dezembro de 2013

A MENINA DOS FÓSFORO

Há muito, muito tempo, numa grande cidade, vivia uma linda menina muito pobre, que ganhava a vida a vender caixas de fósforos. Ela sabia que, se chegasse a casa sem ter conseguido vender os fósforos, seria castigada com severidade pelo pai. Para ele, o Natal não tinha encanto, só lhe interessava o dinheiro que a filha lhe tinha de entregar todos os dias.
Numa noite, véspera de Natal, a pequena vendedora vagueava pelas ruas, com a neve a cair em abundância, afundando nela os seus pezinhos. Nas mãos geladas, levava as caixinhas de fósforos.
Dentro das casas aquecidas, as famílias cantavam junto das lareiras e das árvores de Natal, repletas de presentes. O cheiro dos assados quentinhos espalhava-se pelas ruas, desertas e gélidas. Ninguém queria comprar os seus fósforos.
Muito cansada, sentou-se num canto e lembrou-se das bonitas fábulas que a sua doce mãezinha lhe contava, enquanto a embalava nos seus braços quentes.  Mas isso fora antes de a tuberculose a ter levado. A menina imaginou-se ao encontro dos braços abertos da mãe, mas esta parecia estar sempre longe, impossível de alcançar.
O frio aumentava. Com lágrimas nos olhos, ela olhou para as caixinhas de fósforos: se acendesse apenas um para aquecer as mãos, talvez o pai não notasse. Pegou num fósforo e acendeu-o. Uma chamazinha quente e luminosa logo brilhou. Para ela, parecia o calor de um grande fogão ali perto. Pegou noutro fósforo e acendeu-o também. Diante dela surgiu uma mesa posta com porcelanas e um delicioso assado, recheado com ameixas e maçãs, exalando um cheiro delicioso. Quando estendeu a mão... a chama desapareceu.
Só a neve caía diante dela. Acendeu um terceiro fósforo. Agora parecia estar sentada junto a uma enorme árvore de Natal, onde milhares de bolas coloridas e estrelinhas cintilavam. De repente, a chama tremeu, o fósforo apagou-se... e tudo desapareceu. A menina acendeu mais um fósforo e lembrou-se da sua avó, que sempre a tratara com ternura. Mas o fósforo apagou-se e a imagem desfez-se.
O frio aumentava. A menina já não sentia os pés e as mãos estavam enregeladas. Então, com muita dificuldade, acendeu todos os fósforos que ainda restavam e, como que por magia, à sua volta tudo pareceu brilhar. Sentiu que estava a separar-se daquele corpo gélido que era o seu e a aproximar-se de uma luz salvadora.
Foi por isso que não viu dois braços enérgicos, mas carinhosos, correrem na sua direção.
Quando acordou, estava numa cama bem quentinha. Todos olhavam para ela com muito amor.
Agora tinha uma nova família que a adotara.
Naquele lar, o amor tinha acendido uma nova chama, que nunca mais se iria apagar

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

VENCENDO O INIMIGO

Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.

Gênesis 4.7

Em toda luta que enfrentamos durante nossa vida há sempre alguém ou alguma coisa a ser vencida, ou no mínimo, a ser superada.

Quando dois times se encontram numa disputa de campeonato, só um será o vencedor, não existe meio termo, não se pode deixar nada para fazer no dia seguinte, o vencedor deverá dá o máximo de si e conquistar a vitória naquele dia.


Em nossa vida cristã, não é diferente. Temos muitos inimigos, adversários, obstáculos a serem superados. E cada um deles deve ser vencido todos os dias.


Aqui está Caim, ouvindo Deus lhe aconselhar: você tem que fazer o bem! O mal está junto a você, não o ouça!


Semelhante a este homem, quantas vezes Deus nos tem advertido com a sua Palavra: não toque nisso, não fale assim, não se comporte desse modo, haja com amor. Quando eu falo Deus, estou me referindo a seres usados por Ele: seu pai, mãe, pastor, amigos, hinos, a Bíblia em suas leituras e outras formas que você consegue ouvir o Criador falando.


Por esta razão, devemos está atentos a voz de Deus e como servos sermos obedientes: “Hoje, se vocês ouvirem a sua voz, não endureça o coração...”(Hb 3.7).


Deus nunca quer o mal para os seus filhos, mas é tão difícil entender e aceitar esta verdade. Muitas vezes, consideramos que seremos prejudicados se ouvirmos a Sua voz. Outros, chegam a discutir e não aceitando a Palavra se vão, lembre-se do discurso de Jesus, quando muitos discípulos o abandonaram.


Como você tem reagido a Palavra de Deus, com obediência ou com argumentos vazios que só mostram sua rebeldia?


FANDERMILER DA CUNHA FREITAS

SER INIMIGO

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLÉICO

Eu Te louvo porque deves ser temido. Tudo o que fazes é maravilhoso, e eu sei disso muito bem.

 Salmo 139:14.

Não se preocupe se você não conseguir pronunciar o título acima. A maioria das pessoas nunca aprende a dizer corretamente essa palavra comprida, que se pronuncia assim: dê-zô-csi-ri-bo-nu-cléi-co. Por isso os cientistas deram a este termo um código simples - ADN (em português, DNA). Mas o que é DNA? Bem, é exatamente a coisa mais importante no mundo inteiro. É o que fez você do jeito que você é, e é o que me fez como sou.

Quando você inicialmente foi concebido no ventre de sua mãe, herdou traços de ancestrais através de seus pais: a cor dos olhos, o formato do nariz, o comprimento dos dedos, e outros. Esses traços estão todos contidos em mensagens codificadas encontradas nos genes. São chamados genes, que é uma palavra oriunda da mesma raiz que a palavra "gênese", que significa criação. Foram os genes de seu pai e de sua mãe que formaram você. Talvez a coisa mais maravilhosa sobre a Criação seja que Jesus deu aos nossos primeiros pais a capacidade de criar, gerando filhos. E o segredo está no DNA.

Ninguém ainda sabe como, mas sabemos que todos os traços que você herda, todos os traços que seu gato ou cachorro herdam, todos os traços que as plantas herdam, todos os traços que todas as criaturas vivas herdam, são carregados em mensagens codificadas no DNA que é do que são formados os genes. Agora se você acha isso assombroso, como de fato é, então espere até ouvir sobre o tamanho dessas mensagens em códigos. Se você tomasse hoje todas as pessoas do mundo inteiro - mais de cinco bilhões! - e se fosse tomar todos os DNA que são necessários para produzir todo esse ovo, você teria DNA suficiente para fazer um comprimido do tamanho de uma aspirina. Você pode imaginar isso? Não é maravilhoso?

MEDO E CORVADIA


quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

GUARDA TUA LÍNGUA

"Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem dolosamente" 

Salmos 34:13

Rãs são animais pequenos com longas línguas pegajosas que elas usam para capturar sua presa. Suas línguas operam tão rápido que dificilmente podem ser vistas. Em um movimento rápido, elas as estendem e agarram suas distraídas vítimas que lhes servem de alimento.

Da mesma maneira que a língua é a maior arma da rã para pegar sua presa, muitas pessoas usam suas línguas como arma, causando grande dano e fazendo muitas vítimas. Algumas palavras indelicadas, um comentário irônico ou uma dúvida sutil pode provocar um grande estrago na vida de outra pessoa e encerrar uma amizade até então bem firmada.

A língua, diz-nos a Palavra, está cheia de peçonha mortal. Ela pode devorar sua vítima rapidamente. Seu veneno é resultado da maldade que permitimos instalar-se em nossos corações. É dele, disse Jesus, a fonte de tudo que fala a nossa boca.Se o nosso coração está cheio de bondade e amor, nossa boca transmitirá palavras de vida e bênção. Se o que ali houver estiver contaminado com as maldades e enganos deste mundo, então nossa língua emitirá palavras de intriga e destruição.

Que possamos guardar-nos de todo o mal, convidando Jesus para entrar em nossos corações. Ao tomarmos essa decisão, Ele arrancará todas as sementes malignas que ali encontrar, substituindo-as por sementes de fé e esperança, de bondade e misericórdia.

Como filhos de Deus, devemos usar nossas bocas apenas para abençoar.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

MAIS PRÓXIMO

Os discípulos pensavam que aquele mar enfurecido os separava de Jesus. E mais! Alguns deles pensaram algo ainda pior: pensaram que aquela dificuldade era sinal de que Jesus os tinha esquecido. É aí que está o ferrão das tribulações: “Deus Se esqueceu de você!” Quando o seu coração incrédulo exclama como Gideão: ”Se o Senhor é conosco, porque tudo isto nos sobreveio?”

As dificuldades, os problemas, as adversidades vêm sobre nós para nos aproximar mais do Senhor, não para nos distanciar de Jesus, mas para nos levar a depender Dele mais fielmente, mais confiadamente.

Quando parece que o Senhor nos abandonou, então é que devemos abandonar-nos mais ainda em Suas mãos. Gozemos a luz e o consolo que Ele tem prazer em nos dar; mas não fiquemos ligados apenas aos Seus dons, e sim a Ele mesmo.

“Porque tu estás comigo.” (Sl 23.4.)
F. B. Meyer, em “JOSUÉ NA TERRA DA PROMESSA”

O SOL


sábado, 14 de dezembro de 2013

PERSEVERANÇA

Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçamo-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança, a carreira que nos está proposta.

Mateus 10:16

Quão triste de ser para um atleta desistir de uma maratona a poucos metros da linha de chegada.

Todos nós já desistimos de alguma coisa; porém, depois de algum tempo, lembramos que se tivéssemos resis-tido mais um pouco, teríamos conseguido finalizar.

Perseverança é a palavra que define a atitude de permanecer firme. A palavra era usada no mundo grego para definir a capacidade que uma planta possui de sobreviver em circunstâncias desfavoráveis.

Os hebreus estavam querendo abandonar a confiança em Cristo (Não lanceis fora a vossa confiança, que tem uma grande recompensa Hb 10:35), por isso o autor desta carta os exorta a perseverar (porque necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa HB 10:36). Ele dá duas razões porque os hebreus deveriam perseverar: a primeira razão era o estímulo dos santos (“tão grande nuvem de testemunhas”) , e a segunda, o exemplo de Cristo que suportou a cruz.

Quando olhamos para a situação de Jesus na cruz, não vemos, humanamente, uma situação favorável. Pregos foram cravados em suas mãos e pés, a multidão blasfemava contra ele, feriram-no com uma lança em seu lado, e até desafiaram-no a descer da cruz. Se ele não tivesse resistido, suportado, perseverado, teria descido da cruz.

O exemplo de Jesus Cristo deve está bem vivo em nossa mente, para não descermos da cruz. Sempre podemos suportar um pouco mais. Lembre-se disso para chegar ao final.

Pr. Roberto

O AMOR É CEGO


PERGUNTAS E RESPOSTAS

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

DEPENDE DE NÓS

Há alguns anos atrás havia um programa de TV,  onde o telespectador via telefone, decidia o final da história.  

Era uma história onde havia dois finais preparados. O povo que estava assistindo aquele programa, podia decidir qual seria o final, diante da apresentação dos dois términos que já estavam previstos.

Nossa vida é parecida. Depende de você um fim bom ou ruim. Depende de você ter um final feliz na sua própria história de vida. Se quer que Deus mude sua vida, apesar dos incontáveis problemas que possui, Ele poderá mudar o rumo de sua vida. Bem, se não quiser, Ele não invadirá tua privacidade, e tudo continuará como está ou pode até ficar pior.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

AMAR É OBEDECER

Existe um momento entre pretender orar e realmente orar que é um dos momentos mais sombrios e silenciosos da nossa vida. É a fração de segundo entre pensar na oração e orar. Para alguns de nós, essa fração de segundo pode durar décadas. Parece, portanto, que o maior obstáculo à oração é a simples questão de começar, o simples ato de vontade, o iniciar, o praticar, o fazer.

Shakespeare foi muito honesto na peça Os dois cavaleiros de Verona: “Aquele que não demonstra seu amor, não ama”. O amor verdadeiro precisa declarar-se vivendo na prática suas declarações.

Quando meu filho era criança, eu lhe dizia: “Filho, ponha o lixo pra fora!”. E ele obedecia! É assim que demonstramos nosso amor e respeito- sendo obedientes. Mas imaginemos que, ao receber a minha ordem, ele respondesse:

- Ah, papai, você é tão bonito; só quero ficar aqui sentado contemplando sua sabedoria e poder.

- Mas, filho – posso insistir -reconhecer meus atributos tem pouca validade real se você não quiser me obedecer. Ponha o lixo para fora!

- Mas pai, o lixo? Não, prefiro considerar sua nobreza. Você é o solo de onde eu brotei. Quando penso em você como aquele que me gerou, considero minha maturidade e desejo louvá-lo cada vez mais.

- Filho, ponha o lixo para fora.

Essa ilustração foi longe o suficiente para falar do perigo de levantar as mãos em adoração quando devemos fazer o que o Pai nos pede. Devemos primeiro obedecer e depois louvar.

E o que Deus nos pede? Para confiar Nele: “Não temais” é a exortação mais frequente na Bíblia. Não tema durante os momentos sombrios. Não tema diante de obstáculos assombrosos…Não tema!

“Orai sem cessar”. 1Ts 5:17. O que é oração? Comungar-se com Deus… pedir… suplicar…. interceder…. Mas, oração não é monólogo, é diálogo com o Todo-Poderoso, portanto orar é também ouvi-Lo e saber esperar Sua resposta e Seu agir.

Comece a orar, na oração Deus nos revela Sua vontade. Se estamos pedindo de acordo com Seus planos supremos, Ele realizará nosso pedido; se não, Ele nos fará ‘desistir” do que pedíamos. Quando estamos orando de acordo com Seus propósitos, nos tornamos Sua voz, milagres acontecem.

Então, comece a orar, ponha-se no caminho da verdadeira adoração, mostre-Lhe seu amor – obedeça ao Pai.

Calvin Miller, em “NAS PROFUNDEZAS DE DEUS

ENCHER DO AMOR

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

HISTÓRIA DE FÉ

Em 1930 Watchman Nee converteu-se ao Cristianismo com 18 anos em Fu Tchow, na China, seu país de origem.

Inicialmente ele começou a frequentar a Igreja Metodista, mas descontente com as denominações existentes, criou um Ministério seguindo as Sagradas Escrituras e não os costumes que elas tinham. Sua igreja em Xangai chegou a ter 3000 membros.

Em 1949 foi proclamada República Popular da China e com ela veio às perseguições a Igreja e a expulsão de vários missionários “imperialistas” do país.

Os membros da igreja de Nee não aceitavam a Igreja Cristã Nacional que era controlada pelo governo comunista. Por essa razão muitos fiéis foram presos e mortos. Nesta época ele criou várias igrejas subterrâneas, uma tentativa de escapar do governo.

Nee foi acusado de comandar um sistema antirrevolucionário e por isso foi preso por quatro anos. Passado esse tempo, ele mais alguns membros da igreja foram presos novamente, mas desta vez obrigados a cumprirem uma pena de 15 anos de detenção.

Em 1967 durante a Revolução Cultural os comunistas tentaram fazer um acordo com Nee, ele nunca mais pregaria o Evangelho em troca de sua liberdade. Ele não aceitou e foi transferido para outra prisão.

Escrevendo cartas e livros às escondidas, Nee comandava a Igreja de dentro da prisão até que cortaram suas mãos. Mas isso não o abalou, pois aprendeu sozinho a escrever com os pés e com eles, continuava a escrever para seus membros.

Morreu em 1972 quando estava preso, mas antes da sua morte escreveu um texto, na qual a frase abaixo faz parte:

“Cristo é o Filho de Deus que morreu pela redenção dos pecadores e ressuscitou depois de três dias. Esta é a maior verdade do universo. Eu morro por causa da minha crença em Cristo.”

Nota: Hoje a Igreja fundada por Nee já tem 2.300 filiais. Os livros escritos por ele até hoje são vendidos no mundo inteiro.

Fontes: Wikipédia e O Discípulo.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

PALAVRAS FAZEM ESCRAVOS

Um homem sentado ao lado do caixão daquela que fora sua companheira por muitos anos, olhava o corpo inerte com o coração amargurado e triste. 

Mergulhado em pensamentos profundos, começou a perceber que em sua mente se desenhavam formas belas e brilhantes, leves e agradáveis que lhe traziam alento ao coração. 

Diante de tanta beleza ousou perguntar quem eram aquelas formas. Elas lhe responderam que eram as palavras que ele poderia ter dito à esposa. 

– Ah, fiquem comigo! - implorou o homem. Apesar de cortarem meu coração como um punhal, fiquem comigo, pois agora ela está fria e eu estou me sentindo tão sozinho. 

Mas elas responderam com firmeza: "Não, não podemos ficar porque não temos existência. Somos apenas luz que nunca brilhou. E, dizendo isto, desapareceram de sua tela mental."

O homem continuou triste e pensativo. De repente, outras formas se lhe desenharam na consciência. Eram formas terríveis, amargas e sem vida. 

— Quem são vocês, formas horrendas? Perguntou ele espantado. 

— Nós somos as palavras que ela ouviu da sua boca a vida inteira. 

O homem gritou estremecido: "Saiam daqui, me deixem só! "

Mas elas permaneceram ali, em silêncio, desenhando-se constantemente em sua memória.

***

Quantos de nós, desatentos, deixamos passar muitas oportunidades de acender luzes em nossa consciência, no convívio diário com aqueles a quem dizemos amar. 

As palavras gentis e belas, as frases bem elaboradas fazem parte do nosso vocabulário, sim, mas não para os de casa. Raramente nos dirigimos ao esposo ou esposa, filhos ou demais familiares, com o mesmo respeito com que nos dirigimos aos amigos, clientes ou colegas de trabalho. 

Mas os anos passam... E um dia, também nós estaremos diante do caixão de um ser querido que se despede da existência física. 

Também em nossa memória desfilarão as palavras mais proferidas no convívio diário... Também em nossa mente se desenharão os gestos mais comuns do cotidiano... E o nosso coração sentirá alegria ou tristeza de conformidade com as nossas ações mais constantes. 

Assim, comecemos hoje mesmo a tratar nossos entes caros de forma gentil e carinhosa para que nossas palavras não nos tragam amargura e remorso amanhã. 

Fonte: O livro das virtudes, v. II, de William J. Bennett, ed.Nova Fronteira

sábado, 7 de dezembro de 2013

NECESSIDADE DE RECLAMAR ... OU DE AGRADECER?

"Refreia a língua do mal e os lábios de falarem dolosamente" 

Salmos 34:13.

"Eu penso, particularmente, que desenvolvemos o idioma pela profunda necessidade que temos de reclamar." (Jane Wagner - Escritora)

Não é diferente com os cristãos. Dizemos que cremos no Senhor, que nos alegramos em estar em Sua presença, que estamos prontos a fazer a Sua vontade, que aceitamos o que Ele tem para nós e assim por diante. Mas...no primeiro "não" de Deus, começamos a nos queixar, a murmurar, a dizer que Ele não se importa conosco e que nos abandonou.

Por que reagimos assim? Por que não somos pacientes e esperamos o tempo de Deus? Por que não aceitamos a Sua forma de responder aos nossos anseios? Por que reclamamos tanto?

Quando o nosso Pai diz "não", está correto. Ele sabe o que podemos ter, sabe como nos dar aquilo de que necessitamos, sabe a hora certa para nos conceder as Suas maravilhosas bênçãos. E a nós cabe o estar feliz e o dizer "obrigado".

Ele também diz "sim" muitas vezes. Ficamos muito felizes com isso, não somente porque nos respondeu favoravelmente, mas, porque nos deu sabedoria para pedir aquilo que deveríamos, realmente, pedir. Quando caminhamos sob a direção do Espírito do Senhor, Ele nos guia ao caminho certo, nos mostra o que podemos ter de melhor e nos faz compreender que Ele está nos conduzindo por sendas de felicidade.

Devemos desenvolver o nosso falar, não para murmurar por coisas insignificantes, mas para proclamar o Evangelho, para falar com o Pai em oração, para pedir ao Senhor a Sua direção em tudo, para agradecer a bênção de ter Jesus no coração.

Devemos parar de reclamar por qualquer coisa e começar a agradecer por tudo.

Paulo Barbosa

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

INFLUÊNCIAS

Em certa igreja na França, um missionário falou a respeito da sua obra e apelou à congregação para um auxílio financeiro. Não houve manifestação de interesse, exceto da parte de uma menina aleijada, que usava muletas. Como não tinha dinheiro, colocou nas salvas o seu único tesouro, suas muletas.

Quando o ecônomo apresentou aquela oferta, todos no recinto ficaram como­vidos e envergonhados. Alguém sugeriu que fosse tomada nova coleta. Agora, muitos deram com abundância, porque viram o sacrifício que a menina pobre estava disposta a fazer. Em seguida, uma senhora rica resgatou as muletas com uma boa oferta, e as restituiu à menina aleijada.

Nós exercemos influência sobre o nosso próximo, que pode ser para o bem ou para o mal. Deus nos deu talentos e poderes espirituais. Ele espera que como seus discípulos, sejamos exemplos vivos. Deste modo, outros são inspirados a segui-lo, vendo nosso amor, nossa alegria, nossa fé, nossa paz e paciência. Ruth Luchsinger (Suíça).

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

AS LIÇÕES DO CARVALHO

Você conhece uma árvore chamada de CARVALHO. Pois é, essa arvore é usada pelos botânicos e geólogos como um medidor de catástrofes naturais do ambiente.

Quando querem saber o índice de temporais e tempestades ocorrentes numa determinada floresta eles observam logo o carvalho (existindo no local, é claro) que naturalmente é a árvore que mais absorve as conseqüências de tempestades e temporais.

Quanto mais temporais e tempestades o carvalho enfrenta, mais forte ele fica! Suas raízes naturalmente se aprofundam mais na terra e seu caule se torna mais robusto, sendo impossível uma tempestade arrancá-lo do solo ou derrubá-lo! Mas não pense que os cientistas precisam fazer estas análises todas para saber isso! Basta apenas eles olharem para o carvalho. Devido a absorver as conseqüências das tempestades, a robusta árvore assume uma aparência disforme, como se realmente tivesse feito muita força, muitas vezes uma aparência triste!!!!!!!

Cada tempestade para um carvalho é mais um desafio a ser vencido e não uma ameaça! Numa grande tempestade muitas árvores são arrancadas mas o carvalho permanece firme!!! Assim somos nós. Devemos tirar proveito das situações contrárias à nossa vida e ficarmos mais fortes! Um pouco marcado, Muitas vezes com a aparência abatida, mas fortes!!!! Com raízes bem firmes e profundas na terra!

LÁGRIMAS


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

SALVO PELA ESPERANÇA

"Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus." 

Tito 2: 13

Stein Gabrielson, 23 anos de idade, permaneceu no deck do cargueiro norueguês Norse Variant e ficou vendo a costa da Virgínia ir-se afastando. Era uma tarde de quarta-feira, 21 de março de 1973.

Se tivesse sorte alcançaria Glásgua com sua carga de carvão em poucos dias. Mas o carvão jamais chegou a Glásgua. Na manhã seguinte um furacão fez soçobrar o navio, partindo-o em pedaços.

“Os botes salva-vidas! " o capitão Hansen gritou, "soltem-nos e saltem para fora na água!" Enquanto o capitão dava a ordem, uma onda gigantesca se abateu contra o navio e este afundou.

A sucção do navio que afundava levou Stein para as profundezas.
Mas com o diminuir o efeito da sucção ele conseguiu chegar à superfície, sendo jogado de um lado para outro como um pedaço de cortiça.

Miraculosamente um bote salva-vidas passou por perto e Stein subiu nele. Ventos com velocidade igual a cento e sessenta quilômetros por hora e ondas de incomensurável altura tornavam praticamente impossível a existência de sobreviventes. Stein esperava que a Guarda Costeira o encontrasse daí a poucas horas.

Pela parte da manhã de sábado Stein estava exausto. Estivera sem dormir durante dois dias completos. Ele desejara dormir, mas a esperança de salvamento manteve-o acordado até a manhã seguinte, quando finalmente chegou o auxílio. Ele havia estado sem alimento, sem água, e sem dormir por umas 70 horas. Havia lutado contra os ventos, as ondas, as baixas temperaturas, e a neve que caía. Nenhuma pessoa teria sobrevivido, mas Stein conseguiu-o. Ele foi salvo pela esperança.

No tempo de angústia que está para sobrevir a este mundo antes da volta de Jesus, ocorrerão experiências similares a de Stein. A sobrevivência parecerá impossível. Poderosas ondas de dúvidas assaltarão a cada um. "Estão todos os meus pecados confessados e perdoados?" você se perguntará. Nessa hora você será salvo do desencorajamento pela fé nas promessas de Deus e na esperança de Sua vinda.

Uma tempestade de forças como de furacões está prestes a se abater sobre este mundo. Você está preparado? Deus dá a você hoje a oportunidade de se preparar. As promessas que você aprende agora servirão como salva-vidas naquela hora e lhe darão esperança.

Sare En Kom Tilbake, Reader's Digest, maio de 1976, págs. 106-112.

EVITAR CRÍTICAS


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

UMA GROSSA BAGUNÇA

"Digo ao SENHOR: Tu és o meu Senhor; outro bem não possuo, senão a ti somente" 

Salmos 16:2

Um pequeno menino, certa noite, orou: "Querido Deus, espero que Você cuide bem de Você mesmo. Se acontecer alguma coisa com Você, todos nós estaremos metidos em uma grande e grossa bagunça!"

Apesar da ingenuidade do menino, ele falou uma coisa muito certa. Todos nós dependemos de Deus para tudo e, sem Ele ou sem Sua direção, nada podemos fazer, nenhuma decisão conseguiremos tomar e a lugar nenhum poderemos ir.

Sem Deus em nossas vidas não existe o verdadeiro amor. Sem a Sua graça e unção, não temos esperança ou fé. Sem a Sua proteção, não desfrutamos a verdadeira e tranquila paz.

Sem Deus não teríamos a bênção de um Salvador, as consolações do Espírito Santo, a certeza de que um lar está preparado no Céu para vivermos eternamente. Sem ele em nossos corações, sentimo-nos vazios e fracos, caminhamos desorientados e sem objetivos.

Existem muitas pessoas que vivem com a vida bagunçada, com a fé deteriorada, com as esperanças desfalecidas, com a felicidade arruinada. O que lhes falta? Uma vida consolidada no altar do Senhor, uma entrega total, uma confiança inabalável, virar as costas para as coisas fúteis do mundo a fim de poder olhar somente para Jesus.

Se queremos acabar com a bagunça e ter uma casa espiritual limpa e arrumada, precisamos abrir o coração para Cristo, deixá-Lo dirigir cada um de nossos dias, alegrar-nos ao fazer a Sua vontade.

Como disse aquele pequeno menino em oração, sem o Senhor você só terá bagunça em sua vida espiritual.

Paulo Roberto Barbosa

domingo, 24 de novembro de 2013

O MAIS ESCURO DOS DIAS

"Mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades;... e pelas Suas pisaduras fomos sarados."

Isaías 53:5.

Para muitos que estava observando, este foi o dia mais inesquecível da vida. Para a figura central do drama foi um dia de agonia e horror. Para os amigos do Homem foi um dia de tristeza e desespero. Para os soldados romanos foi um longo dia que teve início nas primeiras horas da manhã dessa sexta-feira, quando foram ao Jardim de Getsêmani para prender o Homem.

Agora o mais escuro dia da história humana estava quase findo. O Homem estava suspenso na cruz entre dois ladrões. Sua mãe permanecia próximo chorando. Os soldados lançavam sortes sobre Suas vestes. A multidão se colocou sobre as rochas do Gólgota para vê-Lo morrer.

A carne do Homem estava lanhada pelos golpes que Ele havia recebido. Sangue corria da cabeça ferida. A dor fazia vergar-Lhe o corpo. Ele linha sede. Seus ressequidos lábios proferiram as palavras:

"Deus Meu, Deus Meu, por que Me desamparaste?" "Ele salvou aos outros, e a Si mesmo não Se pode salvar. Desça agora da cruz, se é o Cristo, o Rei de Israel, para que vejamos e creiamos", a multidão zombava.

Cristo poderia ter descido da cruz. Ele não precisava morrer de morte tão cruel e padecer tamanha afronta. Não precisava suportar a tortura e a vergonha.

Mas ali ficou Ele, por você e por mim. Foi punido para que você pudesse ser livre. Sofreu, para que você fosse salvo. Ele morreu, para que você pudesse viver.

Não podemos ter certeza absoluta de que o dia 7 de abril do ano 30 A O seja a data correta da morte de Cristo. Alguns bons estudiosos acham que sim. Outros, igualmente bons estudantes, pensam que foi dia 27 de abril do ano 31 A.D. Mas tenha acontecido no dia de hoje ou em qualquer outra data, não importa realmente. O importante é que aconteceu. Jesus morreu - e Ele o fez por você e por mim. Por quê?

Porque nos ama; ama a você e ama a mim.

Como é possível que exista semelhante amor, jamais o compreenderemos plenamente. Apenas podemos exclamar com emoção: "Maravilhoso amor!"

SDABAC, vol 5, págs. 251-254.

TE MACHUCAR



sexta-feira, 22 de novembro de 2013

QUANTO VALE UM MILAGRE?

Uma garotinha esperta, de apenas 6 anos de idade, ouviu seus pais conversando sobre seu irmãozinho mais novo. Tudo que ela sabia era que o menino estava muito doente e que estavam completamente sem dinheiro.

Iriam se mudar para um apartamento num subúrbio, no próximo mês, porque seu pai não tinha recursos para pagar as contas do médico e o aluguel do apartamento.

Somente uma intervenção cirúrgica muito cara poderia salvar o garoto, e não havia ninguém que pudesse emprestar-lhes dinheiro.

A menina ouviu seu pai dizer a sua mãe chorosa, com um sussurro desesperado: "Somente um milagre poderá salvá-lo. " Ela foi ao seu quarto e puxou o vidro de gelatina de seu esconderijo, no armário. Despejou todo o dinheiro que tinha no chão e contou-o cuidadosamente, três vezes.

O total tinha que estar exato. Não havia margem de erro. Colocou as moedas de volta no vidro com cuidado e fechou a tampa. Saiu devagarzinho pela porta dos fundos e andou 5 quarteirões até chegar à farmácia.

Esperou pacientemente que o farmacêutico a visse e lhe desse atenção, mas ele estava muito ocupado no momento. Ela, então, esfregou os pés no chão para fazer barulho, e nada! Limpou a garganta com o som mais alto que pôde, mas nem assim foi notada. Por fim, pegou uma moeda e bateu no vidro da porta. Finalmente foi atendida!

O que você quer? Perguntou o farmacêutico com voz aborrecida. Estou conversando com meu irmão que chegou de Chicago e que não vejo há séculos, disse ele sem esperar resposta.

Bem, eu quero lhe falar sobre meu irmão. Respondeu a menina no mesmo tom aborrecido. Ele está realmente doente... "E eu quero comprar um milagre. "

"Como?" Balbuciou o farmacêutico admirado.

"Ele se chama Andrew e está com alguma coisa muito ruim crescendo dentro de sua cabeça e papai disse que só um milagre poderá salvá-lo. E é por isso que eu estou aqui. Então, quanto custa um milagre? "

"Não vendemos milagres aqui, garotinha. Desculpe, mas não posso ajudá-la." Respondeu o farmacêutico, com um tom mais suave.

"Escute, eu tenho o dinheiro para pagar. Se não for suficiente, conseguirei o resto. Por favor, diga-me quanto custa." Insistiu a pequena.

O irmão do farmacêutico era um homem gentil. Deu um passo à frente e perguntou à garota: "Que tipo de milagre seu irmão precisa? "

"Não sei." Respondeu ela, levantando os olhos para ele. "Só sei que ele está muito mal e mamãe diz que precisa ser operado. Como papai não pode pagar, quero usar meu dinheiro. "

"Quanto você tem?" Perguntou o homem de Chicago.

"Um dólar e onze centavos." Respondeu a menina num sussurro. "É tudo que tenho, mas posso conseguir mais se for preciso."

"Puxa, que coincidência," sorriu o homem. "Um dólar e onze centavos! Exatamente o preço de um milagre para irmãozinhos."

O homem pegou o dinheiro com uma mão e, dando a outra mão à menina, disse: "Leve-me até sua casa. Quero ver seu irmão e conhecer seus pais. Quero ver se tenho o tipo de milagre que você precisa."

Aquele senhor gentil era um cirurgião, especializado em neurocirurgia. A operação foi feita com sucesso e sem custo algum. Alguns meses depois, Andrew estava em casa novamente, recuperado.

A mãe e pai comentavam alegremente sobre a sequência de acontecimentos ocorridos. "A cirurgia," murmurou a mãe, "foi um milagre real. Gostaria de saber quanto deve ter custado."

A menina sorriu. Ela sabia exatamente quanto custa um milagre... Um dólar e onze centavos... Mais a fé de uma garotinha...

* * *

Não há situação, por pior que seja, que resista ao milagre do amor. Quando o amor entra em ação, tudo vence e tudo acalma. Onde o amor se apresenta, foge a dor, se afasta o sofrimento e o egoísmo bate em retirada.

Autor Desconhecido