sábado, 10 de dezembro de 2011

SEJA COMO O SÂNDALO

Não procurem vingança, nem guardem rancor contra alguém do seu povo, mas ame cada um o seu próximo como a si mesmo. Eu sou o SENHOR."

Lv 19:18

Ditados são frases que concentram sabedoria, tanto é que o rei Salomão nos deixou centenas deles. Há um ditado chinês que diz: "Seja como o sândalo, que perfuma o machado que o fere". 

O sândalo é uma planta cuja madeira exala um cheiro agradável. É usado para confeccionar leques, de modo que quando alguém se abana, sente a leve fragrância da madeira, vinda com o ar. Ao ser atingida pelo machado que a corta, a árvore do sândalo faz com que também este seja perfumado. Os chineses, em sua sabedoria, procuraram condensar nesse ditado o que Deus diz ao povo por meio de Moisés, em Lv 19. 

No sermão do monte, Jesus afirmou que, apesar da validade da lei do "dente por dente", novos tempos haviam chegado: "...mas eu lhes digo: Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra" (Mt 5.39). 

Se, por um lado, a lei se baseia na justiça, o mandamento de Jesus baseia-se no amor. Não é para menos que Jesus nos ordena que amemos nossos inimigos. Mesmo as pessoas que não aceitam Jesus como Filho de Deus confessam reconhecer nele um homem que somente praticava o bem. Jesus declarou que suas obras eram obediência ao Pai: "Desci dos céus, não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade daquele que me enviou" (Jo 6.38). Podemos concluir com toda a razão que, se Jesus materializou a vontade do Pai, o nosso Deus é um Deus de amor. Sendo nós filhos de Deus por meio de Jesus Cristo, e sendo Deus nosso Pai, cabe-nos, por descendência, fazer o mesmo. Deixemos a Deus a prerrogativa da vingança, pois ele mesmo diz: "A mim pertence a vingança e a retribuição" (Dt 32.35). – NE

Um comentário:

virginia volpato disse...

Pesquisando no Google sobre a flor sândalo, encontrei esse buquê de sândalos, ou melhor, encontrei a árvore em forma de um belíssimo texto!
Muito profunda reflexão!
Seja mui iluminado pela Paz do Mestre, quem o tenha editado!
Obrigada!