segunda-feira, 12 de setembro de 2016

A BESTA QUE MORA DENTRO


O que você faria se atropelasse com seu automóvel um ciclista? 
Bem, digamos que você decidisse não parar para socorrê-lo. O que você faria se, centenas de metros adiante, notasse que há um braço separado do corpo pendurado em seu para brisa? O estudante de psicologia Alex Siwek decidiu arremessar o membro ao rio, acabando com as chances de reimplante para o ciclista.

O que você faria se encontrasse uma senhora idosa desmaiada na calçada? 
Bem, um homem aqui da região do Capão Redondo, em São Paulo, achou que seria uma boa oportunidade para abusar sexualmente dela.

O que você faria se estivesse sendo julgado por ter cometido uma chacina em uma escola? Qual seria sua atitude? 
Bem, T. J. Lane, agora com 18 anos, apresentou-se ao tribunal com uma camiseta branca sobre a qual escreveu à mão "killer" e passou o julgamento inteiro com um sorriso sardônico. Ao final, pediu a palavra. O que você diria em seu lugar? Qual seria a moral da história, como gostaria de aproveitar esse momento em que os holofotes estão sobre você? Bem, Lane, olhando diretamente para os pais das suas vítimas, disse: "Quero que vocês saibam que a mesma mão que puxou o gatilho que tirou a vida dos filhos de vocês é a que me masturba pensando nisso. F**** you" e então mostrou o dedo médio.

Poderíamos apagar essas três cenas chocantes da cabeça repetindo para nós mesmos que se trata de uma coincidência de fatos protagonizados por pessoas disfuncionais. Pontos fora da curva. Exceções à ampla regra da civilidade, do humanismo reinante e da razoabilidade. Será? Achei curioso ao ligar o rádio do meu carro em um programa desses que mistura esportes com humor e ouvir uma longa discussão entre os participantes não sobre o Corinthians ou a Seleção Brasileira, mas sobre o que está acontecendo com o ser humano. Alguma coisa está muito errada, diziam eles.Não é sintomático que Lane tenha uma legião de fãs na Internet, meninas que o chamam de herói e que adorariam estar na cela com ele?

Com incômoda frequência temos tido lembretes de que por sob o verniz de evolução cultural civilizatória de pessoas até então absolutamente normais existe uma besta, um animal selvagem capaz de se revelar quando menos se espera. 

Temos sido lembrados de que há algo no íntimo que cheira mal, muito mal. Sinto esse cheiro no metrô, em um restaurante chique, na igreja e até mesmo na solidão de meu escritório.

Para a mente pós-moderna, a noção de que precisamos de um Salvador é estranha. Não faz sentido. É talvez por isso mesmo que ela é muito mais urgente hoje do que já foi em qualquer outro tempo. Salva-me, Senhor, do que há dentro de mim!

Levi de Paula Tavares

Nenhum comentário: