domingo, 9 de julho de 2017

PERDÃO INÚTIL

Uma história real acontecida nos EUA.

George Wilson foi condenado à morte em 1829.

Acusação: Latrocínio. Num assalto ao correio, havia matado um homem. Deveria morrer enforcado. Alguns amigos fizeram um veemente pedido de clemência ao então Presidente dos USA, Andrew Jackson. Sensibilizado, o presidente então concedeu o perdão a George Wilson.

Mas aconteceu o inesperado. Para surpresa de todos, o réu Wilson não aceitou o Indulto Presidencial. O juiz responsável pelo caso ficou perplexo. O que fazer? Deveria a sentença de morte ser cumprida ou não?

O caso foi devolvido ao Presidente e ao Supremo Tribunal e teve a seguinte decisão:

“O indulto para ter força de lei, necessita ser ACEITO pela pessoa em questão. É quase impossível de se crer que um condenado à morte recuse o indulto, mas se tal acontecer a sentença deverá ser cumprida”

George Wilson então, foi executado. Morreu enforcado apesar do indulto do Presidente!

Incrível, não? Mas é o que tem acontecido.

Esse relato antigo, porém, verdadeiro, ilustra o trágico desprezo que muitos dão à Graça de Deus oferecida para o perdão dos pecados da humanidade.

Deus enviou seu Filho, Jesus Cristo ao mundo e Ele veio em pessoa, para anunciar o perdão gratuito oferecido bondosamente pelo Pai de Amor. Recusá-lo é o pior erro e a maior loucura que um ser humano pode cometer em vida, pois, depois, na Eternidade, não existirá remédio, não existirá mais Perdão. Como está escrito: "Aos homens está ordenado morrerem UMA SÓ vez vindo após isso, o JUÍZO" - Hb 9.27

A humanidade está sob a sentença de morte por causa dos seus pecados. Estamos aprisionados neste planeta, aguardando apenas o dia da execução. Mas Jesus Cristo amorosamente, assumiu a nossa culpa na cruz oferecendo-se em nosso lugar. Ele desceu e morreu a nossa morte, removendo nossa penalidade, tornando-Se o nosso legítimo substituto. Por isso a Bíblia diz que Ele (Jesus) é nosso FIADOR diante do Pai, sabia? Então leia: “De tanto melhor concerto JESUS FOI FEITO FIADOR". - Hb 7.22

Assim, Ele agora nos oferece o gracioso perdão do Pai, tendo pago, em nosso lugar, a nossa "conta" humanamente, impagável. Contudo, alguém pode cometer a grande loucura de recusar o indulto do Supremo Juiz - o seu perdão. E o Perdão é uma transação de "mão dupla". A fim de que ocorra o Perdão, ele precisa tanto ser concedido quanto ACEITO pelo beneficiado, senão torna-se SEM EFEITO e a dívida então, deverá se paga pelo próprio devedor.

Na verdade, Deus tem tão alta consideração por nosso poder de escolha que jamais nos impõe Seu Perdão. Oferece-o livremente; anima-nos a aceitá-lo, mas a escolha final é nossa. Podemos recusá-lo, se assim o desejarmos, porém ao recusá-lo, assumimos as consequências...

ANTÔNIO ESTEVES

Nenhum comentário: