terça-feira, 26 de janeiro de 2016

A MURALHA I

Respondeu Ele: não; sou Príncipe do exército do Senhor e acabo de chegar. Então, Josué se prostrou com o rosto em terra, e O adorou e disse-lhe: que diz meu Senhor ao Seu servo? 

Josué 5.14 

Josué havia chegado ao pé da muralha. Inexpugnável, intransponível, a muralha era o limite, o ponto final, a visão perfeita da impossibilidade - significava o fim de sua capacidade e de suas forças. E ali, diante do impossível, Josué, achacado e diminuído por aquela visão perturbadora deixava-se invadir por um tropel de sentimentos que começavam a abalar as estruturas mais profundas de sua fé.

O que fazer? O que fazer quando nós chegamos diante do impossível, o que fazer quando nós chegamos ao limite de nossas forças, o que fazer quando a única coisa que conseguimos ver é uma muralha intransponível, quando a única coisa que conseguimos divisar diante de nós é a imensidão do topo, do cimo da impossibilidade?

A Palavra de Deus nos diz que naquele momento de total insolubilidade na vida do grande líder de Israel, Deus enviou o Príncipe do Seu exército ao seu encontro (manifestação visível do Messias Prometido que haveria de vir em forma humana - Jesus Cristo). Assim, diante da grande muralha, Josué não estava só; Jesus veio ao seu encontro e se fez o Parceiro Invencível da vida.

Rev. José Kleber Fernandes Calixto 

Nenhum comentário: