segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

UM ANO MARAVILHOSO

"Esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão ..." 

Filipenses 3:13

Miguel comentou para João Carlos, seu melhor amigo: "Este ano foi muito difícil para mim. Meus projetos não se realizaram, meu dinheiro foi muito escasso, minha alegria ficou escondida em algum dia do passado. Creio mesmo que foi o pior ano de toda a minha vida". João Carlos, olhando direto nos olhos do amigo, disse: "O ano foi ruim para mim também, mas vou continuar confiando em Deus. Vou esquecer o ano que está passando e vou crer, de todo o coração, que o novo ano, ao contrário deste, será o melhor ano de minha vida. E espero que seja o seu melhor ano também."

Precisamos crer, como os amigos de nossa história, que o novo ano será uma grande bênção para nós. Podemos não acreditar muito no que estamos vendo ao redor, podemos desacreditar de nossa economia, de nossos políticos, até mesmo de nossa capacidade de derrotar as adversidades, mas devemos continuar crendo no Senhor que é Todo Poderoso, que nos garantiu suprir as necessidades, que nos estimulou com um simples "tende bom ânimo", que nos ensinou que seríamos fortalecidos com Sua alegria, que nos assegurou que seríamos, sempre, "mais que vencedores".

O novo ano será, porque cremos, um ano maravilhoso. Se neste nós nos deixamos abater por dúvidas e incertezas, no próximo nós acreditaremos com mais determinação. Se neste ano nos conformamos com o pouco e com as necessidades, no próximo nós vamos hastear a bandeira de nossa fé e lutar para que essas necessidades desapareçam. Se neste ano as bênçãos foram pequenas -- por nossa própria culpa, já que nem sempre o Senhor foi nossa prioridade, no próximo, não nos afastaremos um momento sequer da presença de Jesus, para desfrutar de Suas bênçãos todos os dias do ano.

O próximo ano será maravilhoso para mim! Será maravilhoso para você também!

Feliz Ano Novo!

Paulo Barbosa

QUER O NOVO?


domingo, 30 de dezembro de 2018

A JUSTIÇA

Quando criança eu tinha a mania de me sentir sempre injustiçado. Por um ou outro motivo, não me tinham feito justiça, sem perceber que, para mim, a “injustiça” era sempre qualquer restrição feita aos meus desejos, fantasias e vontades.

E invariavelmente arrebentava em lágrimas de protesto.

Um dia papai me chamou e disse:

- Meu filho, vamos combinar uma coisa. Você sabe que papai não gosta de ver você triste, não é? Então nós vamos fazer o seguinte: cada vez que você chorar, escreva num papel a causa. Coloque o papel no vaso azul, ali, sobre a escrivaninha. Deixe passar alguns dias e leia-o. Se achar que o assunto ainda o está aborrecendo, venha a mim, conte-me o caso e eu lhe prometo que corrigirei a injustiça que tiverem feito contra você. Combinado?

Estava combinado. Nos primeiros dias eu enchi o vaso azul de anotações. Passadas no preto e branco, minhas queixas me pareciam perfeitamente justificadas.

Passaram-se os dias e meu pai voltou a falar comigo.

- Você já pode começar a reexaminar os seus papéis. Depois venha falar comigo.

Comecei. Mas, estranhamente, constatei que minhas queixas eram banais e que, na realidade, não havia naquilo nada que pudesse motivar aborrecimento.

Abreviei o espaço dos dias e, depois, passei a examinar os papéis horas depois dos acontecimentos.

Verifiquei que não tinha nenhuma injustiça a exigir a reclamação de papai. E parei de chorar várias vezes ao dia, como estava acostumado a fazer.

Hoje compreendo que tudo foi uma brincadeira de papai. Todavia, com grande habilidade ele me levou a refletir antes de agir. E desenvolveu em mim a compreensão a respeito do que é justiça e injustiça em face do nosso egocentrismo, exigência de privilégios e pretensões descabidas.

Com isso meu espírito de tolerância ganhou uma amplitude que me tem beneficiado ao longo de toda a vida.
 
Wallace Leal V. Rodrigues

A CHAVE DO SABER


sábado, 29 de dezembro de 2018

O PRÍNCIPE INFELIZ

Era uma vez um rei que tinha um filho a quem amava com muita ternura. O rei deu ao menino tudo o que de melhor lhe podia dar. Havia criados à sua disposição, professores que o ensinavam, procurando torná-lo grande e sábio. Apesar de tudo, o jovem príncipe não se sentia feliz. Trazia sempre uma ruga na testa e vivia a desejar alguma coisa que não possuía. 

Um belo dia, aparece um mágico na corte. Viu o menino e disse ao rei: "Posso tornar feliz o vosso filhos, mas tereis de pagar-me uma grande quantia para que eu vos desvende o segredo". "O que quer que pedirdes ser-vos-á concedido", respondeu o rei. O preço foi pago. 

O mágico levou o menino a um quarto fechado. Escreveu, com uma substância branca, algumas palavras sobre um papel. Em seguida deu uma vela ao menino dizendo-lhe que a acendesse e a colocasse debaixo do papel para poder ler o que nele estava escrito. O mágico se retirou. O menino fez conforme lhe fora recomendado, e as letras brancas tomaram uma bela totalidade azul. No papel estava escrito simplesmente isto: "Pratique um ato de bondade todos os dias!" O príncipe pôs em prática o que o segredo lhe revelara, tornando-se, daí em diante, o mais feliz de todos os meninos do reino. 

Visão Missionária.

SABER E SABEDORIA


sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

O QUE FAZER COM O SOFRIMENTO?

1. Aceite-o. Sofrer faz parte da vida. Todo mundo sofre, de um jeito ou de outro, com menor ou maior intensidade. Mas, sofrer é um mal comum.

2. Suporte-o. A segunda coisas mais importante a fazer é ser resistente. Suporte o peso da dor.

3. Ore. Fale com Soberano sobre o desconforto que está sentindo.

4. Peça ajuda. Ninguém precisa sofrer sozinho. Procure alguém que ame você e compartilhe sua dor.

5. Não se renda. A vida é dura para quem é mole. Se não for possível ser um campeão, pelo menos venda sua derrota caro.

6. Fique quieto. Passarinho na muda não canta. Quem sofre em silêncio sofre com dignidade.

7. Adore. Não murmure. Cale-se quando sentir vontade de praguejar. Estufe o peito só para glorificar ao Senhor. Em tudo daí graças, pois esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.

8. Suplante-o. Tente lembrar quantas vezes o Senhor te levantou, tente! Dessa vez, não será diferente. Grite, bem alto: a vitória é minha, em nome de Jesus!

Escrito pelo Pr Geraldo Magela

É O CORAÇÃO


quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

A ÁGUIA VENCIDA

Se te elevares como águia, e puseres o teu ninho entre as estrelas, dali te derrubarei, diz o Senhor.

Obadias 1:4

Um ministro estava certa vez observando uma águia, nos planaltos da Escócia. Ela se ergueu orgulhosamente para o alto, suas grandes asas rebrilhando ao Sol. De súbito, quando o ministro acompanhava com o olhar a grande ave, viu a águia deter-se, bater as asas, e logo cair ao chão como uma pedra, não longe do lugar onde estava.

Curioso, o ministro apressou-se para junto da águia. Ficou estupefato ao ver uma doninha, sangrando às garras da ave, mas com os dentes firmemente enterrados no coração da águia. Tinha conseguido livrar-se das garras o suficiente para infligir ferida mortal a seu inimigo.

O orgulho e os maus intentos, como aquela doninha, operam sua própria vingança contra o orgulho. 

Fonte: 

MUDAR

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

PLANTANDO VIDA E NÃO MORTE

"Não matarás" (Êxodo 20:5)

Uma professora da Escola Bíblica estava ensinando às crianças de sua classe de 5 e 6 anos de idade sobre os Dez Mandamentos. Depois de explicar o andamento "Honrarás pai e mãe", ela perguntou: "Existe algum mandamento que nos ensine a tratar com nossos irmãos e irmãs?" Com muita convicção, um pequeno menino respondeu: "Não matarás."

Parece apenas uma história de crianças, mas, muitas vezes, tornamos aquela resposta verdadeira. Quando tratamos um irmão com indiferença, sem o carinho que ele merece, podemos matar seu entusiasmo e sua determinação. Quando o vemos angustiado e desanimado e não lhe confortamos com as maravilhosas promessas do nosso Deus, podemos matar suas esperanças. Quando não o abraçamos e não seguimos o caminho de mãos dadas com ele, podemos contribuir com sua fraqueza e, de certa forma, matar o crescimento espiritual da igreja.

Quando não testemunhamos do amor do Senhor, que morreu na cruz para nos redimir e para pagar o preço de nossos pecados, podemos estar impedindo que uma vida incrédula conheça o Salvador e, dessa forma, estamos matando a sua oportunidade de encontrar o caminho para a vida eterna. Quando não colaboramos com os nossos irmãos em seus programas evangelísticos e missionários, podemos estar ajudando a fazer morrer um canal que é o mais importante na obra de Deus: a busca das almas perdidas.

Precisamos compreender que o Senhor nos chamou para levar a vida e não a morte. Ele nos chamou para encher o mundo de sorrisos e não de tristezas. Ele nos convocou para semear fé e não dúvidas. Ele nos comissionou para iluminar os ambientes e não para torná-los ainda mais tenebrosos.

Eu quero caminhar nesse mundo arrancando as sementes da morte e plantando, em seu lugar, sementes de vida. E você?

Paulo Roberto Barbosa

AS MAIS IMPORTANTES VERDADES


terça-feira, 25 de dezembro de 2018

QUE PRESENTE DAREMOS?

"E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor" 

Lucas 2:10, 11

As meninas brincavam alegres no quintal da casa de uma delas. A primeira falou: "Eu gosto muito do Natal. Eu sempre ganho muitos presentes". A outra também falou: "Você sabe o que é Natal? A mamãe me disse que é o aniversário de Jesus. A festa é para Ele! O que você vai lhe dar de presente?"

O Natal é um dia muito especial. Não porque Jesus nasceu no dia 25 de dezembro, mas porque lembramos que Ele nasceu para nos salvar. Ele nos amou, perdoou nossos pecados, nos deu vida abundante e, ainda mais, vida eterna. Sim, é isso que significa Natal para nós. Nasceu o Salvador! Nasceu o Rei dos reis! Nasceu Aquele que transformou completamente a história e as nossas vidas.

Podemos comemorar o Natal? Claro que sim. Para nós o Natal é Cristo e Cristo é tudo para nós! Podemos reunir a família para comemorar? Claro que sim. É maravilhoso ter a família unida para testificar, "eu e minha casa serviremos ao Senhor". Podemos trocar presentes? Claro que sim. Mas não podemos nos esquecer que o principal presente deve ser dado ao Senhor. Ele é o aniversariante.

E os que se reúnem apenas para comer e beber? Bem, nós fazemos diferente e não devemos julgar os demais.

Natal é vida! É alegria e gozo no coração! E se a data foi criada com outros propósitos, o mesmo não acontece conosco. Para nós Jesus nasceu na manjedoura de nossos corações e isso é o que importa. Nós o amamos e comemoramos o Seu nascimento.

Parabéns, Senhor Jesus. Que sejam muitos os anos de nossas vidas contigo. Aguardamos o momento em que iremos morar nos Céus, para comemorarmos eternamente o Seu Natal.

Você já deu seu presente a Jesus? Se ainda não deu, aproveite esse Natal e dê a Ele a sua vida.

Feliz Natal para todos.

Paulo Barbosa

ENTENDER O NATAL


segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

A CHEGADA

O barulho e o movimento começaram mais cedo do que de costume na cidade. Quando a noite deu lugar à madrugada, já havia gente nas ruas. Os vendedores se colocavam nas esquinas das avenidas mais trafegadas. Os lojistas abriam as portas de suas lojas. As crianças acordavam com o latido alvoroçado dos cães vadios e das queixas dos jumentos que puxavam as carroças.

O dono da hospedaria levantara mais cedo do que a maioria dos habitantes da cidade. Afinal de contas, a hospedaria estava cheia, com todas as camas ocupadas. Todo tapete ou esteira disponível tinha sido usado. Logo todos os fregueses começariam a levantar e haveria muito trabalho a fazer.

Nossa imaginação se inflama pensando na conversa do estalajadeiro com sua família à mesa do café. Alguém mencionou a chegada do casal jovem na noite anterior? Alguém cuidou deles? Alguém comentou a gravidez da moça no jumento? Talvez. Talvez alguém falou no assunto. Mas, na melhor das hipóteses, ele foi levantado e não discutido. Não havia tanta novidade assim sobre eles. Tratava-se possivelmente de uma das várias famílias que não pudera ser recebida naquela noite. 


Além disso, quem tinha tempo para falar sobre eles quando havia tanta excitação no ar? César Augusto fez um favor à economia de Belém quando decretou que houvesse um recenseamento. Quem podia lembrar-se de uma época em que se fizesse tanto comércio na cidade?

Não, é duvidoso que alguém tivesse mencionado a chegada do casal ou atentasse na condição da moça. Todos estavam ocupados demais. O dia já raiara. O pão diário precisava ser feito. As tarefas da manhã tinham de ser feitas. Havia tanto para fazer que ninguém tinha tempo para ficar imaginando que o impossível acontecera.

Deus entrara no mundo como um bebê.

Mas se alguém entrasse no curral de ovelhas na periferia de Belém naquela manhã, que cena peculiar contemplaria.

O estábulo cheira como todos fazem. O mau cheiro provocado pela urina, excremento e ovelhas paira forte no ar. O chão é duro, o feno escasso. Teias de aranha pendem do teto e um ratinho atravessa correndo o chão sujo.

Não podia haver um lugar menos adequado a um nascimento.

De um lado se encontra um grupo de pastores. Eles estão sentados silenciosamente no solo, talvez perplexos, talvez reverentes, mas sem dúvida extasiados. Sua vigília noturna fora interrompida por uma explosão de luz dos céus e uma sinfonia de anjos. Deus vai até aqueles que têm tempo para ouvi-lo — e assim, naquela noite sem nuvens, ele fora até os simples pastores. 


Junto à jovem mãe se assenta o pai cansado. Se alguém está cochilando, esse é ele. Não consegue lembrar-se da última vez em que pôde sentar-se. E agora que a excitação diminuiu um pouco, agora que Maria e o bebê estão confortáveis, ele se apóia na parede do estábulo e sente seus olhos se fecharem. Ele ainda não entendeu tudo. O mistério do evento o intriga. Mas não tem no momento energia para lutar com as perguntas. O importante é que a criança está bem e Maria a salvo. A medida que o sono vem, ele lembra do nome que o anjo lhe dissera para usar... Jesus. "Nós o chamaremos Jesus."

Maria está bem desperta. Como parece jovem! Sua cabeça repousa sobre o couro macio da sela de José. A dorfoi embora como por encanto. Ela olha para o rostinho da criança. Seu filho. Seu Senhor. Sua Majestade. Neste ponto da história, o ser humano que melhor compreende quem é Deus e o que ele está fazendo é uma adolescente num estábulo mal cheiroso. Ela não pode tirar os olhos dele. De alguma forma Maria sabe que está carregando Deus nos braços. Esse é então ele. Ela lembra as palavras do anjo. "O seu reinado não terá fim."

Ele parece qualquer coisa menos um rei. Seu rosto é avermelhado, lembrando uma ameixa seca. Seu choro, embora forte e saudável, continua sendo ainda o de um bebê indefeso, lancinante e agudo. Ele depende absolutamente de Maria para seu bem-estar. 


Majestade em meio ao mundanismo. Santidade misturada à imundície do excremento e suor das ovelhas. A divindade entrando no mundo no chão de um estábulo, através do útero de uma adolescente e na presença de um carpinteiro.

Ela toca a face do Deus-menino. Como foi longa a sua jornada!

Esta criança superara o universo. Os trapos que o aquecem eram os mantos da eternidade. A sala dourada de seu trono fora esquecida em favor de um curral de ovelhas imundo. E os anjos adoradores foram substituídos por pastores bondosos mas perplexos.

Enquanto isso a cidade fervilha. Os mercadores não sabem que Deus visitou o seu planeta. O estalajadeiro jamais creria que enviara Deus para o frio lá fora. E o povo zombaria de quem quer que dissesse que o Messias jaz nos braços de uma jovenzinha na periferia de sua cidade. Eles estavam todos ocupados demais para sequer considerar essa possibilidade. 

Os que não assistiram à chegada de Sua Majestade naquela noite, não perderam a oportunidade por causa de atos perversos ou malícia; de modo algum, eles a perderam simplesmente porque não estavam olhando.

Pouco mudou nesses últimos dois mil anos, não é? 

de Max Lucado

domingo, 23 de dezembro de 2018

CÂNTICOS DE NATAL NA CHINA

Em um programa de Natal organizado na Universidade de Nanquim foi apresentado "Noite Feliz" ou "Noite de Paz" e ilustrado com slides coloridos feitos por um artista chinês. Quando chegamos, a Capela estava tão cheia de crianças, senhoras com bebês e mendigos que quase não havia lugar para os estudantes. Comecei a murmurar desapontada, pois todos tinham ouvido falar dos quadros e lá estavam, para vê-los. 

"Por que não podemos aqui na Universidade, na capital, fazer um programa de acordo com nossos planos, lindo e digno?" perguntei.

As luzes se apagaram. Os quadros mostraram como a cântico foi escrito. Então foi projetada na tela a letra do hino "Tudo é Paz". As estrofes uma por uma em grandes caracteres chineses - e ao lado da estrofe escrita uma figura colorida ilustrando-a. Como uma grande onda, o auditório se levantou e cantou. Os estudantes, com suas boas vozes, uniram-se às nossas em um grande coro. As crianças aclamavam. O cântico estava barulhento demais para "Noite de Paz". Mas não podíamos evitá-lo. Não podíamos parar. Cantamos outra vez o hino todo. Era como um dique quando se rompe, e as águas se precipitam com impetuosidade sempre crescente para a liberdade. Deste modo foram os cânticos de Natal naquele ano.

No fim do trabalho eu estava queimada de vergonha por ter desejado que os mendigos e crianças não tivessem vindo, e disse a mim mesma: "Que seria se eles não tivessem vindo?"

Fonte: http://jesusvoltara.com.br

FELICIDADE

O PRESENTE QUE NÃO PODIA ESPERAR

Terry Schaefer queria comprar um presente de Natal muito especial para seu marido Davi. Mas, ela enfrentava dois problemas:

Problema 1 - o custo. 

Problema 2: encontrar o que ela queria.

Sua pequena cidade de Moline tinha poucas lojas e ela procurou em todo canto. 
Quando ela finalmente encontrou o que queria para seu marido, ela quase desistiu por causa do preço.

Mas, porque ela não desistiu, a vida do seu marido foi salva.

Ela teria desistida, se não fosse pela ajuda do dono da loja. Ela não tinha o dinheiro suficiente. Era um presente muito caro. O salário de seu marido como policial, apesar de adequado, deixava pouco dinheiro sobrando no final do mês.

Ela perguntou se o dono da loja não poderia guardar o presente dela e deixar ela fazer os pagamentos até Natal. Ele disse que não.

Mas, aí ele disse “Por outro lado, não posso deixar você sair daqui sem seu presente.” Ele deu o presente a ela e apenas pediu que ela o pagasse quando pudesse.
Ela estava tão animada, que não conseguiu guardar o presente. Ela deu logo a seu marido Davi, apesar de que ainda era Outubro.

Aquela foi a segunda decisão que ela nunca se arrependeu de tomar. Apenas uma semana depois, às 7:00 da manhã, ela escutou alguém batendo à porta da sua casa. O parceiro de seu marido, o outro policial que andava sempre com ele estava em frente à porta dela - sozinho.

O rosto dele estava cansado e abatido. Ele entrou e sentou no sofá. Daí ele começou a explicar para ela como, na noite antes, o marido de Terry, Davi foi baleado com um tiro de um revolver calibre .45 - a queima roupa.

Terry suspirou, não de medo, mas de alívio. Alívio por ter comprado aquele presente que ela tanto queria para seu marido. Alívio por o dono da loja ter insistido que ela levasse. Alívio por seu marido estar vestido com o presente de Natal naquela noite.

Como resultado, seu marido Davi estava no hospital e não no necrotério. O corpo dele estava ferido, não com uma bala cravado no peito, mas apenas com uma contusão. Porque ele estava vestindo o colete a prova de balas, o presente de Natal, que sua querida esposa não podia esperar para dar a ele.

Todos nós recebemos algo semelhante.
De certa forma, todos nós recebemos um presente de Natal semelhante àquele que Davi Schaefer recebeu.

· É algo que pode lhe proteger
· É algo que, com certeza, salvará sua vida, se você abrir o presente e usar.
· É um presente destinado especialmente a você.
· É um presente adquirido por um grande esforço e a um custo muito alto.

Mas, afinal de contas, cabe a você receber o presente. 

Cabe a você aceitá-lo. 
Cabe a você abri-lo. 
Cabe a você usá-lo.
Tudo isto, só você pode fazer.
Todo o resto, Deus já fez.

- Adaptada de uma pregação de Max Lucado em 26 de dezembro, 1993 na igreja Oak Hills Church of Christ em San Antonio, Texas. [em www.hermeneutica.com.br

SABE MENOS QUE EU...

sábado, 22 de dezembro de 2018

CARTÕES DE NATAL

Todos os anos (na época de Natal) leio este lembrete que chegou pelo correio há muitos anos: 

Caso nossa maior necessidade fosse informação, Deus nos teria enviado um educador. Se nossa maior necessidade fosse a tecnologia, Deus teria nos enviado um cientista. Se nossa necessidade fosse dinheiro, Deus teria nos enviado um economista. Mas, uma vez que nossa maior necessidade era o perdão, Deus nos enviou o Salvador.

- Max Lucado em “Quando Deus Sussurra o Seu Nome”, Rio de Janeiro: CPAD, 1997, p. 49. [em www.hermeneutica.com.br]

A FELICIDADE



sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

UMA CONVERSÃO NO NATAL

R. C. Sproul conta no seu livro "A Alma Em Busca de Deus", que quando era um garoto, seus pais o fizeram ir à igreja; e ele detestava; achava o momento de domingo passado na igreja de o mais longo e o mais tedioso da semana. Para ele a única hora que apreciava ir à igreja era na véspera de Natal, porque gostava das músicas de Natal e dos hinos do coral. Ele tinha alguma predileção por aquele espírito natalino; mas não era um cristão. 

Mais tarde, já sendo cristão, Sproul conta que a primeira cerimônia da véspera de Natal após a sua conversão, havia se tornado inesquecível. Sua alma ficava extasiada, e toda a alegria de antes fora superada pelo deleite glorioso que agora ele conhecia. Cada cântico tinha um novo significado. As letras dos hinos eram doce para ele, de modo que aquela primeira véspera de Natal após sua conversão, fora um verdadeiro banquete espiritual, pois, celebrava pela primeira vez, o advento do Salvador.

Duas afirmações chamam a atenção nesta experiência de Sproul: A primeira, foi a atração que a música natalina exercia sobre ele, mesmo sendo ele ainda um não cristão. Ele se agradava do Natal como arte, como espetáculo, como algo que falava ao seu sentimento estético e, quem sabe, ao seu emocional. Entretanto, o Natal para ele era vazio de conteúdo espiritual. A segunda afirmação é a que, quando já convertido e comemora pela primeira vez o Natal de Jesus Cristo, aí a sua alma estava extasiada e que fora um verdadeiro banquete espiritual para ele. 

É isso aí: o Natal só é uma festa espiritual para os que conhecem a Jesus Cristo como seu Salvador pessoal.

O Jornal Batista, pg 2 - 17 a 23/12/2001

CORAÇÃO CHEIO OU VAZIO



quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

VIGILÂNCIA

Um viajante escreveu em um jornal: "Chequei à vila Areconati, ao lado do Lago Como, que é a joia da coroa dos Alpes, na Itália. Um jardineiro abriu uma porta e me fez atravessar um lindo jardim.

– Há quanto tempo está você aqui? - perguntei-lhe.

– Há vinte e cinco anos.

– Quantas vezes o dono desta vivenda a visita?

– Desde que estou aqui, só quatro vezes.

– Quando foi a última vez?

– Há doze anos.

– Ele lhe escreve?

– Nunca.

– Com quem se entende você?

– Com o encarregado, em Milão.

– Ele vem com freqüência aqui?

– Nunca veio.

– Quem vem então aqui?

– Estou quase sempre só; raras vezes aparece um visitante.

– E você traz este jardim tão bem tratado, como se fosse para esperar amanhã o dono da chácara?

– Hoje! – foi a resposta do velho. 

Respigando.

ENSINAR A NÃO OFENDER


quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

"Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo." 

Efésios 6:11

Por volta de uma hora da tarde do dia 8 de março e 1862, oficiais a bordo de dois barcos da União notaram uma estranha embarcação descendo o rio Elizabeth em sua direção.

Tratava-se do Merrimac, um encouraçado dos Confederados. Os engenheiros do Sul haviam conseguido fabricar uma embarcação de metal utilizando como molde um velho barco de madeira, resultando daí uma espécie de encouraçado.
Embora o Congresso e o Cumberland tivessem 80 canhões no total para os 10 do Merrimac, não tinham condições de enfrentar um encouraçado. Assim, um deles afundou e o outro se rendeu.

Na manhã seguinte, dia 9 de março, cerca de nove horas da manhã, o Merrimac partiu na direção do Minnesota, esperando repetir a proeza do dia anterior. O piloto viu-se surpreendido ao dar com outro encouraçado vindo em sua direção. Era o navio do Norte, o Monitor.

Os dois encouraçados pareciam em igualdade de condições. Logo depois do meio-dia um tiro passou justo por um buraco da cabine do piloto do Monitor, cegando o oficial-comandante. O Monitor teve de se retirar e a batalha terminou. Esta batalha' do dia 9 de março de 1862 marcou o início de um novo tipo de guerra naval.

Hoje nenhuma armada moderna pensaria em enviar navios de madeira para uma batalha. Às vezes os cristãos não são igualmente sábios. Eles saem desprotegidos para a lufa contra o inimigo.

Leia Efésios 6:10-17. Note quantas partes da armadura cristã são aí mencionadas. Sua melhor arma de defesa são os versos da Escritura.

Davi sabia onde estava sua armadura. Ele disse: "Escondi as Tuas palavras no meu coração, para eu não pecar contra Ti." Jesus Se protegeu com a armadura da Palavra. Quando Satanás tentou-O, Ele o enfrentou com o "Está escrito".
Você, também, pode ser bem sucedido em sua batalha contra o inimigo. Vista-se da armadura de Deus cada dia. Gaste tempo em oração e estudo da Bíblia. Ler apressadamente a Inspiração Juvenil com a Devoção Matinal não basta. Pense no significado do que estiver lendo. Decore versos da Bíblia. Em assim fazendo você estará pondo a armadura de ferro que o manterá a salvo das tentações.

Enciclopédia Britânica, sobre o assunto.
The World Book Encyclopedia, vol. 13. págs, 604 e 605.

UM SÁBIO


terça-feira, 18 de dezembro de 2018

SUA GRAÇA

Eu havia planejado tirar uma soneca durante a viagem. Mas o homem ao meu lado teve outras ideias! Sabendo que eu não poderia dormir, eu abri minha Bíblia.

“Que cê tá estudando aí, cara?” Eu respondi, mas ele não ouviu.

“A igreja está perdida,” ele declarou. “Presa no inferno e doente no coração”
“Cristãos estão dormindo. Eles não oram. Eles não amam. Não se importam.” Assim ele começou a listar todas as aflições e fraquezas da igreja.

Eu não deveria ter permitido que aquilo me incomodasse, mas incomodou. A fidelidade de Deus nunca dependeu da fidelidade dos seus filhos. Ele é fiel mesmo quando não o somos. Quando não temos coragem, Ele tem.

Provavelmente eu nunca mais verei aquele pregador do pessimismo de novo, mas se você o vir, você pode dar a ele um recado por mim? As bênçãos de Deus são dispensadas de acordo com as riquezas da graça dEle, e não de acordo com a profundidade da nossa fé. É isto que faz de Deus, Deus! E é isto que faz a igreja forte.

“Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus, para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus.” Efésios 2:6-7

Fonte: O Trovão Gentil

CADA UM


segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

ESQUEÇA A BOLSA

"Porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração" 

Mateus 6:21

Enquanto a bolsa é esvaziada, o coração vai se enchendo." (Victor Hugo)

E por que precisamos de bolsa, ou dinheiro, ou bens materiais, ou qualquer coisa semelhante, para ter o coração preenchido? Quando o coração depende dessas coisas passageiras para se regozijar, perde a alegria quando essas mesmas coisas deixam de existir. Por que ficar dependendo delas?

Quando compreendemos que o nosso coração pode estar cheio independente de coisas materiais, somos mais felizes e vivemos de maneira mais abundante. Cristo substitui todos os bens e tesouros do mundo. Ele é a verdadeira riqueza, o verdadeiro regozijo, a verdadeira felicidade.

Estamos nos aproximando de uma época onde o coração de muitos se enche por uma roupa nova, por uma mesa farta de guloseimas, pelos presentes recebidos, pela compra de um novo carro, pela reforma de uma casa. Mas, o coração deveria ser preenchido pelo amor e gratidão a Deus por Jesus ter nascido nesse mundo para perdoar nossos pecados e para nos dar vida eterna.

Esqueçamos a bolsa -- cheia ou vazia -- e comemoremos com o coração cheio da presença de Jesus. Ele pode encher nossas bolsas e esvaziá-las também. Não importa. Maior bênção é tê-lo como Senhor e Salvador. A bolsa, o banco, os presentes... são apenas consequências para aqueles que amam verdadeiramente a Deus.

Comemore as festas... encha seu coração de Cristo.

Paulo Barbosa

RIQUEZA

domingo, 16 de dezembro de 2018

SUSSURRO DE DEUS

Conta-se que um amigo levou um índio para passear no centro de São Paulo. Seus olhos não conseguiam acreditar na altura dos edifícios e ele mal conseguia acompanhar o ritmo frenético das pessoas indo e vindo. Espantava-se com o barulho ensurdecedor das sirenes, dos automóveis, as pessoas falando em voz alta. De repente o índio falou:

- Ouço um grilo...

O amigo espantado retrucou:

- Impossível ouvir um inseto tão pequeno nessa confusão!

O índio insistiu que ouvia o cantar de um grilo. Tomando o seu cicerone pela mão, levou-o até um canteiro de plantas. Afastando as folhas, apontou para o pequeno inseto.

- Como? 

-Perguntou o amigo, ainda sem crer.

O índio pediu-lhe algumas moedas, e então as jogou na calçada. Quando elas caíram e se ouviu o tilintar do metal, muita gente se voltou:

- Escutei o grilo porque o meu ouvido está acostumado com este tipo de barulho. As pessoas aqui ouvem o dinheiro caindo no chão porque foram condicionados a reagirem a esse tipo de estímulo. Depois arrematou:

- A gente ouve o que está acostumado ou treinado a ouvir. 

Vivemos em um mundo materialista. A vida nos impõe que sejamos muitas vezes duros. Acabamos nos tornando céticos. A voz de Deus não é ouvida senão por aqueles que tem o ouvido sensível. Muitas vezes a correria da vida e as agitações da nossa alma inquieta não nos permitem perceber o Divino. Treinamos os nossos sentidos para reagir apenas aos impulsos da sobrevivência, mas há realidades que só se percebem com o espírito. Aqueles que aquietam o coração e se deixam tocar pelo Eterno, escutam o sussurro de DEUS.

Autor desconhecido

PROFUNDIDADE DA VIDA

sábado, 15 de dezembro de 2018

CICATRIZES DO CORAÇÃO

Jesus respondeu, e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.

João 4.10

Se pudéssemos ver o coração na sua essência emocional, veríamos todas as feridas e cicatrizes que o tempo gerou. Seria como mergulhar num mundo de dores, desilusões e angústias. Descobriríamos muitos dos porquês de tanta dificuldade em amar, de fazer amigos, da razão de vidas tão amargas e frias, da solidão que persisti em acompanhar almas tão carentes.

O próprio Jesus encontrou muitas pessoas assim. A mulher samaritana é um exemplo disso. Ela era rejeitada e viva longe das luzes e dos caminhos do povo. Mas o Mestre lhe disse: aquele que beber da água que lhe der nunca mais terá sede, porque a  água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.

Tudo o que Deus deseja é acalmar nossos dilemas e perdoar nossos erros. Quer nos fazer fonte de água vida. Você deseja ser uma fonte de água? Primeiro, deixe o Pai curar suas feridas e apagar as cicatrizes. Porque perdoado do seu passado, o homem pode viver uma vida nova

Fernanda Brum - Como se cura a ferida.

ORAR


sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

UMA CERCA DE ALEGRIA

"Tu mudaste o meu choro em dança alegre, afastaste de mim a tristeza e me cercaste de alegria" 

Salmos 30:11

Uma irmã, disse ao jovem Edmundo, ao final do culto que comemorava sua partida para uma instituição teológica, onde se prepararia para o ministério pastoral: "Que bom que você resolveu deixar a vida de prazer e alegria para servir ao Senhor". O jovem, espantado com o que a irmã lhe dizia, comentou: "A irmã está enganada! É exatamente porque gosto dos prazeres e alegrias da vida que estou me oferecendo para o ministério. Quero ser ainda mais feliz e ter muito mais prazer do que tenho tido até agora."

Quando estamos de fora do centro da vontade de Deus, julgamos que a vida cristã é cheia de sofrimentos e angústias e que essas coisas existem para que mostremos o amor a Cristo. Não é verdade! Cristo é alegria, é satisfação, é cântico e louvor, é um desfrutar da verdadeira felicidade criada por Deus. O nosso Pai, em verdade, enviou Jesus para que a alegria e a vida abundante sejam mais reais em nós.

Não abandonamos os prazeres do mundo para uma vida infeliz ao lado de nosso Salvador. Pelo contrário, deixamos os enganosos prazeres que nos causam destruição para uma vida de verdadeiro prazer e contentamento, que só existem quando o Senhor está em nossos corações.

Apresente-se diante do Senhor e deixe que Ele construa uma cerca de alegria ao seu redor, afastando de vez a infelicidade que ainda atinge muitos que não O conhecem.

Paulo Barbosa

O HOMEM NÃO É O QUE DEVIA SER


quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

QUANTO VALE UM MILAGRE?

Uma garotinha esperta, de apenas 6 anos de idade, ouviu seus pais conversando sobre seu irmãozinho mais novo. Tudo que ela sabia era que o menino estava muito doente e que estavam completamente sem dinheiro.

Iriam se mudar para um apartamento num subúrbio, no próximo mês, porque seu pai não tinha recursos para pagar as contas do médico e o aluguel do apartamento.

Somente uma intervenção cirúrgica muito cara poderia salvar o garoto, e não havia ninguém que pudesse emprestar-lhes dinheiro.

A menina ouviu seu pai dizer a sua mãe chorosa, com um sussurro desesperado: "Somente um milagre poderá salvá-lo. " Ela foi ao seu quarto e puxou o vidro de gelatina de seu esconderijo, no armário. Despejou todo o dinheiro que tinha no chão e contou-o cuidadosamente, três vezes.

O total tinha que estar exato. Não havia margem de erro. Colocou as moedas de volta no vidro com cuidado e fechou a tampa. Saiu devagarzinho pela porta dos fundos e andou 5 quarteirões até chegar à farmácia.

Esperou pacientemente que o farmacêutico a visse e lhe desse atenção, mas ele estava muito ocupado no momento. Ela, então, esfregou os pés no chão para fazer barulho, e nada! Limpou a garganta com o som mais alto que pôde, mas nem assim foi notada. Por fim, pegou uma moeda e bateu no vidro da porta. Finalmente foi atendida!

O que você quer? Perguntou o farmacêutico com voz aborrecida. Estou conversando com meu irmão que chegou de Chicago e que não vejo há séculos, disse ele sem esperar resposta.

Bem, eu quero lhe falar sobre meu irmão. Respondeu a menina no mesmo tom aborrecido. Ele está realmente doente... "E eu quero comprar um milagre. "

"Como?" Balbuciou o farmacêutico admirado.

"Ele se chama Andrew e está com alguma coisa muito ruim crescendo dentro de sua cabeça e papai disse que só um milagre poderá salvá-lo. E é por isso que eu estou aqui. Então, quanto custa um milagre? "

"Não vendemos milagres aqui, garotinha. Desculpe, mas não posso ajudá-la." Respondeu o farmacêutico, com um tom mais suave.

"Escute, eu tenho o dinheiro para pagar. Se não for suficiente, conseguirei o resto. Por favor, diga-me quanto custa." Insistiu a pequena.

O irmão do farmacêutico era um homem gentil. Deu um passo à frente e perguntou à garota: "Que tipo de milagre seu irmão precisa? "

"Não sei." Respondeu ela, levantando os olhos para ele. "Só sei que ele está muito mal e mamãe diz que precisa ser operado. Como papai não pode pagar, quero usar meu dinheiro. "

"Quanto você tem?" Perguntou o homem de Chicago.

"Um dólar e onze centavos." Respondeu a menina num sussurro. "É tudo que tenho, mas posso conseguir mais se for preciso."

"Puxa, que coincidência," sorriu o homem. "Um dólar e onze centavos! Exatamente o preço de um milagre para irmãozinhos."

O homem pegou o dinheiro com uma mão e, dando a outra mão à menina, disse: "Leve-me até sua casa. Quero ver seu irmão e conhecer seus pais. Quero ver se tenho o tipo de milagre que você precisa."

Aquele senhor gentil era um cirurgião, especializado em neurocirurgia. A operação foi feita com sucesso e sem custo algum. Alguns meses depois, Andrew estava em casa novamente, recuperado.

A mãe e pai comentavam alegremente sobre a sequência de acontecimentos ocorridos. "A cirurgia," murmurou a mãe, "foi um milagre real. Gostaria de saber quanto deve ter custado."

A menina sorriu. Ela sabia exatamente quanto custa um milagre... Um dólar e onze centavos... Mais a fé de uma garotinha...

* * *

Não há situação, por pior que seja, que resista ao milagre do amor. Quando o amor entra em ação, tudo vence e tudo acalma. Onde o amor se apresenta, foge a dor, se afasta o sofrimento e o egoísmo bate em retirada.

Autor Desconhecido

LIDERAR

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

ANTES E AGORA

No qual não pode haver grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre; porém Cristo é tudo em todos. 

Colossenses 3:11.

Antes eu buscava as bênçãos do Senhor, mas agora é o Senhor.
Antes era o que eu sentia; agora é a Sua Palavra.

Antes eu queria os dons; agora, o Doador.
Antes eu queria a cura; agora me basta o próprio Jesus.

Tudo em todos para sempre; somente Cristo louvarei.
Tudo está em Cristo; só Ele é tudo para mim.

Antes era o esforço penoso; agora, a confiança perfeita.
Antes era uma salvação incompleta; agora é a perfeição.

Antes me segurava Nele; agora Ele me segura firmemente.
Antes estava sempre à deriva; agora minha âncora está firme.

Antes era um planejamento incessante; agora a oração da fé.
Antes era um preocupação constante; agora Ele cuida de tudo.

Antes era o que eu queria; agora é o que Jesus disser.
Antes era uma petição constante; agora, adoração incessante.

Antes era eu que trabalhava; agora Ele age por mim em mim.
Antes eu tentava usá-lO; agora Ele que me usa.

Antes eu queria o poder; agora tenho o Todo-poderoso.
Antes trabalhava por vaidade; agora, tão somente para Ele.

Antes tinha esperança de conhecer Jesus; agora sei que Ele é meu.
Antes minha luz era intermitente; agora brilha intensamente.

Antes esperava a morte; agora anseio por Sua volta.
Antes eu era um crente; agora sou um filho de Deus em Cristo Jesus.

Antes eu vivia; agora morri, por isso Cristo vive em mim.
E minhas esperanças estão firmadas no Céu.

Amém, Amém, Glória a Deus.

Bom dia para você - Graça e Paz.

Claudio Morandi

SABEDORIA

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

O SENTIDO DA VIDA

O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância. Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas
João 10:10-11


Alguém falou com propriedade: “Hoje em dia a falta de um verdadeiro sentido para a vida impulsiona milhares de pessoas para as drogas, a violência, o desespero e o suicídio”. Um jovem de 16 anos escreveu em sua carta de despedida: “Queridos pais, por favor, não se culpem. Vocês me deram tudo o que podiam. Vocês não têm culpa. Mas é insuportável para mim não ter resposta para o sentido da minha vida. Já não posso aguentar esse absurdo. Por que devo viver se minha vida não serve para nada?”

A solução para o problema da falta de sentido para a vida começa com a aceitação do fato de que não somos produto do acaso. Deus é nosso Criador. Ele nos deu a vida. Querido leitor, você já pensou alguma vez que o próprio Deus quer que você viva? Além disso, Deus o fez com exclusividade, porque Ele não repete Suas obras. E Ele ama você.

Nisso se mostrou o AMOR de Deus: em que não tenha abandonado Suas criaturas à própria sorte quando caíram no pecado e se rebelaram contra Ele. Ao contrário, o Senhor pensou em salvá-las e para isso enviou Seu Filho como homem a este mundo como sacrifício pelo pecado. Jesus Cristo, o único que não cometeu pecado, morreu em lugar dos pecadores. Com o sacrifício de Sua vida pagou as culpas de todo aquele que clama pelo perdão divino.

Junto com o perdão, o pecador arrependido recebe uma nova vida, selada com o Espírito Santo. Uma vida totalmente nova, a vida do próprio Deus, que dá ao ser humano motivos para viver de maneira que agrade seu Criador e Senhor.

Fomos feitos para a glória de Deus. E esse é o sentido da vida. Qualquer outro propósito para o qual devotemos nossa existência será inútil, não trará satisfação nem significado. Pare um pouco e pense: qual o sentido da minha vida? Eu vivo para quê? Pergunte para Deus porque Ele criou você. Talvez você se surpreenda…


Extraído do devocional Boa Semente

ALCANÇAR A LIBERDADE


segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

VOCÊ QUER?

"Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?" 

Romanos 10:14

O sociólogo Tony Campolo, da Filadélfia, foi convidado a participar de um café da manhã com o Governador. Em determinado momento, disse ao político: "O senhor sempre foi simpático com o Evangelho, mas, nunca se comprometeu a seguir Cristo. Por que?" O Governador, mostrando-se sincero, respondeu: "Por que nunca fui convidado". "Bem", disse Campolo, "eu o estou convidando". Para sua surpresa, o Governador disse: "Eu aceito o convite." (Leighton Ford)

Quantas pessoas que conhecemos jamais se decidiram a seguir Cristo, simplesmente porque nunca as convidamos? Quantas pessoas estão ansiosas para serem evangelizadas e acabam frustradas por nossa falta de coragem em falar de Cristo? Quantas pessoas decoram a palavra "sim" para o momento de alguém perguntar se desejam aceitar Jesus no coração e ficam com o "sim" guardado por falta de quem lhes pergunte: "Quer?"

Eu fui chamado para pregar as Boas Novas. Você também foi chamado para falar do amor de Deus. Todos nós, cristãos temos como tarefa básica, testemunhar de nossa salvação e conduzir pessoas à presença do Senhor. E por que não fazemos isso? Há quanto tempo estamos inertes, descansados, calados e indiferentes ao que o Senhor deseja de nós?

"Como ouvirão se não há quem pregue?" Não temos a obrigação de converter pessoas, porém, temos a obrigação de proclamar a Palavra de Deus. Se falamos de Deus, fazemos o bem e se não falamos, deixamos de fazer o bem e cometemos pecado. Se obedecemos a vontade do Senhor, nos alegramos e alegramos ao Senhor. Se não obedecemos, ficamos tristes e entristecemos o coração de Deus.

Quantas pessoas você convidou para Cristo no último ano?

Paulo Barbosa